Cinema & TV

Com Fiuk e Thiago Fragoso, O Galã levanta a discussão sobre as adversidades da carreira artística

O longa estreia hoje nos cinemas de todo o Brasil. A trama revela as dificuldades por trás da história de um ator fracassado. A ideia é falar de forma bem-humorada sobre a profissão

Publicado em 07/02/2019 | Por Ana Clara Xavier

O mundo das celebridades vai muito além do glamour que vemos na televisão e nas redes sociais. A realidade é, muitas vezes, amarga. Assim como qualquer meio, existe uma grande dificuldade de se estabelecer no mercado aliado a uma grande competição. É exatamente este o tema que deu o start no filme O Galã, de Francisco Ramalho Jr. “Este tema raras vezes aparece nas telonas, ainda que existam grandes clássicos sobre o assunto, em geral dramas como o recente Nasce Uma Estrela,de Bradley Cooper. Eu quis mostrar esta realidade de um modo humorado. A profissão é feita por muita luta e, atualmente, o meio artístico sofre grande perseguição. A minha ideia era trazer um sorriso nos lábios do ator Thiago Fragoso”, comentou o diretor e roteirista Francisco Ramalho Jr. Com Fiuk, Thiago Fragoso, Christine Fernandes, Christiana Ubach, Cristina Mutarelli e Roney Facchini no elenco, o longa estreia hoje nos cinemas. Vem entender!

O longa começa mostrando a vida nada fácil do personagem de Thiago Fragoso, Júlio. Na trama, o ator vive um artista que sonha em ser galã. Apesar de acreditar em si mesmo, ele nunca consegue papéis de destaque. Com aluguéis atrasados e muitas contas vencidas, o rapaz vê na abertura de testes para uma novela a chance de subir na carreira. “Ele é muito vaidoso, mas por trás disso existe uma grande insegurança. Ele brinca com o universo da profissão de artista. Tem momentos em que ele fica mais humano, toca em aflições que sofrem os atores de modo geral”, comentou Thiago Fragoso. Com todos estes problemas conspirando contra Júlio, ele ainda terá que competir com Raul, vivido por Fiuk, um jovem muito talentoso que é amado pelo público. “Ele está começando a fazer sucesso. É o antagonista da história. Raul é muito focado e sabe muito bem o que quer. Tenta esquematizar toda a situação visando o sucesso particular. Está no jogo para ganhar!”, comentou Fiuk.

O filme O Galã conta com a atuação de Thiago Fragoso e Fiuk que interpretam, respectivamente, o protagonista e o antagonista (Foto: Renata Falzon)

O Galã, dessa forma, traz um enredo repleto de adversidades na qual a fórmula do sucesso é levantar a discussão sobre as dificuldades vividas na carreira de um ator.  “O filme trata de uma comédia de erros na qual o foco principal é ser galã, uma luta vivida pela maioria dos artistas. Ao mesmo tempo, mostro a solidão do escritor e termino fazendo um elogio à fraternidade”, explicou o diretor.

Thiago Fragoso nos bastidores das gravações de O Galã ao lado de Cristina Mutarelli e Luiz Nogueira (Foto: Renata Falzon)

O roteiro do longa passou por muitas mãos e foi reescrito diversas vezes antes de chegar ao texto final. Apesar da ordem dos acontecimentos terem mudado bastante, o mote sempre foi as delícias e dores da profissão. “Vivo e acompanho trajetórias de grandes atores. No entanto, muitas vezes eles ficam no limbo. Sou amigo de vários artistas e, por isso, acompanho cada glória e derrota. Aprendo muito com cada um. Já dirigi verdadeiros monstros sagrados. Os admiro muito, é um dom muito raro”, afirmou o diretor. Entre estas idas e vindas, a equipe contou com o apoio da Miravista e o patrocínio de várias empresas como Magazine Luiza. “Foi um longo processo. Captar está muito difícil”, afirmou Francisco Ramalho Jr.

O diretor e roteirista optou sair do comum e trazer este drama da carreira artística para a comédia. O gênero é muito aclamado pelo público brasileiro, mas, ao mesmo tempo, existe um volume de produções muito grande sendo realizadas. E Francisco Ramalho Jr. comentou: “O escritor, interpretado por Luiz Henrique Nogueira, é um louco com mania de limpeza que não consegue sair de casa. Prefere escrever sobre a vida em lugar do que viver!  Mesmo assim, procurei um lado humano nesse personagem, bem como em todos os demais. Há um pouco de drama na história também”.

O ator Luiz Henrique Nogueira também está no filme e interpreta um autor de novelas bem maluco (Foto: Murilo Azevedo)

Exatamente por ser tão popular, acaba sendo um gênero mais difícil. “Desde os primórdios do cinema, a comédia foi uma força motora. Há maravilhosas produções no mercado brasileiro!”, garantiu Francisco Ramalho. Trazendo uma singularidade para esta produção, o diretor trabalhou com a câmera livre, visando conseguir um quadro constante. Além disso, optou por vários cortes. “Quis um filme comunicativo com a plateia e por isso fiz brincadeiras com a forma de narrar”, salientou. Com distribuição da H2O Films, o longa estreia nos cinemas de todo o país.

Pesquisas relacionadas