Cinema & TV

Em clima de folia, Erika Januza posa para editorial exclusivo do site HT fotografado no Rio Othon Palace

"O carnaval é sinônimo de geração de renda e trabalho em um país com alto índice de desemprego como o Brasil. Eu admiro essa festa não só pelos dias de desfiles das escolas de samba, mas pela quantidade de pessoas que constroem um sonho”, disse a atriz e musa da Vai-Vai, em São Paulo, e da Grande Rio, na Marquês de Sapucaí

Publicado em 24/02/2019 | Por Bárbara Tenório

(Foto: Prema Surya/ Styling: Vitor Carpe/ Make: Lucas Almeida/ Créditos: Cabeça: Hercilha Herculano; Vestido: Apartamento 03; Joias: Marcia Elpern Joias; Sapatos: Cavage)

Em um mundo repleto de superficialidades é preciso separar o joio do trigo e escolher ter conhecimento, profundidade e autenticidade. E Erika Januza sabe bem disso. A atriz, que estreou com tudo na série Suburbia, da Globo, lá em 2012, até hoje se dedica aos estudos de interpretação, às aulas de canto e a qualquer outra atividade em prol de atingir a perfeição ao interpretar uma personagem. Conversamos muito com Erika durante o editorial de carnaval do site HT no qual ela foi escolhida como musa. A mineira dos olhos super expressivos chegou sorridente à suíte de frente para a Praia de Copacabana especialmente preparada no Rio Othon Palace para os cliques sob a batuta de Prema Surya. A diva pós-moderna entrou no clima carnavalesco produzido pelo stylist  (também mineiro) Vitor Carpe e teve a beleza realçada pelas mãos do maquiador Lucas Almeida.

(Foto: Prema Surya/ Styling: Vitor Carpe/ Make: Lucas Almeida/ Créditos: Cabeça: Alexander Dario; Vestido: Arte Sacra; Joias: Monalisa Joias/ Sapatos: Schutz)

Durante a sessão de fotos, Erika mostrou delicadeza e naturalidade tanto nos gestos para cada imagem quanto para abrir o coração e falar sobre a trajetória profissional emocionante, as dores e delícias de se viver da arte no Brasil, o passado de luta por um espaço ao sol, a infância repleta de ídolos e sonhos em Contagem, sua cidade natal. Mas, como já é carnaval também abordamos as questões do sagrado e do profano da maior festa popular brasileira e a jornada dupla da atriz como musa da Vai-Vai, escola de samba paulistana, e da Grande Rio, na Marquês de Sapucaí.

(Foto: Prema Surya/ Styling: Vitor Carpe/ Make: Lucas Almeida/ Créditos: Cabeça: Victor Dzenk; Vestido: Arte Sacra Coutture/ Joias: Marcia Elpern Joias)

No início do nosso bate-papo, Erika contou que em sua família ninguém é artista e muito menos sambista. E como a jovem de Contagem começou a carreira logo de cara como uma protagonista na TV? “O destino foi generoso. Eu não imaginava que seria atriz. Atuar era algo muito distante da minha realidade. Um dia, eu fiz a inscrição para um teste que eu pensava que seria para modelo de campanha publicitária. A realidade é que era para integrar o elenco da série de TV. Tive êxito e fui protagonista de Suburbia aprendendo tudo na escola da vida, observando os outros atores e perguntando aos mais experientes quando surgia alguma dúvida. Foquei no que o universo me proporcionou e vivi para aquele trabalho”, revelou Erika que, a partir daí, se apaixonou pela atuação e mergulhou em cursos e workshops para aprimorar o dom que recebeu nesta vida.

(Foto: Prema Surya/ Styling: Vitor Carpe/ Make: Lucas Almeida/ Créditos: Cabeça: Acervo Grande Rio; Vestido: Arte Sacra Coutture; Sapatos: Schutz)

“No início era tudo incerto no caminho que optei por seguir, mas eu nunca desisti. Foi assim no começo e é até hoje: dedicação à potência máxima. A minha profissão é prioridade. Tudo o que eu puder fazer por ela e para ela, eu não pensarei duas vezes”, garantiu a atriz. E, por falar em profissão, Erika levava uma vida muito diferente antes do seu primeiro papel na TV. Em Contagem, ela era secretária em uma escola infantil e fez questão de deixar as portas abertas se um dia precisasse voltar. “Eu tinha carteira assinada. Trabalhava de segunda a sexta-feira. Era uma vida regrada e completamente diferente. Pedi à direção da escola permissão para gravar a série da Globo. Tinha tanto medo de um dia ficar desempregada que perguntei se eu poderia voltar caso a carreira de atriz não desse certo”, relembrou Erika.

