Cinema & TV

“Sempre falo primeiro e penso depois”, dizia Ingrid Bergman, homenageada no Festival de Cannes por Isabella Rosselini

Considerada pelo American Film Institute como uma das quatro maiores estrelas de Hollywood, a atriz sueca – símbolo desta edição do festival – tem sua vida recapitulada em documentário exibido em seção nesta noite de terça-feira

Publicado em 20/05/2015 | Por Alexandre Schnabl

*Por Flávio Di Cola, diretamente de Cannes

Uma das mais importantes contribuições dos festivais de cinema que pipocam mundo afora – além da principal que é descortinar para o mundo os novos horizontes da cinematografia – tem sido a de se voltar para o passado da história do cinema e lá buscar valores e símbolos determinantes de sua trajetória a fim de submetê-los à apreciação do olhar contemporâneo e – conforme o caso – prestar os devidos tributos às figuras mais admiradas e queridas.

Depois de Marcelo Mastroianni, no Festival de Cannes do ano passado, eis que chega a vez de Ingrid Bergman (1915-1982) ser relembrada como uma das atrizes mais influentes da sua época, não só pelo seu legado para o cinema e o teatro, mas também pelo impacto que causou em corações e mentes desde o momento em que desembarcou em Hollywood em 1939 – já casada e com uma filha – a convite do super produtor David O. Selznick de E o vento levou…, passando pelo seu banimento da Meca do Cinema, em 1950, na esteira do escândalo causado pelo seu romance “ilícito” (como adoravam tripudiaras revistas da época) com o sedutor diretor Roberto Rossellini, “pai” do neorrealismo italiano, até o seu “resgate moral” em 1956, quando volta a Hollywood premiada pela Academia e “perdoada” pela comunidade cinematográfica, que tinha (e ainda tem) o hábito de expiar suas injustiças e culpas distribuindo estatuetas do prêmio Oscar.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Ingrid Bergman, mulher inteligente, nunca se iludiu com esses humores da indústria do cinema e da mídia e foi a primeira a sentenciar com saudável senso de humor o resultado de todos esses percalços: “Cheguei a Hollywood para me tornar uma santa, saí de lá como puta, e retornei de novo como santa”.

Fotos: Reprodução

Fotos: Reprodução

Ernest Borgnine anuncia o prêmio Oscar de Melhor Atriz de 1957 para Ingrid Bergman que enviou Cary Grant
para representà-la: mesmo premiada, ela ainda receava a hostilidade do publico americano (Reprodução)

Frases como estas e inúmeras outras reflexões da atriz estão belamente inseridas no documentário “Ingrid Bergman – In her own words” (Jag Är Ingrid, 2015), do diretor, escritor e crítico Stig Björkman, especializado em livros biográficos de gente de cinema como Ingmar Bergman, Woody Allen e Lars Von Trier. Em 2011, ele aceitou o desafio que Isabella Rossellini lhe lançou de fazer “um filme sobre mamãe”, na linguagem franca e despretensiosa da inesquecível atriz do já clássico “Veludo azul” (Blue velvet, 1986), dirigido pelo seu companheiro – na época – David Lynch. Dito e feito: com a providencial colaboração das famílias Bergman e Rossellini, Björkman teve acesso a documentos inéditos da vida privada de Ingrid, como cartas, diários e – principalmente – ao material que acabou se transformando na melhor parte do documentário: centenas de fotografias e rolos de filmes escrupulosamente guardados desde a sua infância em Estocolmo, quando posava sistematicamente para o pai Justus Bergman, ele também um fotógrafo profissional.

Festival de Cannes 2015 documentário Ingrid Bergman cartaz final

Foto: Divulgação

A influência, digamos “artística”, do pai foi determinante na vida de Ingrid, até porque sua mãe morrera quando ela tinha apenas dois anos de idade. Alguns psicanalistas de plantão poderão arriscar a hipótese de que essa poderosa identificação que Ingrid desenvolvera em relação ao pai pode ter influenciado subterraneamente o ardente romance – também “ilícito” – com um dos mais célebres e destemidos fotojornalistas do século XX, o americano de origem húngara, Robert Capa, fundador da mitológica cooperativa de fotógrafos Magnum, cujos traços viris e nada nórdicos já antecipariam os do seu outro grande amor, Roberto Rosselini.

