Música & Badalo

Permeado pela resistência e palavras pelo social, Emicida incendeia Circo Voador com turnê do DVD ’10 Anos de Triunfo’

Com um repertório variado, que contemplou os dez anos de estrada, o rapper agitou a noite de sábado dos cariocas com um espetáculo musical e visual. O show contou ainda com a participação da cantora Marissol Mwaba

Publicado em 01/07/2019 | Por Heloisa Tolipan

(Foto: A. Cesar)

*por Iron Ferreira

O rapper Emicida desembarcou no fim de semana no Rio de Janeiro para apresentar sua arte no palco do Circo Voador, com a turnê do DVD “10 Anos de Triunfo”. Em um show permeado pela poesia e críticas sociais, o artista homenageou os seus dez anos de estrada e mostrou aos cariocas o motivo de ser uma referência no cenário musical brasileiro. A lona, que é conhecida pelo ambiente altamente democrático e aberto a todas as tribos, estava completamente lotada quando os primeiros trechos de “Bang!”, parceria com Adriana Drê, ecoaram por todos os cantos, levando a plateia ao delírio.

“Quem é quem nessa multidão?

Hei, olhe ao seu redor, camarada

Pra que as trevas não levem seu brilho

Pra que as coisas não saiam do trilho

Em todo momento atenção

Hei, olhe ao seu redor, camarada

Pra que as trevas não levem seu brilho

Pra que as coisas não saiam do trilho”

Emicida em total sintonia com seu público (Foto: A. Cesar)

A atmosfera era de pura inclusão, onde as letras, vigorosas, instigavam o público a clamar cada vez mais o nome do rapper. Saltava aos olhos a forma como as pessoas se identificavam com o que era cantado, tornando a experiência ainda mais enriquecedora e grandiosa. Um dos ápices do show foi durante a apresentação de “Pantera Negra”, faixa inspirada no filme homônimo de 2018. Em meio aos versos, Emicida destacou a forma como a truculência policial e a diferença no tratamento entre negros e brancos ainda persiste nos dias de hoje.

“Minha pele, Luanda

Antessala, Aruanda

Tipo T’Challa, Wakanda

Veneno black mamba

Bandoleiro em bando

Qué o comando dessas banda?

‘Sa noite cês vão ver mais sangue do que Hotel Ruanda

A era vem selvagem, Pantera sem amarra

Mostra garra negra

Eu trouxe a noite como camuflagem

Sou vingador, vingando a dor

Dos esmagados pela engrenagem”

O artista usou a sua arte para falar sobre as dificuldades e situações enfrentadas pelos negros no Brasil (Foto: A. Cesar)

Muitos estavam vestidos com camisas em alusão aos Panteras Negras, movimento que nos anos 60 denunciava a violência policial nos Estados Unidos e que inspirou o primeiro personagem de ascendência africana a aparecer nos quadrinhos da Marvel, criado nos anos 60 pelo escritor Stan Lee e pelo ilustrador Jack Kirby. Com o passar dos anos, ele se tornou um forte símbolo de resistência e luta contra o preconceito, além de ser uma grande referência para a cultura negra no cenário pop. O artista ainda pediu liberdade para o amigo e DJ Rennan da Penha, condenado à prisão em março deste ano. “Liberdade para o DJ Renna da Penha, preso injustamente. A nossa meta não é mudar o limite do sucesso. A nossa meta é mudar a história desse país”. O ato terminou com a exibição de um trecho do filme “Ó Paí, Ó“, no qual os personagens de Lázaro Ramos e Wagner Moura discutem sobre as diferenças entre negros e brancos.

Para a apresentação de “Passarinhos”, colaboração com Vanessa da Mata, um dos maiores hits de sua carreira, ele convidou a cantora e ex-participante do programa The Voice Brasil, Marissol Mwaba, para subir ao palco. Marissol foi responsável por comandar o show de abertura da noite onde apresentou a mistura cultural proveniente da fusão entre Brasil e República Democrática do Congo, país de origem dos seus pais. Ovacionada pelo público enquanto entoava suas canções, ela agradeceu o carinho e apoio de todos. Após o dueto, Emicida falou um pouco sobre o seu novo disco, que pode estar mais próximo do que imaginamos: “O mundo mudou muito. O rap também. Acho que agora eu encontrei uma linha de raciocínio que dá para oferecer um álbum completo, que fale do hoje, do agora e do momento que o nosso país vive”.

Emicida e Marissol Mwaba dividem o palco na apresentação de “Passarinhos” ( Foto: A. Cesar)

O espetáculo reservou ainda outros momentos emblemáticos. Entre eles, a hora em que o público puxou o refrão de “AmarElo”, colaboração do cantor com Pabllo Vittar e Majur. Lançada no último dia 25, a música é um incentivo aos cuidados com a saúde mental.

“Tenho sangrado demais

tenho chorado pra cachorro

Ano passado eu morri mas esse ano eu não morro

Tenho sangrado demais

tenho chorado pra cachorro

Ano passado eu morri mas esse ano eu não morro

Ano passado eu morri mas esse ano eu não morro”

Assista! 

Emocionado, o artista agradeceu o carinho do público e reafirmou a importância de falar sobre o assunto: “Muito obrigado pelo carinho Rio de Janeiro, vocês são demais. Agradeço também a Pabllo Vittar e a Majur pela parceria. Essa música é muito importante pra mim e espero que recebam a mensagem dela”.

A percussão e a identidade visual do show proporcionaram uma experiência musical inesquecível (Foto: A. Cesar)

Revisitando sucessos e apresentando novas composições, o show foi uma sucessão de arte e luta social, apresentado ao melhor estilo Emicida. Com números totalmente dedicados à percussão e à mistura de gêneros musicais foi ntenso e visualmente excitante. Ele provou, mais uma vez, o quanto o poder da arte é transformador e importante para fazer prosperar avanços sociais. Em tempos de resistência, o rapper mostrou humildade ao sair aplaudido de pé por pessoas completamente entusiasmadas com a força e o poder da sua voz.

O rapper agradeceu, emocionado, o carinho dos fãs durante os dez anos de estrada (Foto: A. Cesar)

Pesquisas relacionadas