(Foto: Prema Surya/ Styling: Vitor Carpe/ Make: Lucas Almeida/ Créditos: Cabeça: Acervo Grande Rio; Vestido: Arte Sacra Coutture; Joias: Monalisa Joias)

Como protagonista de Suburbia, Erika ganhou projeção nacional. Em seguida, veio a personagem Alice, na novela Em Família, de Manoel Carlos. Depois, Julia em Sol Nascente. “Essa novela foi um divisor de águas na minha vida. Eu estava em um momento difícil da minha vida, rezando a Deus para me orientar e quase decidindo voltar para Minas Gerais. No entanto, Deus ouviu minhas preces e eu ganhei de Walther Negrão um papel incrível. Foi a minha salvação e o que fez eu ficar aqui, no Rio de Janeiro. Minha personagem começou como pescadora e terminou como advogada. Era um papel pequeno que cresceu”, revelou Erika, que depois interpretou a juíza Raquel Custódio, em O Outro Lado do Paraíso, par romântico de Caio Paduan.

(Foto: Prema Surya/ Styling: Vitor Carpe/ Make: Lucas Almeida/ Créditos: Acessórios: Atelier Chilaze)

“Eu comecei a carreira de atriz como protagonista e, a partir dessa oportunidade, percebi que era vital me preparar muito para poder viver da minha arte. Mas, estou no caminho e sonho com novas personagens na TV e em integrar o elenco de um musical. O que eu mais desejo é ser reconhecida como uma boa atriz, independente da aparência, porque o que você constrói com trabalho sério permanece para todo o sempre”, frisou. 

(Foto: Prema Surya/ Styling: Vitor Carpe/ Make: Lucas Almeida/ Créditos: Cabeça: Hercilha Herculano; Vestido: Apartamento 03; Joias: Marcia Elpern Joias; Sapatos: Cavage)

Na vida pessoal, Erika Januza é caseira. “O melhor lugar para me encontrar é na minha casa”, frisou. É nesse universo particular que ela estuda suas personagens para transformar a timidez em algo repleto de emoção quando está sob os holofotes – seja do set de gravação ou de uma passarela do samba. “Brinco que todo mundo tem uma diva dentro de si e o carnaval proporciona um momento único”, destacou a musa da Vai-Vai e da Grande Rio.

(Foto: Prema Surya/ Styling: Vitor Carpe/ Make: Lucas Almeida/ Créditos: Cabeça: Victor Dzenk; Vestido: Arte Sacra Coutture/ Joias: Marcia Elpern Joias)

A paixão por essa manifestação popular brasileira nasceu com ela, mesmo distante das avenidas. “Eu cresci assistindo na TV os desfiles das escolas de samba. Ficava até de madrugada para ver minhas escolas favoritas. Nunca tinha tido uma conexão física com o carnaval. Na minha família ninguém tinha uma conexão com o samba. Aprendi a sambar assistindo a Valéria Valenssa, a Globeleza da época, e ficava imitando os gestos dela com as pernas e com os braços”, comentou a musa que se prepara para a maratona dupla desta semana. “A minha preocupação é com o fôlego e a energia, por isso, vou malhar e me preocupar em comer alimentos mais energéticos e calóricos. Estive no ensaio técnico em São Paulo, dormi poucas horas e vim direto para a Marquês de Sapucaí, no Rio. Fiquei exausta, mas quando a bateria começou a tocar passou tudo e consegui ir até o final. Sabe o que aconteceu? Queria mais e mais”, confessou.

(Foto: Prema Surya/ Styling: Vitor Carpe/ Make: Lucas Almeida/ Créditos: Cabeça: Acervo Grande Rio; Vestido: Arte Sacra Coutture; Joias: Monalisa Joias)

E o envolvimento de Erika com a folia vai além da Avenida. Ela adora acompanhar os trabalhos nos barracões. “Quando vou aos bastidores do carnaval, eu gosto de interagir com as pessoas que dão a vida por esta arte. Eu converso com os profissionais e dou minha palavra de incentivo. Muita pessoas só veem as escolas nos dias de folia e não têm a consciência da engrenagem que faz aquela roda girar. O barracão funciona 24 horas por dia com costureiras, marceneiros, pintores, carpinteiros. O carnaval é sinônimo de geração de renda e trabalho em um país com alto índice de desemprego como o Brasil. Eu admiro essa festa não só pelos dias de desfiles das escolas de samba, mas pela quantidade de pessoas que constroem um sonho”, disse a atriz.

