Teatro & Pensata

‘Ela sabia o que queria e bancou o próprio desejo’, diz Marina Salomon sobre personagem em ‘Romola & Nijinsky’

Peça que fica em cartaz no Castelinho do Flamengo até 1º de setembro conta a pouco conhecida história de amor entre a aristocrata e o bailarino russo

Publicado em 08/08/2019 | Por Heloisa Tolipan

*Por Jeff Lessa

Ao longo dos séculos, inúmeras histórias de amor marcaram a humanidade. Os encontros de Cleópatra e Marco Antônio, Napoleão e Josefina, Rainha Victoria e Príncipe Albert, Marie e Pierre Curie, Jean-Paul Sartre e Simone de Beauvoir ecoaram os amores ficcionais de Tristão e Isolda, Orfeu e Eurídice, Scarlett O’Hara e Rhett Butler, Catherine e Heatcliff e, claro, o casal dos casais, Romeu e Julieta. Isso entre muitos e muitos outros romances – tantos que seria impossível citar aqui. Uma dessas histórias de amor visceral incendiou o século XX e, no entanto, permanece pouco conhecida. Trata-se do amour fou da aristocrata húngara Romola de Pulszki pelo bailarino russo Vaslav Nijinsky.

Marina Salomon diz que formação clássica foi fundamental para compor a personagem (Foto de divulgação)

Pois é exatamente essa história que “Romola & Nijinsky”, peça de teatro itinerante com concepção, texto e direção de Regina Miranda, pretende contar no Castelinho do Flamengo a partir de hoje (dia 8), com os atores-bailarinos Marina Salomon e Antonio Negreiros nos papéis-titulos, e Clarice Gonzallez, como a pianista Lili Kraus. A diretora e os atores são os produtores e a peça tem o jornalista e colunista carioca José Ronaldo Muller como produtor associado.

Os atores-bailarinos Marina Salomon e Antonio Negreiros dão vida a Romola de Pulszki e Vaslav Nijinsky (Foto de divulgação)

Em sua pesquisa para interpretar a bailarina aristocrata, Marina Salomon descobriu que pouco sabia sobre essa mulher interessantíssima. “Nijinsky vivia uma relação pública com o Diaghlev, diretor dos Ballets Russes, era notório. Eu sabia que ele tinha sido casado, mas não conhecia a história a fundo. A Romola se apaixonou ao vê-lo dançar. Virou uma obsessão estar próxima daquele homem. Ela moveu mundos e fundos para conhecê-lo, estudou balé para se aproximar dele, tinha informantes para saber onde estaria”, conta. “Acabou entrando para os Ballets Russes e tendo aulas com o mestre da companhia, Enrico Cecchetti. Quando houve a turnê para a América do Sul, o Cecchetti disse que estava pronta para se apresentar, o que lhe deu a chance de passar dois meses num navio com Nijinsky. Os dois se casaram em Buenos Aires em 1913 e ele nunca mais teve relacionamentos com outros homens”.

Antonio Negreiros é Nijinsky, o deus da dança que passou a maior parte da vida em instituições para doentes mentais (Foto de divulgação)

O tom de tragédia da vida real se intensifica com a reação de Diaghlev. O mestre, uma das referências do que acontecia de mais moderno e vibrante na Europa do começo do século XX, tomou atitudes vingativas contra seu agora ex-amante. Para começar, o demitiu por telegrama. Afinal, os Ballets Russes não tinham em seus quadros bailarinos casados. “Diaghlev manipulava para que tudo o que ele fazia desse errado. Uma loucura total”, conta Marina. “Mas a Romola jamais saiu do lado dele. Durante a Primeira Guerra, eles ficaram prisioneiros na casa da mãe dela, na Hungria. Sempre juntos, ela cuidando dele. Nijinsky ficou muito abalado pelo conflito, era um ser extremamente frágil, parecia um passarinho”.

Infelizmente, restam pouquíssimos registros do passarinho em movimento. Por conta da precariedade das imagens filmadas da época, Diaghlev não permitia que “seu” bailarino fosse filmado. “Mas ele foi muito fotografado. E também foi retratado por Picasso, Jean CocteauRodin começou a fazer uma escultura, mas teve que parar pelo meio, pois o diretor achou que ele e Nijinsky estavam tendo um caso”, revela a bailarina.

Uma das facetas mais interessantes de Romola de Pulszkyi que a torna, ao mesmo tempo, trágica e forte, é sua total aceitação daquele ser que dizia ter nascido para dançar: “Ela dizia ‘Nijinsky, o que nasceu para ser amado’. Desde o começo, ela aceitou a relação do marido com seu diretor, e chegou a propor que os dois continuassem juntos, desde que ela ficasse próxima de seu amor. Era uma aristocrata, a mãe era condessa. Quando se apaixonou, estava noiva de um nobre, a vida estava totalmente definida e ela abandonou tudo. A mãe tratava mal o Nijinsky”, conta Marina. “Mas ela sabia exatamente o que queria. Por duas décadas ela bancou o próprio desejo. Em termos de sexualidade, era de vanguarda. Não sei se ela tinha consciência disso, certamente não estava levantando bandeiras. O certo é que a relação com Nijinsky forjou quem ela se tornou”.

E o que emergiu da aristocrata foi uma mulher fortíssima, muito à frente de seu tempo e completamente alheia aos costumes da época. Na época em que o bailarino começou a manifestar esquizofrenia, em 1919, aos 29 anos, afastou-se da dança e passou a maior parte da vida internado em clínicas psiquiátricas, até morrer aos 60 anos em Londres, em 1950. Sempre com a mulher a seu lado. “E quando ele tinha surtos, os médicos diziam para ela não demonstrar medo”.

Uma personagem forte e indomável como Romola chegou a mexer com a vida de Marina? “A história dela reafirma, com mais propriedade, o discurso feminino que não é visto. E me ajuda a conversar com a minha filha de 14 anos”, conta Marina, que é casada com o ator Tonico Pereira. “Não se trata de um discurso feminista contra o masculino. Ela mostra que a História não pode ser contada de um lado só, que há muitas histórias dentro da História. Ela reafirma o feminino dentro de mim”.

O Castelinho, com arquitetura art nouveau, foi construído na época em que se passa a história (Foto de divulgação)

No Centro Cultural Oduvaldo Vianna Filho, o Castelinho, a peça é montada no estilo site specific que a coreógrafa e bailarina Regina Miranda vem experimentando desde 1983. O cenário do Castelinho, com sua arquitetura art nouveau, ajuda a dar o “clima” da história, pois a construção é da mesma época em que se passa “Romola & Nijinsky”. Conhecer a trajetória dessa mulher tão fascinante foi fundamental para a composição da personagem, segundo a atriz-bailarina: “Trabalho com a Regina (Miranda) há 30 anos, mas a minha formação foi no balé clássico. Saber que era uma aristocrata, com sua maneira de andar específica, os códigos de movimento daquela classe, o modo de falar… O balé foi fundamental para compor tudo isso. Infelizmente, essas coisas ainda são ensinadas a mulheres de certas classes sociais. Mas a Romola nunca foi dondoca, pelo contrário. E jamais foi submissa”.

SERVIÇO

Centro Cultural Municipal Oduvaldo Vianna Filho (Castelinho do Flamengo). Praia do Flamengo 158 – 2205-0655

Pré-estreia: 8 de agosto

Temporada: 9 de agosto a 1º de setembro

Quinta a domingo, às 19h

R$ 40 e R$ 20 (estudantes e idosos)

Duração: 1h15

 

Pesquisas relacionadas