Cinema & TV

Pré-estreia carnavalesca! Bateria Invocada da Grande Rio anima o lançamento de “Apaixonados, o filme”, e Paloma Bernardi e elenco caem no samba!

O longa reúne um elenco de nomes como Nanda Costa, Raphael Vianna, Roberta Rodrigues, João Baldasserini, Paloma Bernardi, Roberto Bomfim e outros. Roteirista e diretor, Paulo Fontenele destacou: “É uma quase antítese contar três histórias de amor diferentes entre si, mas reais e possíveis, em um clima de carnaval, felicidade, loucura”

Publicado em 01/03/2016 | Por Karina Kuperman

Imagine três casais completamente diferentes entre si mas que tem algo em comum: se apaixonam na mesma época do ano, o Carnaval. Essa é a história de “Apaixonados, o filme”, estrelado por Nanda Costa, Raphael Vianna, Roberta Rodrigues, João Baldasserini, Paloma Bernardi, Roberto Bomfim e grande elenco. Enquanto a porta-bandeira Cássia, interpretada por Nanda Costa e o jovem médico Léo, de Raphael Vianna vivem um desencontro amoroso, já que se encontram no elevador, mas esquecem de trocar contatos, do outro lado da cidade, Soraia (Roberta Rodrigues) e Hugo (João Baldasserini) se encantam um pelo outro em um bloco de rua, mas ela é da comunidade e ele, um cara rico e mimado. A terceira história é de Uítinei (Evelyn Castro) uma mulata que se apaixona por Scott (Danilo de Moura), um gringo que odeia carnaval e faz de tudo para ir embora do Brasil no meio da folia. Roteirista e diretor do longa, Paulo Fontenele destacou a possibilidade de falar de amor no carnaval – uma época que talvez seja pouco propícia para a paixão. “O que mais me encanta é poder contar três histórias de amor diferentes entre si, mas reais e possíveis, em um clima de carnaval, felicidade, loucura. Essa quase antítese me atraiu de primeira”, disse durante pré-estreia ontem, segunda-feira, no Cinépolis Lagoon.

apaixonados

Raphael Vianna e Nanda Costa vivem Léo e Cássia(Foto: Divulgação)

Ter o carnaval como pano de fundo ficou ainda mais real graças a Acadêmicos da Grande Rio. É na escola de Caxias que Sabine, vivida por Paloma Bernardi, arma diversas confusões. Atriz famosa e convidada para ser rainha de bateria – apesar de não ter ligação com a escola, Sabine é sem talento e super perua. “Ela gosta de aparecer, quer a fama, estar acima de tudo. Sabine é capaz de passar por cima das pessoas para conseguir o que quer”, contou Paloma que, em comum com a personagem, só o cargo à frente da bateria Invocada, que ela representou com orgulho no carnaval 2016. “A vaidade é o que menos importa na Avenida. O legal é o desfile, a performance. O mais importante é o samba no pé, a interação com público”, defendeu, antes de correr para sambar ao som de sua Invocada na pré-estreia de Apaixonados. Paulo Fontenele também comemorou o clima carnavalesco carioca e contou que a ideia do longa era abordar as diversas formas de diversão no carnaval. “O filme mostra várias facetas do carnaval. Não ficamos só no de Avenida, fomos para os blocos rua e para o off-carnaval também. Nada melhor do que contar isso através de três histórias de amor. ‘Apaixonados‘ mostra que é possível encontrar seu par nessa época do ano e começar uma relação que pode ser duradoura. Inclusive tem um exemplo real no final do filme. É legal pensar que uma história de amor pode acontecer em qualquer lugar ou momento”, disse.

apaixonados2

Paloma Bernardi é a rainha de bateria Sabine (Foto: Divulgação)

Para Paulo, a experiência de dirigir o próprio roteiro não é nova, mas ele fez questão de destacar a energia do set. “O diretor, na verdade, dá a sua visão sobre o roteiro. Então quando eu dirijo o meu, tudo se mistura. Eu já sabia para onde a história deveria seguir. Mas a facilidade é mais na hora de escrever do que dirigir. Quando é de outro roteirista, a história está ali e você cria em cima. O legal de ‘Apaixonados‘ foi o engajamento de elenco e equipe que eu nem estou tão acostumado a ver. Essa participação de todos foi incrível”, elogiou. Raphael Vianna, protagonista da história, concorda: “Foi muito prazeroso esse trabalho. Já tinha trabalhado com o Paulo em ‘O divã 2’, feito novela com a Nanda, que, aliás, foi uma grande parceira. Nós dois conseguimos, juntos, fazer com que aquela primeira cena ficasse na cabeça das pessoas durante o resto do filme, que é fruto de uma entrega de parceria, troca de verdade, só tenho a agradecer. Estou muito feliz com o resultado desse filme”, declarou.

apaixonados3

O carnaval de rua também é pauta do filme (Foto: Divulgação)

A cena a que ele se refere é a do primeiro encontro do casal, preso no elevador. E será que isso já aconteceu com o intérprete de Léo? “Pior que já. Fiquei preso no elevador com pessoas que eu conhecia e que eu não conhecia. É uma situação que está todo mundo no mesmo perrengue. Então, como romper esse bloqueio de estar com um desconhecido? Quando li o roteiro e vi a cena lembrei logo, mesmo com a diferença de contexto”, contou ele, outro apaixonado pelo carnaval. Raphael, aliás, desfilou pela Grande Rio esse ano. “Me aproximei da Grande Rio através do filme. Já desfilei algumas vezes em outras escolas. Saí como passista na Vila Isabel, já representei a Mangueira, a Portela. Gosto bastante de samba e do carnaval do Rio. Tenho samba no pé, engano direitinho”, garantiu.

apaixonados4

Cena de “Apaixonados, o filme” (Foto: Divulgação)

Um longa que tem o carnaval como pano de fundo já desperta saudades da Avenida? “É bacana ver o filme tendo acabado de passar tudo isso no carnaval, você relembra tudo, esse carnaval de Avenida eu vivi de dentro. É bacana assistir nesse momento, que vivemos esse período há pouco”, disse ele que, em uma pré-estreia carnavalesca, não podia deixar o cinema sem dar uma sambada à frente da bateria Invocada. “Com certeza vou lá sambar!”, riu ele, que já esteve em outros quatro lançamentos de “Apaixonados, o filme” e garantiu: tem feito sucesso. “É muito bacana ver a reação das praças diferentes e a recepção de cada lugar. Hoje, foi uma sala quente, gostosa, todo mundo contaminado, contagiado”, contou, apesar da dificuldade de elenco e público chegarem ao Lagoon com o temporal que desabou sobre o Rio. Com tanta alegria, como ser diferente?

Pesquisas relacionadas