Cinema & TV

Atriz da série “Sob Pressão”, Ana Flávia Cavalcanti diz: “A questão das drogas no país é emergência pública”

Prestes a estrear na terceira temporada da série, a artista falou com exclusividade ao HT sobre sua personagem e a experiência de interpretar uma dependente química

Publicado em 04/04/2019 | Por Iron Ferreira

Ana Flávia Cavalcanti  irá interpretar uma dependente química chamada Diana na terceira temporada da série “Sob Pressão”, que estreia no dia 2 de maio na TV Globo. Sobre sua personagem, a atriz comenta: “Interpretar a Diana me fez abrir o coração e o olhar para a população de dependentes químicos e para fato de que nossa sociedade é muito hipócrita quando o assunto são as drogas. O álcool e o cigarro são drogas legais, bem como alguns remédios que são altamente viciantes e as pessoas não se opõem a isso. O álcool é a droga responsável por grande parte de crimes de feminicídio. E quando você fala cocaína, crack, maconha, uma parte da população enlouquece, mas no fim de semana toma duas caixas de cerveja. Eu gostaria muito que debatêssemos a descriminalização da maconha e que tivéssemos uma política pública de redução de danos para os usuários de crack e cocaína. Esse tema é de interesse de todos nós. Isso é saúde pública, é preciso olhar sem tabus religiosos”.

A atriz  se prepara para viver uma dependente química na nova temporada de” Sob Pressão” (Foto: Divulgação)

Ainda sobre o seriado, Ana falou sobre os bastidores e a convivência com seus colegas de elenco: “Eu aprendi muito sobre a minha profissão com essa série. Enquadramentos, técnicas para entrar em certos climas, vi atores incríveis trabalhando, estudando, decupando cena. Sou fã da Drica Moraes e da Marjorie Estiano. Foi muito bom ver Joana Fon passando texto. Um privilégio. E toda equipe do Andrucha Waddington é muito sintonizada. Adorei. Espero que as pessoas gostem e se sintam representadas”.

Atriz, roteirista e diretora, Ana Flávia Cavalcanti é favorável ao debate sobre a descriminalização da maconha (Foto: Divulgação)

Além da dependência química, o programa aborda o dia a dia dos médicos em seu local de trabalho e relata o caos da saúde pública brasileira: “O alcance da televisão aberta no Brasil é muito grande, então uma série como essa vai reverberar no cotidiano da população. Acho difícil que os políticos se conscientizem sobre o assunto. A bancada das empresas de seguro saúde faz muita pressão nas decisões dos deputados e senadores no que tange à saúde pública e aos recursos reservados a ela. O povo mesmo, que trabalha muito e ganha pouco, que paga impostos assim que abre os olhos pela manhã, está abandonado por esses políticos. Minha esperança é que a conscientização mobilize a nós população e aí, juntos, podemos mudar a realidade”.

O primeiro trabalho na televisão de Ana Flávia foi em 2015, quando viveu Carola no folhetim das 18h “Além do Tempo”. Em 2017 participou de “Malhação – Viva a Diferença”, no papel da diretora Dóris, que se tornou a temporada mais bem sucedida da série nos últimos dez anos. Nesse ano, Ana tem muito que comemorar. Além de fazer a sua estreia como diretora e roteirista no curta-metragem “”, ela foi confirmada na nova temporada de “SAMANTHA!”, da Netflix.

Segundo a artista, a cultura e a arte são os bens mais preciosos que uma sociedade pode ter (Foto: Divulgação)

Quando perguntada sobre a importância que a arte e a cultura possuem na sociedade e de que forma elas podem estimular mudanças, ela foi enfática: “A cultura e a arte são importantes na vida de todos. Mais que importantes, são fundamentais para nos manter firmes, tranquilos e conectados uns aos outros. Imagine uma vida sem dança, sem música, sem desenho, sem teatro, sem pinturas, sem novela, sem canto e sem livros. Pois então, tudo isso é arte, tudo isso é cultura. Um povo, no caso nós, brasileiros, é alimentado e construído a partir da cultura e da participação de cada artista. Seja pintando uma igreja em Diamantina ou contando histórias em uma escola na periferia de Goiânia. Sem arte o povo morre”.

Pesquisas relacionadas