Cinema & TV

Cine Ceará: ‘Greta’, com Marco Nanini, é grande vencedor e Matheus Nachtergaele ganha homenagem

O longa, de Armando Praça, foi  o grande  vencedor, levando três prêmios. A produção cearense ganhou  o Troféu Mucuripe nas categorias de Melhor Longa-Metragem, Melhor Direção e Melhor Ator para Marco Nanini. A cubana María Isabel Díaz Lago levou o troféu de Melhor atriz, pelo seu papel em "A Viagem Extraordinária”, de Celeste Garcia, dirigido por Arturo Infante. E ainda teve Matheus Nachtergaele como grande homenageado com o Troféu Eusélio Oliveira pela contribuição à sétima arte

Publicado em 07/09/2019 | Por Heloisa Tolipan

A equipe do longa ‘Greta’ que levou três prêmios no 29º Cine Ceará (Foto: Rogério Resende)

*Com Iron Ferreira

Depois de muitos ‘plays‘ ontem foi a vez do ‘stop‘, afinal na noite da última sexta-feira (dia 6) encerrou o 29º Cine Ceará – Festival Ibero-Americano de Cinema. No entanto, todas as produções ganham o mundo e as telas nacionais em seguida. Destaque para o longa “Greta”, de Armando Praça, estrelado por Marco Nanini, que vive Pedro, um enfermeiro de 70 anos, gay e apaixonado pela atriz de ‘A Dama das Camélias‘ e ‘Ninotchka’. Este é o pedido dirigido aos amantes e parceiros de uma noite, incluindo Jean (Démick Lopes), um criminoso que Pedro ajuda a fugir do hospital. Nasce entre os dois uma relação ambígua de amor e dependência. Os holofotes ainda se voltaram para o curta ‘Marie‘, de Leo Tabosa. Diretor, escritor, jornalista, ator, produtor, gestor cultural que se tornou um expert em festivais, 0 pernambucano acumula diversos projetos lançados no cinema. Entre os trabalhos, destacam-se os documentários: ‘Retratos’ (2010), ‘Tubarão’ (2013) e ‘Baunilha’ (2017), além do filme de animação: ‘As aventuras do Menino Pontilhado’ (2016), e o filme de ficção: ‘Nova Iorque’ (2018).

Este slideshow necessita de JavaScript.

Nessa noite de premiações o  filme “Greta“, de Armando Praça, foi o grande  vencedor, levando três prêmios. A produção cearense ganhou o Troféu Mucuripe nas categorias de Melhor Longa-Metragem, Melhor Direção e Melhor Ator para Marco Nanini. Destaques para os trabalhos maravilhosos de Denise Weinberg, que interpreta uma personagem trans, e Gretta Sttar, atriz transexual na vida real, vive uma mulher cisgênero na trama. “Era fundamental demarcar uma liberdade artística minha e dos atores e atrizes de poder fazer o que bem entendem. Era fundamental colocar uma atriz trans fazendo uma mulher cis e vice-versa”, comentou Armando Praça.

A solenidade foi realizada no histórico Cineteatro São Luiz, no Centro da capital Fortaleza. Antes do anúncio dos vencedores, o ator Luiz Fernando Guimarães ficou com a missão de entregar a Matheus Nachtergaele o Troféu Eusélio Oliveira por sua contribuição às artes audiovisuais. Luiz Fernando Guimarães, que conheceu o ator nas filmagens de “O Que É Isso, Companheiro?”, de 1997, dirigido por Bruno Barreto, foi responsável pela entrega do troféu: “Ele é imprevisível, característica típica dos grandes atores. Você nunca sabe exatamente como ele irá agir. É criativo ao extremo e um colega extraordinário. Eu poderia citar aqui mil qualidades, pois ele é realmente um orgulho para o nosso cinema”.

O histórico Cine São Luiz, inaugurado na década de 50, pelo cearense Luiz Severiano Ribeiro (Foto: Rogério Resende)

Matheus, que a gente adora, disparou: “No primeiro longa que eu fiz, a gente ainda filmava tão pouco no Brasil. Eu, que vim do teatro, nunca tinha pensado em fazer cinema, quando de repente fui dragado. A retomada do cinema brasileiro estava acontecendo e eu fui dragado para essa aventura. Fico constrangido com as homenagens, pois eu não me sinto merecedor. Meu caminho na vida é aprender. Fui absorvido pelo cinema juntamente com a redemocratização do país”.

Momentos antes, em sessão especial, no Cine Dragão, o longa brasileiro “Pacarrete”, que ganhou oito Kikitos e arrebatou o 47º Festival de Cinema de Gramado foi exibido com a presença de equipe e da atriz Marcélia Cartaxo. A produção cearense “Pacarrete” levou o Kikito de melhor filme do júri oficial e popular, melhor direção para Allan Deberton, melhor roteiro, melhor ator e atriz coadjuvantes e melhor desenho de som. Conta a história da professora de dança aposentada (Pacarrete), interpretada por Marcélia Cartaxo, que vive com a irmã Chiquinha (Zezita Matos) e tem Maria (Soia Lira) como empregada doméstica. Rigorosa e ranzinza, ela vive limpando a calçada e brigando com quem passa por ela. Seu grande sonho é estrelar um balé para a população local durante a grande festa da cidade, que está prestes a acontecer. Para tanto, ela manda confeccionar uma nova roupa de bailarina ao mesmo tempo em que tenta convencer a prefeitura de seu show. Entretanto, a falta de interesse da população em geral por espetáculos do tipo logo se torna um grande oponente.

