Cinema & TV

“Quando soube que o filme seria sobre Brizola, eu aceitei na hora”, diz Cleo Pires, que atua em ‘Legalidade’

Com a presença de amigos de elenco e familiares, a exibição do longa-metragem no Festival de Cinema de Gramado foi em homenagem póstuma ao ator Leonardo Machado, que interpreta o político que foi governador do Rio Grande do Sul e do Rio de Janeiro. A noite ainda contou com entrega de prêmio da Mostra Gaúcha

Publicado em 19/08/2019 | Por Heloisa Tolipan

Equipe do longa brasileiro “Legalidade” faz homenagem póstuma ao ator Leonardo Machado, durante o 47º Festival de Cinema de Gramado (Foto: Cleiton Thiele / Agência Pressphoto)

*Com Thaissa Barzellai

A terceira noite da 47ª edição do Festival de Cinema de Gramado foi repleta de lembranças. Conferimos as homenagens póstumas a Leonardo Machado (1976-2018), momentos antes da exibição especial do filme “Legalidade”, direção de Zeca Brito, último trabalho do ator, que morreu em setembro, vítima de câncer no fígado. No longa-metragem, ele interpreta o político Leonel Brizola (1922-2004). Leonardo também foi o apresentador oficial do Festival de Cinema de Gramado durante oito anos consecutivos. Vem saber tudo o que rolou nessa noite cheia de emoções!

A equipe do longa ‘Legalidade’ com os pais do ator ‘Leonardo Machado’, no 47º Festival de Cinema de Gramado (Foto: Edison Vara / Agência Pressphoto)

Os primeiros passos da noite a caminho do resgate cultural e social foram dados em frente ao Palácio dos Festivais por um grupo de jovens entusiastas e trabalhadores carregando grandes pôsteres de obras da cinematografia brasileira e em coro dizendo: “Pelo Cinema! Pela Cultura!”. Neste mesmo momento, o diretor e o elenco do longa-metragem “Legalidade” passavam pelo tapete vermelho. O ator Fernando Alves Pinto, que está em “Legalidade” e, no final dos anos 90, participou do chamado “cinema da retomada” atuando em “Terra Estrangeira”, direção de Walter Salles, comentou: “Precisamos da cultura tal qual precisamos de ar para respirar”.

Equipe do longa brasileiro Legalidade no Festival de Gramado (Foto: Cleiton Thiele / Agência Pressphoto)

Foi nesse clima que o elenco do longa-metragem desfilou a caminho da sala de exibição. A história do filme se passa no início dos anos 60 e conta os bastidores do movimento político: o Legalidade, liderado por Brizola. “O filme é uma história muito bem alinhavada. Uma história da gente e de como resistimos”, frisou Fernando Alves Pinto que, recentemente, deu vida a Brecht, outra figura atuante nas causas sociais, principalmente das minorias, na peça “Piaf e Brecht – A Vida em Vermelho”.

Leia mais aqui – ‘Piaf conferiu dignidade às pessoas marginalizadas pela sociedade’, diz Letícia Sabatella, que estreia musical

O diretor Zeca Brito e a atriz Cleo Pires no 47º Festival de Cinema de Gramado (Foto: Edison Vara / Agência Pressphoto)

O filme, que traz uma pesquisa história por parte do diretor muito profunda e detalhada, também abre espaço para discussões com relação não só ao papel dos cidadãos como também para figuras sociais atuantes, como o jornalista. Na trama, a personagem interpretada por Cleo Pires é uma jornalista. “Cecília é capaz de mudar o futuro do país com a sua abordagem. Quando o Zeca me falou sobre a história vivida por Leonel Brizola, eu aceitei o papel na mesma hora. Sempre fui apaixonada por ele”. A atriz ainda brincou: “Tinha um ‘crush’ com Brizola desde criança. Ele era tema de conversas em família sempre nos cafés da manhã na casa dos meus pais”.

A atriz Letícia Sabatella no 47º Festival de Cinema de Gramado (Foto: Cleiton Thiele / Agência Pressphoto)

O diretor Zeca Brito lembrou que Leonardo Machado esteve na produtora antes mesmo de o roteiro ser concluído e mostrou seu interesse em atuar como protagonista: “O Leo chegou falando na produtora que o Brizola seria dele. Ele tinha o Brizola no coração”. Na noite deste domingo, dia 18, foi essa paixão que Leonardo tinha pelo projeto, pelo Rio Grande do Sul onde Brizola participou do movimento e, acima de tudo, pela arte que tanto emocionou amigos e familiares que vieram prestigiar a exibição. “A interpretação do Leonardo Machado vale todo o filme. Eu fiquei impressionada. A gente realmente vê o Brizola em cena. Na cena em que ele fala na radiofone, você tem a sensação que é o próprio”, conta Letícia Sabatella, que também está no elenco.

Os pais do ator Leonardo Machado no 47º Festival de Cinema de Gramado (Foto: Edison Vara / Agência Pressphoto)

A recepção calorosa dos amigos de profissão de Leonardo Machado foi recebida como um presente pelos pais e esposa do ator, que estiveram presentes no Palácio dos Festivais e ainda receberam uma homenagem póstuma de um festival de cinema realizado no sertão nordestino que concedeu o prêmio de Melhor Ator a Leonardo Machado. Emocionado, o pai do ator, Loureni Machado, fez questão de agradecer a chance de conhecer pessoas que hoje fazem parte da família. “Eu queria agradecer ao Festival de Gramado por tudo o que fez pelo Leonardo e pelo o que fez por nós. Eu queria agradecer também ao nosso filho pelos amigos que fez em vida e hoje são eles que me ajudam a viver”, disse. A mãe, Sandra Machado acrescentou que a morte de Leonardo “não será impedimento para ele continuar integrando a história do Festival”.

Em seguida, foram apresentadas duas produções: uma nacional e outra estrangeira. “O véu de Amani“, direção de Renata Diniz com Mariah de Andrade Paiva como protagonista. A diretora aborda a questão das diferenças culturais entre uma refugiada palestina e uma jovem brasileira, explicitando a forma como a memória de uma pessoa se manifesta quando o conhecido entra em choque com o desconhecido. A noite de Mostra Competitiva continuou na temática temporal em “La Forma de Las horas”, direção de Paula de Luque, trama sobre um amor que entra em colapso em um período de 24 horas, desencadeando uma viagem na mente da protagonista. “Goddard dizia que os filmes têm começo, nó e o desenvolvimento, não necessariamente nessa ordem. É um pouco sob essa premissa que os “tempos” se encontram misturados na mente da protagonista e ela os organiza de uma maneira ou de outra conforme as coisas vão acontecendo entre as viagens que está transitando”, explica a diretora argentina Paula de Luque, conhecida por abordar a temática romântica em seus trabalhos.

A diversidade entre os temas que estão sendo abordados a cada noite, sempre oferecendo um toque essencial e contemporâneo ao Festival, como os dois primeiros dias que trouxeram a resistência e representatividade para a mesa, tem levado a experiência de fazer parte desse evento para ainda mais além, principalmente para os jurados. Thiago Lacerda, que está na bancada do júri desta edição afirmou: “É uma oportunidade muito bacana poder estar inserido nos bastidores do Festival de Gramado. A posição de jurado é uma experiência válida e eu me senti honrado”.

Com mais cinco dias de exibições pela frente, a noite de ontem terminou com a premiação da primeira edição da Mostra Gaúcha, cujo grande vencedor foi “Só sei que foi assim”, da diretora Giovanna Muzel.

Pesquisas relacionadas