Cinema & TV

Gabriella Mustafá reflete sobre amizade tóxica: “Precisamos falar sobre responsabilidade emocional”

A atriz, que interpreta Nanda, em "Malhação", estreou na televisão dividindo uma protagonista com Juliana Paes e Eliane Giardini na série “Dois irmãos”: “Me acolheram com muito amor e generosidade”

Publicado em 07/09/2019 | Por Heloisa Tolipan

*Por Karina Kuperman
No ar como a aspirante a funkeira Nanda em “Malhação”, a atriz Gabriella Mustafá ficou conhecida do grande público na série “Dois irmãos”, quando viveu, logo de cara, a protagonista Zana, papel que dividiu com ninguém menos do que Juliana Paes e Eliane Giardini. “Foi uma experiência arrebatadora, o Luiz Fernando Carvalho (diretor) acreditou em mim e no meu trabalho em um momento pessoal e artístico em que eu precisava muito. A seleção foi através de um material que enviaram durante o processo de pesquisa de elenco e eu acabei sendo escalada para interpretar a Zana. Foi muito inesperado, eu tinha acabado de me mudar para São Paulo e, de repente, vi a minha vida mudar completamente. A responsabilidade era grande mas, ao mesmo tempo me sentia amparada para poder criar, aprender, me divertir e me descobrir artisticamente durante todo o processo de preparação e gravação”, lembra ela, que teve que segurar a ansiedade de ver o trabalho no ar. É que “Dois irmãos” só foi veiculada na televisão um ano e meio após as gravações.

Gabriella Mustafá vive Nanda em “Malhação – Toda forma de amar” (Foto: Vinicius Mochizuki)

“A ansiedade era inevitável. Quando fazemos um trabalho tão intenso como foi a minissérie, queremos ver o resultado logo. Mas também foi um período que eu consegui cuidar de mim, dos meus estudos, de planos que eu acabei adiando, foram momentos de muito aprendizado e descobertas profissionais e pessoais”, conta ela, que fez grandes amigos no set. “Sou apaixonada pela Ju e pela Eliane. Admiro elas não só como atrizes, mas também como mulheres. Esse encontro foi muito especial, elas me acolheram com muito amor e generosidade, aprendi muito sobre estar disponível e entregue em um trabalho. Foram quase três meses de preparação e conviver diariamente com elas fez com que criássemos um vínculo não só profissional. Nos falamos sempre e quando nos encontramos é um momento cheio de abraço e muita saudade”, diz. “E eu fico muito feliz quando dizem que eu tenho alguma semelhança com a Ju, ela é uma mulher linda e uma grande atriz. Acho que por termos os olhos mais amendoados e bocão as pessoas acabam nos achando parecidas”.
Em 2017, Gabriella estreou em horário nobre! Ela viveu Melissa em “O outro lado do paraíso”, de Walcyr Carrasco. Tendo, logo de cara, dois trabalhos tão intensos no currículo, o que muda ao fazer “Malhação” – novela criada pensando no público mais jovem? “São experiências completamente diferentes. Não só pelo público-alvo mas também pelo tempo que ficamos no ar, pela forma como a gente acaba estudando e organizando o texto e a rotina também está sendo mais intensa. Estou aprendendo muito, tenho muito espaço pra poder criar e também pra errar, sinto que estou amadurecendo artisticamente e vivendo de forma intensa a magia da TV, que é poder estrear todos os dias”, afirma.

A atriz estreou na televisão como a protagonista Zana em “Dois Irmãos” (Foto: Vinicius Mochizuki)

Sua Nanda aborda uma questão muito importante: a amizade tóxica. Muitos pensam que relacionamentos assim só podem ser os amorosos, mas a amizade pouco saudável de Nanda com Raíssa (vivida por Dora de Assis) já é uma questão amplamente discutida na internet. “Acho super importante e necessário. Estamos vivendo um momento em que precisamos falar sobre responsabilidade emocional e o quanto somos responsáveis por aquilo que dizemos aos outro e abordar esse tema em uma novela mais voltada para o público jovem se torna parte essencial para iniciarmos a discussão. A relação tóxica entre a Nanda e a Raíssa é muito mais comum do que eu imaginava, recebo mensagens quase que diariamente de meninas contando que passam ou já passaram por isso e que se sentem representadas e alertadas em relação a esse tipo de amizade”, diz.
Formada em balé clássico, Gabriella precisou entender de um novo tipo de dança para viver Nanda: o funk – já que a personagem sonha em ser a “nova Anitta”. “É um desafio. Eu sempre gostei de dançar mas, nas cenas de dança existe uma coreografia, tem as intenções da personagem, é muito diferente. Temos a Tati, nossa professora de dança, que acompanha as cenas e me dá aulas de dança desde o início. No começo, eu ficava nervosa para essas cenas, agora já me sinto um pouco mais segura. Estou tendo que rebolar mesmo”, confessa.

Gabriella teve que aprender a dançar funk para viver a personagem na novelinha (Foto: Vinicius Mochizuki)

Em comum com a personagem, o sonho de viver de arte no Brasil. “Eu levo para a Nanda a determinação. Eu sou uma mulher muito sonhadora e sempre corri muito atrás dos meus objetivos. Estou podendo emprestar um pouco dessa energia pra Nanda, lógico que discordando totalmente da conduta e das atitudes da personagem para conseguir o que quer mas, sinto que posso levar essa característica particular pra nossa trama. Viver de arte em um país onde existe pouco investimento e valorização é muito difícil, sinto que através da nossa trama, de alguma forma, posso dar voz a inúmeras meninas que vivem nas comunidades, com poucas oportunidades e que sonham em um dia poder fazer aquilo que amam”, afirma.
Gabriella divide seu tempo entre as gravações e a faculdade de história. “Quando pensei em fazer faculdade de História, não pensei que seria um plano B, mas sim uma forma de agregar conhecimento a minha profissão de atriz. Sempre fui muito curiosa, gosto muito de estudar e ler sobre diversos assuntos e escolher esse curso me trouxe essa possibilidade. O ator sempre está buscando novos conhecimentos para podermos contar nossas histórias para as pessoas e a faculdade me proporcionou não só conhecer um pouco mais sobre mim mas, também conhecer sobre a nossa própria história”.

Gabriella Mustafá faz faculdade de História (Foto: Vinicius Mochizuki)

Com “Malhação”, Gabriella pôde sentir a diferença na abordagem do público. “Estou recebendo muito carinho nas redes sociais, mensagens diariamente de pessoas contando as próprias experiências em amizades tóxicas como da Raíssa e da Nanda. A grande diferença é que o público mais jovem é muito mais presente nas redes sociais, interage mais com a gente, o retorno é muito imediato. Estou me divertindo e muito feliz com o carinho”, comemora. “Ainda temos muita história pela frente. Nos próximos capítulos, vamos ver muita maldade da Nanda e eu estou adorando essas possibilidades que ela me traz como atriz, existe um ar de mistério e cada vez mais profundidade. Mas, eu, Gabi, torço para que exista uma tomada de consciência real em relação às atitudes tóxicas que ela tem tanto na sua relação com a Raíssa quanto na sua relação com o Camelo. Mas, se eu puder dar uma spoiler, é que a Nanda não está para brincadeira não”. Mal podemos esperar pra conferir.

Pesquisas relacionadas