Música & Badalo

Prestes a lançar o disco mais autoral da sua carreira, Marcelo Callado revela: “Eu precisei de apenas 11 dias”

O cantor, compositor e multi-instrumentista, que irá estrear o seu mais novo projeto, intitulado “Caduco”, bateu um papo com o site HT sobre as composições, carreira e cultura

Publicado em 12/06/2019 | Por Heloisa Tolipan

*Por Iron Ferreira

Onze dias. Esse foi o tempo necessário para Marcelo Callado produzir o seu mais novo disco, intitulado “Caduco, que será lançado no dia 27. Com 10 faixas, o álbum promete ser o mais intimista. Além das composições, ele participou ativamente de toda a concepção do projeto, que é o terceiro de sua carreira solo.

Em entrevista exclusiva ao Site Heloisa Tolipan, o cantor falou sobre a sua evolução musical desde a estreia do primeiro trabalho: “Eu tive um amadurecimento, claro. No meu primeiro disco, eu estava em uma fase muito conturbada. Estava no meio de uma separação, com a minha filha pequena. Ao mesmo tempo, eu levava uma vida boêmia muito intensa. Eu precisava lançar aquele trabalho, porque tinham muitas canções acumuladas. Ele fala muito sobre o fim do casamento ou da tentativa de recuperação de uma relação. Já no disco seguinte, eu evoluí um pouco mais. Porém, é um projeto muito grande, duplo. Eu também tinha muitas músicas e quis gravar todas. É uma forma de catarse, de liberar a arte de dentro de mim. Foi o mais próximo do conceitual que cheguei. O ‘Caduco’, por sua vez, é uma mistura. É mais sucinto, mais direto. Sou eu tocando quase todos os instrumentos e foi concebido em pouco tempo. Eu mergulhei totalmente no processo de produção”.

O artista está prestes a lançar o seu terceiro álbum de estúdio (Foto: Caroline Bittencourt)

Marcelo revelou ainda que as canções nasceram durante um processo criativo com a banda Do Amor, da qual ele também faz parte. “O CD foi feito em 11 dias. Gravava uma música por dia, praticamente. As composições foram aparecendo à medida em que o álbum da minha outra banda, a Do Amor, tomava forma. Criamos muitas músicas para esse trabalho e eu me forcei a compor. Sentei e busquei novas referências. Não fiquei esperando a inspiração vir. O que sobrou desse esforço acabou entrando no meu novo disco”.

Capa do disco “Caduco” (Foto: Divulgação)

Com o objetivo de seguir a forte linha autoral, ele convidou a própria filha, Cora, para contribuir com a concepção e deixar a sua marca. Sobre a arte gráfica da capa, ele comentou: “Eu estava navegando pelas minhas redes sociais quando me deparei com a obra do músico e artista plástico carioca Fela π. Achei interessante e decidi inserir como capa do meu projeto. Ela tem tudo a ver com o disco, com a sonoridade dele e com o jeito como eu me sinto. Eu pedi a autorização e ele permitiu. A grafia do nome foi feita pela minha filha, que está aprendendo a ler e a escrever. Eu a pedi que escrevesse o meu nome e o título”.

Além de cantar, o artista é um nome de referência na bateria e participou e desenvolveu parcerias com nomes de peso no cenário musical brasileiro, entre eles Caetano Veloso, Alice Caymmi e Jorge Mautner. Segundo ele, é perceptível que o contato com essas pessoas influi na sua arte: “Todo artista com quem você trabalha acaba acrescentando algo. Com o Caetano, por exemplo, foram dez anos de convivência. Aprendi muita coisa com ele, musicalmente e de vida. Muitos dos concelhos que recebemos, acabamos inserindo na nossa arte. Devido os anos de parceria, há uma influência clara do Caetano no meu trabalho”. Ele ainda completou apontando a suas inspirações no âmbito internacional: “Gosto muito de John Lennon, com o disco ‘Plastic Ono Band, e Neil Young”.

Além de ter trabalhado com Caetano Veloso, o artista se inspira em John Lennon e Neil Young (Foto: Caroline Bittencourt)

Vivemos em tempos de urgência tecnológica e velocidade mil das mídias sociais por novos lançamentos. E como isso afeta o mercado da música atualmente?  “Ainda existem artistas que prezam pela qualidade de seus trabalhos. Não necessariamente há um detrimento da arte nesse sentido. Acho que não existe a necessidade de seguir essas regras a todo o momento. O que pode interferir no trabalho é a demanda do mercado sobre novos materiais. Eu, por exemplo, não consigo organizar a minha cabeça pensando dessa forma. Acabo tendo uma ajuda da própria gravadora para lidar com a maneira contemporânea de se fazer música”, afirmou.

Segundo Marcelo, a censura jamais deve repreender nenhum tipo de manifestação cultural (Foto: Caroline Bittencourt)

Callado reforçou ainda a importância da liberdade artística no Brasil. De acordo com ele, esse forte aspecto da atualidade foi conquistado sob muito suor: “O que aconteceu no passado gerou o momento que vivemos atualmente. Se os artistas podem, hoje em dia, se expressar, devem isso aos seus antecessores. Acho o momento político atual terrível, não queria estar passando por isso. Seria interessante perceber nas manifestações culturais sinais de revolta contra o que esta acontecendo no nosso país. A cultura está aí para isso e os artistas devem ter o direito de expressar as suas opiniões”.

Confira “Só Por Hoje”, o primeiro single de “Caduco”!

Pesquisas relacionadas