(Foto: Prema Surya/ Styling: Vitor Carpe/ Make: Lucas Almeida/ Créditos: Cabeça: Alexander Dario; Vestido: Arte Sacra; Joias: Monalisa Joias/ Sapatos: Schutz)

O carnaval é o momento em que reina a democracia e as diferenças sociais diminuem: “Nas diversas alas e na bateria há louros, negros, magros, altos, homens e mulheres. Todos ali por um bem maior. Há uma união. Quem dera que a vida social do dia-a-dia fosse assim. Basta observar os índices de assassinatos de pessoas negras no Brasil e tirar prova de que a igualdade vista na Avenida ainda está longe de acontecer na convivência da vida real”.

(Foto: Prema Surya/ Styling: Vitor Carpe/ Make: Lucas Almeida/ Créditos: Cabeça: Acervo Grande Rio; Vestido: Arte Sacra Coutture)

A musa do carnaval carioca e paulistano falou sobre a via de mão dupla das redes sociais. “Hoje, as pessoas estão mais livres e se aceitando mais. Ao mesmo tempo, o preconceituoso tem mais liberdade para julgar através dos esconderijos dos perfis fakes. É o mal do século. Quando me ofenderam nas redes, eu não perdi o meu tempo respondendo. Apenas peguei tudo e levei para a polícia. Se é crime, as provas foram recolhidas e eu entrei com um processo na Justiça. As redes sociais são muito úteis para o trabalho e momentos de descontração, mas podem ser usadas para o mal por muitas pessoas”, comentou Erika, que é acompanhada por mais de três milhões de pessoas no Instagram.

(Foto: Prema Surya/ Styling: Vitor Carpe/ Make: Lucas Almeida/ Créditos: Cabeça: Victor Dzenk; Vestido: Arte Sacra Coutture/ Joias: Marcia Elpern Joias)

“Nas redes sociais, eu recebo muitas mensagens de meninas dizendo que eu sou uma inspiração para elas. Por isso, eu acho tão importante a representatividade e a liberdade de exposição dos discursos de qualquer bandeira que seja para o bem”, analisou Erika, que adoraria se envolver em um trabalho social para jovens. “Eu não tinha auto-estima, porque eu não me sentia representada, não via modelos negras e nem meninas com o cabelo natural. As únicas referências que eu tinha era pela TV em que acompanhava a Taís Araújo, Isabel Fillardis e Zezé Mota. Hoje é diferente. Há mais atrizes negras e muitas meninas que se identificam com o que eu posso transmitir de incentivo para elas. E essa mudança de representatividade nas telinhas tem a ver com oportunidades que estão sendo dadas. Sem elas, as pessoas não vão poder se descobrir, como aconteceu comigo”, destacou a atriz, que ainda acrescentou: “Quando eu sairia de Contagem e viria bater na porta da Globo? Até poderia fazer isso, mas eu acharia muito difícil da minha vontade se realizar. Ter feito o teste foi uma grande oportunidade que me foi dada na vida e, quando eu fui aprovada, eu não acreditei, pois estava descrente diante de tantas dificuldades que já havia passado. Parecia impossível que aquilo estaria acontecendo comigo. Só acreditei mesmo quando assinei o contrato”.

(Foto: Prema Surya/ Styling: Vitor Carpe/ Make: Lucas Almeida/ Créditos: Cabeça: Hercilha Herculano; Vestido: Apartamento 03; Joias: Marcia Elpern Joias; Sapatos: Cavage)

A fé permeia a essência de Erika Januza. Acreditou na bondade divina para realizar sonhos que pareciam distantes. “Eu sempre tive muita fé na vida. E hoje sou muito grata a Deus por tudo. Se em um dia de gravação, por exemplo, determinada cena foi cancelada ou remarcada para outro dia, eu penso: ‘Terei mais um dia para voltar ao trabalho’. Ou se estou aguardando para gravar, ao invés de reclamar, eu agradeço a Deus por estar ali e não em casa esperando uma ligação para uma oportunidade de trabalho. Nunca vão me ver pelos corredores reclamando. Quantas oportunidades eu desejei e hoje eu tenho. Vou lembrar para todo o sempre disso”, concluiu Erika.

(Foto: Prema Surya/ Styling: Vitor Carpe/ Make: Lucas Almeida/ Créditos: Acessórios: Atelier Chilaze)

Equipe

Fotos: Prema Surya

Beleza: Lucas Almeida

Styling: Vitor Carpe

Agradecimentos

Rio Othon Palace

Muniky Sena

Pesquisas relacionadas