Leia Mais – Cine Ceará: Marco Nanini é protagonista de ‘Greta’ e filme é ovacionado em mostra competitiva

Este slideshow necessita de JavaScript.

O peruano ‘Canção sem Nome‘, de Melina León, conquistou quatro prêmios: de Melhor Fotografia para Inti Briones, Melhor Trilha Sonora Original para Pauchi Sasaki, Prêmio Olhar Universitário e Prêmio da Crítica. A coprodução Cuba-Alemanha ‘A Viagem Extraordinária de Celeste García”, de Arturo Infante, foi agraciada com três prêmios: Melhor Atriz para Maria Isabel Díaz, Melhor Roteiro para Arturo Infante e Melhor Montagem para Joanna Montero. Emocionada, a cubana, lembrou dos companheiros de produção e ainda ressaltou a força e o poder do cinema ibero-americano. “Estou muito agradecida, muito emocionada por esse prêmio. Quero agradecer as pessoas que realizaram esse filme. Viva ao Ceará, ao Brasil, ao cinema ibero-americano, a Amazônia e a todos”, ressaltou.

Leia mais – Cine Ceará tem exibição de ‘A vida invisível’. homenagem a Karim Aïnouz e presença de Fernanda Montenegro

O documentário “Ressaca”, de Patrízia Landi e Vincent Rimbaux, recebeu o prêmio de Melhor Som para Romain Huonnic e o longa cearense “Notícias do Fim do Mundo“, de Rosemberg Cariry, conquistou o prêmio de Melhor Direção de Arte para Sérgio Silveira. O júri de Mostra Competitiva Ibero-americana de Longa-metragem foi composto por Paulo Mendonça (Brasil), Patricia Martín (Argentina), Marco Muhletarler (Peru), Ricardo Acosta (Cuba) e Maria Paula Lorgia (Colômbia). O Júri da Crítica / Abraccine foi composto por Luiz Zanin, Ismaelino Pinto e Cristiana Parente. O júri Olhar Universitário foi composto por Evelyne Alves Cavalcante (representante da UFC), Rafael Luan da Silva (representante da Vila das Artes) e Antônio Leão de Souza Neto (representante da Unifor).

Na Competitiva Brasileira de Curta-Metragem o filme ‘Marie’, de Leo Tabosa, de Pernambuco, ganhou o Troféu Mucuripe de Melhor Curta eleito pelo júri oficial da mostra. Foi vencedor também do Prêmio Mistika (R$ 14 mil em serviços). “Esse prêmio muito nos honra pelo fato do filme ser uma produção pernambucana e cearense. Quero dedicar essa homenagem a toda equipe cearense que possibilitou a realização do projeto”, agradeceu o diretor. O júri oficial da mostra concedeu o Troféu Mucuripe de Melhor Direção para Giu Nishiyama e Pedro Nishi, de São Paulo, pelo filme Livro e Meio. O curta também conquistou o Prêmio da Crítica para Curta-metragem. Já o curta do Rio Grande do Norte ‘O Grande Amor de um Lobo’, de Kennel Rogis e Adrianderson Barbosa, conquistou o prêmio de Melhor Roteiro. ‘Pop Ritual’, de Mozart Freire, foi eleito a Melhor Produção Cearense, e também garantiu os prêmios especiais Olhar Universitário, CTAV – Centro Técnico Audiovisual (20 horas em serviço de mixagem) e Link Digital (serviços de finalização).

Leia mais – “Tive a chance de falar sobre a dor escondida das mulheres”, diz Karim Aïnouz sobre “A vida invisível”

O cartaz do filme  alagoano ‘Ilhas de Calor’, de Ulisses Arthur que ganhou o troféu Samburá de Melhor curta-metragem

O alagoano ‘Ilhas de Calor’, de Ulisses Arthur, conquistou o Troféu Samburá de Melhor Curta-metragem e o paulista ‘Rua Augusta, 1029’, de Mirrah Iañez, ganhou o Troféu Samburá de Melhor Direção. O prêmio é oferecido pelo Vida & Arte – Fundação Demócrito Rocha. Na solenidade de premiação também foi concedido o Prêmio Canal Brasil de Curta-metragem. O vencedor, O grande amor de um lobo, foi agraciado com R$ 15 mil. Compuseram o júri oficial da Competitiva Brasileira de Curta-metragem Jair Silva (Brasil), Simone Mesquita (Brasil), Diego Cañizal (Espanha), Danilo Carvalho (Brasil) e Suzana Costa (Brasil).