Ingrid Bergman teve um caso escondido com o fotógrafo Robert Capa sem prejuizo para a sua imagem de esposa e mãe exemplares: Hollywood preferia a hipocrisia (Foto: Reprodução)

Ingrid Bergman teve um caso escondido com o fotógrafo Robert Capa sem prejuizo para a sua imagem de esposa e mãe exemplares: Hollywood preferia a hipocrisia (Foto: Reprodução)

É importante ressaltar aqui os aspectos íntimos da vida da estrela, pois é justamente a viagem profunda ao seu universo privado que garante a originalidade do documentário de Stig Björkman. Talvez, por isso, o diretor procure de uma forma insistente mostrar as páginas e as linhas dos diários de Bergman e de destacar o trabalho que ela mesma tinha para organizar, guardar e transportar os registros de vida ao longo das inúmeras mudanças de domicílio e país que foi obrigada a enfrentar para dar curso aos seus projetos, mesmo que isso acarretasse certa instabilidade e longos períodos de ausência na formação dos seus quatro filhos, como fica bem claro nos depoimentos de Pia Lindström, Roberto, Isabella e Ingrid Rossellini – os três últimos presentes na seção de homenagem e exibição de “Ingrid Bergman-In her own words”, nesta noite de terça-feira (19/5) em Cannes, além de autoridades do governo sueco.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Todavia, aspectos fundamentais da persona cinematográfica da estrela não são esquecidos, bem como algumas doses de fofocas de bastidor. Assim, é possível perceber através de preciosos trechos de filmes reunidos por Björkman que Ingrid Bergman talvez tenha sido a única estrela da era de ouro de Hollywood que não foi artificialmente manufaturada pelas competentes legiões de maquiadores, figurinistas e cinegrafistas dos estúdios. No máximo, os técnicos tinham que disfarçar a sua altura de 1,80m diante de atores muito mais baixos do que ela com quem dividia a cena, como o sedutor Charles Boyer, seu parceiro no melodrama vitoriano “À meia luz” (Gaslight, 1944, de George Cukor) que lhe rendeu seu primeiro Oscar e a conduziu ao pináculo do seu star power, ainda que já houvesse sido incensada pelos publicistas como a sueca de plantão na Fábrica de Sonhos, substituindo sua conterrânea Greta Garbo, que na mesma época abandonava as telas para se permitir o isolamento público.

Confira abaixo a atriz recebendo seu primeiro Oscar por “À meia luz” (Gaslight, 1944), clássico da cinematografia mundial (Reprodução):

Essa fidelidade à vocação de Ingrid Bergman para o natural e o sadio tipicamente nórdicos deve ser creditada não só à resistência da própria atriz, mas também à astúcia do seu produtor e amigo David O. Selznick que logo percebeu que Bergman estava predestinada a trazer para o cinema um frescor e uma autenticidade estranhos ao conceito de “glamour” dos americanos. Essa maravilhosa particularidade de Bergman ficou muito mais clara para ele quando a presenteou com um mink, afirmando que essa era uma peça indispensável para toda estrela de Hollywood que se prezasse. A sueca recusou a luxuosa prenda, pois – sensatamente – achava desnecessário um casaco de peles para o clima da Califórnia. Selznick replicou: “Você não precisa vesti-lo. Só arraste-o por aí”. Diante dessa insólita sugestão, a Ingrid Bergman só restou sustentar delicadamente a recusa com o seu riso franco e o seu olhar que parecia iluminar tudo ao seu redor, como recordou o grande produtor.

Histórias como essas não são apenas pitorescas anedotas no quadro de uma vida tão rica e complexa como a dela, mas elas ilustram – de um jeito divertido – como Ingrid Bergman manteve-se coerente em relação às suas convicções e como corajosamente aguentou todas as consequênciasdos seus atos. Além disso, também combinam com o que ela escreveu na sua autobiografia: “Renunciar ao que você é, é mais terrível do que morrer, mais terrível do que morrer jovem”.

O mais longo beijo do cinema foi dado por Ingrid Bergman e Cary Grant num Rio de Janeiro recriado em estudio
no filme “Interlúdio” (Notorious, 1946), de Alfred Hitchcock (Reprodução)

Confira abaixo a galeria de imagens da atriz (Fotos: Reprodução):

Este slideshow necessita de JavaScript.

*Flávio Di Cola é publicitário, jornalista e professor, mestre em Comunicação e Cultura pela UFRJ e ex-coordenador do Curso de Cinema da Universidade Estácio de Sá. Apaixonado pela sétima arte em geral, não chega a se encantar com blockbusters, mas é inveterado fã de Liz Taylor – talvez o maior do Cone Sul –, capaz de ter em sua cabeceira um porta-retratos com fotografia autografada pela própria  

Pesquisas relacionadas