Teatro & Pensata

Marcos Caruso leva peça a Portugal e analisa cenário nacional: “Temos um apoio governamental pífio”

Em papo com o site HT, o artista falou sobre os seus planos de voltar com o espetáculo O Escândalo Philippe Dussart assim que a novela terminar. Além disso, ele deu dicas para viver bem no auge dos 66 anos

Publicado em 05/12/2018 | Por Ana Clara Xavier

Sabedoria, gentileza, talento e um toque de bon vivant. Assim é Marcos Caruso. O ator é um verdadeiro monstro sagrado da atuação, sendo um ícone nacional dos palcos e das telinhas. Trabalhador incansável e apaixonado pelo universo das artes, ele transformou o teatro em sua segunda casa e é um dos maiores incentivadores do gênero no país. No ar em O Sétimo Guardião, ele vive o solitário e culto avô da protagonista, interpretada por Marina Ruy Barbosa, e o herdeiro de uma pequena fortuna familiar. Apesar da novela ter estreado há pouco, o artista está com planos a mil para o futuro. “Quero continuar com o meu espetáculo, O Escândalo Philippe Dussart, que foi premiadíssimo e ficou em cartaz no Brasil em 18 capitais e até em Portugal. Pretendo voltar com este projeto assim que terminar a trama e, para completar, pretendo levar outra peça para Lisboa no ano que vem”, salientou. Caruso se autointitula um homem do teatro e alguém tem dúvidas do contrário? Em papo exclusivíssimo para o site HT, o ator analisou o teatro português, falou sobre a relação com a internet e ainda deu dicas do que faz pra levar uma vida feliz no auge dos 66 anos.

Leia: De volta às novelas, Bruno Gagliasso celebra nova parceria com Marina Ruy Barbosa: “Intimidade muda tudo” 

Marcos Caruso está no ar com a novela O Sétimo Guardião. Na trama, ele interpreta o avô de Marina Ruy Barbosa (Foto: Divulgação)

“O teatro resiste há mais de dois mil anos. No entanto, hoje, a dificuldade é muito grande. Temos um apoio governamental pífio, o que nos leva a problemas financeiros e técnicos”, analisou Marcos Caruso. Com uma vida dedicada ao amor pelos palcos, o artista garantiu que não pensa em se render frente às adversidades que o gênero enfrenta. Tendo iniciado a carreira em um palco pequeno em São Paulo, atualmente, é dono de seis prêmios de Melhor Ator, de acordo com o Troféu Imprensa 2007, Prêmio Cesgranrio 2016, Prêmio Shell 2016, Prêmio Botequim Cultural 2016, Prêmio Fita de Teatro 2018 e muito mais!

Leia:  Artistas levantam a bandeira de resistência durante o Prêmio Fita De Teatro: “Um viva aos vagabundos da lei rouanet!”, ironizou o autor Leandro Muniz

O ator Marcos Caruso pretende ir para Portugal, no ano que vem, para apresentar mais uma peça no exterior (Foto: Divulgação)

E este talento chegou, até mesmo, a Portugal. Já tendo atuado em cinco momentos diferentes em terras lusitanas com a companhia de Regina Duarte e Irene Ravache, o ator tem planos de retornar em um futuro próximo levando uma nova empreitada. “Enxergo o teatro português em uma grande ebulição. É um público que lota a plateia e aplaude, no mínimo, quatro vezes cada artista. Até mesmo em cidades pequenas, o teatro tem 600 lugares que estão sempre cheios. É um público que sabe ouvir e está preocupado com a palavra. Atuar em Portugal é sentir no fio do cabelo e na pele a emoção de ser reconhecido como profissional”, salientou. Assim como ele, vários atores nacionais já marcaram presença no exterior e fazem do nosso país irmão a sua segunda casa artística.

Leia: Marina Ruy Barbosa sobre parceria com Aguinaldo Silva: “Ele acreditou em mim em uma hora fundamental, quando até eu mesma duvidei”, contou

Nas coxias de espetáculos ou nos bastidores das novelas, fica difícil encontrar alguém que não cultive uma admiração por Marcos Caruso. O ator, inclusive, é amigo de artistas bem novos como Marina Ruy Barbosa, que recentemente colocou um funk para ele dançar durante as gravações de O Sétimo Guardião. De acordo com profissional, não existe muita diferença entre esta nova geração e a sua. “A nova geração é a minha. Estou vivo. Não acho que o passado é menos importante que a atualidade, o que nós vivemos anteriormente nos levou a estar neste futuro. Não gosto de comparar a forma como a sociedade se organiza agora com antigamente. Não digo que o meu tempo era melhor, afinal, tivemos coisas boas e ruins quando eu era jovem assim como acontece hoje”, informou. Na verdade, Caruso ainda confessou que possui uma maior quantidade de amigos mais novos do que da sua idade. Para ele, saber conviver com todos os tipos de faixa etária é sinônimo de mais conhecimento e visões de mundo.

Saiba mais: O Sétimo Guardião: festa de lançamento agita o Rio De Janeiro com encontro de celebs como Carolina Dieckmann, Bruno Gagliasso E Marina Ruy Barbosa

Muito curioso, o ator faz sempre questão de se manter a par de tudo o que está rolando no meio artístico e no mundo digital. Para isto, Caruso usa constantemente a sua conta no Facebook e Instagram. Com um olhar sempre crítico para tudo o que o rodeia, ele garantiu que existem prós e contras nas redes sociais, principalmente, a partir de sua avaliação das discussões que rolaram durante as eleições. “A internet ou é terra de ninguém ou da bolha que escolhemos viver. Geralmente, nós apenas nos comunicamos com as pessoas que tem uma percepção parecida com a nossa. Isto não é legal. O bacana é conviver com as diferenças. A coisa que mais gosto é que discordem de mim, porque posso ponderar se estou certo ou errado. Me relacionar com gente que pensa exatamente a mesma coisa é sinônimo de acreditar que somos o centro do universo”, afirmou.

Saiba: Em editorial exclusivo no Rio Othon Palace, Vanessa Giácomo fala sobre O Sétimo Guardião e o trabalho como roteirista

O ator ainda deu dicas de como aproveitar a vida no auge dos 66 anos (Foto: Paula Kozzatz)

Mesmo com todo o imediatismo e velocidade do mundo moderno, Marcos Caruso ainda é aquele tipo de pessoa que valoriza pequenas coisas da vida e sabe aproveitá-las da melhor forma. No auge dos 66 anos, ele comentou três coisas que o ajudam a levar uma rotina mais leve. “Eu leio demais para me manter muito informado. Me preocupo em escutar a voz de quem está começando e quem sabe um pouco a mais. Isto é o básico. Além disso, pratico muito esporte, faço exercícios e cuido da minha alimentação. Ando todos os dias de bicicleta cerca 10 quilômetros. Para finalizar, tento sempre ser educado com o próximo. Hoje em dia, isto é sinônimo de saber ouvir. As pessoas têm uma tendência de falar de si mesmo o tempo inteiro, olhando para o próprio umbigo. Eu olho para mim, afinal, não sou bobo, mas também enxergo o outro com fraternidade. Temos que parar de achar que somos superiores. Afinal, é só exumar o nossos corpos para ver que somos idênticos”, salientou. Tem como não ficar inspirado?

 

Pesquisas relacionadas