A Mostra Olhar do Ceará premiou dois filmes em cinco categorias. O longa ‘Currais’, de David Aguiar e Sabina Colares, conquistou o prêmio de Melhor Longa-metragem. O júri foi composto por Suyene Correia Santos, Luana Sampaio e Isabela Cribari. O curta ‘Aqueles Dois’, de Émerson Maranhão, ganhou os prêmios de Melhor Curta-metragem, Prêmio Mistika (R$ 14 mil em serviços), Prêmio UNIFOR de Cinema (R$ 5 mil) e o Prêmio CTAV (empréstimo de equipamentos e acessórios).

Leia mais – Cine Ceará: Wolney Oliveira, diretor do festival, estreia o documentário “Soldados da borracha”

O Cine Ceará, em parceria com a Companhia de Água e Esgoto do Ceará (Cagece), lançou este ano o Prêmio Água e Futuro, voltado para filmes captados em aparelhos celulares. O  vencedor, escolhido pelo Júri Olhar Universitário, foi  ‘Olho D’Água’, de Anália Alencar, que ganhou prêmio de R$ 3 mil.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Leia Mais – Cine Ceará: ‘Notícias do Fim do Mundo’, de Rosemberg Cariry, e dor dos bailarinos do Municipal do Rio em ‘Ressaca’

Confira abaixo a lista completa de vencedores do Cine Ceará 2019:

MOSTRA COMPETITIVA IBERO-AMERICANA DE LONGA-METRAGEM

TROFEU MUCURIPE

(Juri Oficial)

Melhor Longa-metragem: Greta

Melhor Direção: Armando Praça, por Greta

Melhor Roteiro: Arturo Infante, por A Viagem Extraordinária de Celeste García

Melhor Fotografia: Inti Briones, por Canção sem Nome

Melhor Montagem: Joanna Montero, por A Viagem Extraordinária de Celeste García

Melhor Som: Romain Huonnic, por Ressaca

Melhor Trilha Sonora Original: Pauchi Sasaki, por Canção sem Nome

Melhor Direção de Arte: Sérgio Silveira, por Notícias do Fim do Mundo

Melhor Atriz: María Isabel Díaz, por A Viagem Extraordinária de Celeste García

Melhor Ator: Marco Nanini, por Greta

PRÊMIOS ESPECIAIS

Prêmio da Crítica (Júri Abraccine): Canção sem Nome, de Melina León

Prêmio Olhar Universitário (Júri Olhar Universitário)

Troféu Mucuripe – Melhor Longa: Canção sem Nome, de Melina León

MOSTRA COMPETITIVA BRASILEIRA DE CURTA-METRAGEM

TROFÉU MUCURIPE

(Júri Oficial)

Melhor Curta-metragem: Marie, de Leo Tabosa

Melhor Direção: Giu Nishiyama e Pedro Nishi, por Livro e Meio

Melhor Roteiro: Kennel Rogis e Adrianderson Barbosa, por O Grande Amor de um Lobo

Melhor Produção Cearense: Pop Ritual, de Mozart Freire

PRÊMIOS ESPECIAIS

Prêmio da Crítica (Juri Abraccine): Livro e Meio, de Giu Nishiyama e Pedro Nishi

Prêmio Olhar Universitário (Júri Olhar Universitário)

Troféu Mucuripe – Melhor Curta: Pop Ritual, de Mozart Freire

Prêmio Canal Brasil de Curta-Metragem

Troféu Canal Brasil: O grande amor de um lobo

Troféu Samburá

(Vida & Arte – Fundação Demócrito Rocha)

Melhor Curta-metragem: Ilhas de Calor, de Ulisses Arthur

Melhor diretor: Mirrah Iañez, por Rua Augusta 1029

Prêmio Mistika

Melhor filme da Competitiva Brasileira de Curta-metragem: Marie, de Leo Tabosa

Prêmio CTAV – Centro Técnico Audiovisual

Melhor Produção Cearense de Curta-Metragem: Pop Ritual, de Mozart Freire

Prêmio Link Digital

Melhor Produção Cearense de Curta-Metragem: Pop Ritual, de Mozart Freire

MOSTRA OLHAR DO CEARÁ

TROFÉU MUCURIPE

(Júri Olhar do Ceará)

Melhor Longa-metragem – Currais, de David Aguiar e Sabina Colares

Melhor Curta-metragem – Aqueles Dois, de Émerson Maranhão

PRÊMIOS ESPECIAIS

Prêmio Unifor de Cinema

Melhor Curta-metragem: Aqueles Dois, de Émerson Maranhão

Prêmio Mistika

Melhor Filme da Mostra Olhar do Ceará: Aqueles Dois, de Émerson Maranhão

Prêmio CTAV – Centro Técnico Audiovisual

Melhor Curta-metragem da Mostra Olhar do Ceará: Aqueles Dois, de Émerson Maranhão

MOSTRA ÁGUA FUTURO

(Júri Olhar Universitário)

Melhor Filme: Olho D´água, de Anália Alencar

Pesquisas relacionadas