Música & Badalo

No último dia de Folia Tropical, camarote apresenta shows de Zeca Pagodinho e Alcione e reúne Malu Mader, Claudia Abreu, Nathalia Dill, elenco de “O Outro Lado do Paraíso” e muito mais!

No Sábado das Campeãs, um dos destaques do camarote foi o sentimento de representatividade política na passarela do samba. Muitos dos convidados do Folia Tropical destacaram o fato de quatro das seis escolas que desfilaram ontem terem enredos engajados e campeões. "Toda a política que as escolas levaram para a Avenida é necessária e urgente", disse Renata Sorrah

Publicado em 18/02/2018 | Por Julia Pimentel

Está difícil de acreditar que a nossa maratona de Carnaval acabou. Depois de quatro dias de Folia Tropical, um de CandyBox, muito samba e entrevistas, ontem encerramos mais um ano no badalado camarote da Sapucaí em clima muito especial. Na passarela do samba, o sentimento era de alegria por um Carnaval que deu certo para muitas escolas e ultrapassou as barreiras do entretenimento. Do lado de dentro, o Sábado das Campeãs no Folia Tropical foi um misto de últimos momentos com, é claro, muita música.

Leia também: Não deixe o samba morrer: primeiro dia de Folia Tropical é marcado por presenças VIP e show de Mosquito e Teresa Cristina em homenagem ao ritmo

Este slideshow necessita de JavaScript.

Para fechar o Carnaval de 2018, o camarote apresentou Zeca Pagodinho e Alcione como atrações principais. Os dois, que se dividiram entre a Avenida e o palco – Zeca desfilou pela Portela e Alcione pela Mangueira –, esquentaram ainda mais o clima por lá e fecharam com chave de ouro mais um ano de Folia Tropical. E a mistura não tinha como dar errado. “Eu estou achando tudo lindo. Não tinha vindo antes e estou adorando”, disse Andréia Horta.

Leia também: Com a presença de Maria Bethânia entre os convidados ilustres, Folia Tropical tem mais um dia de celebs e clima único na Marquês de Sapucaí: “Me sinto protegido aqui”, disse Reynaldo Gianecchini

Andreia Horta no último dia de Folia Tropical (Foto: Divulgação)

Aliás, o Sábado das Campeãs tem esse sentimento derradeiro. Ontem, muitas celebs estavam curtindo o primeiro dia de Carnaval porque viajaram ou estavam trabalhando. Uma delas foi Bella Piero, que ficou até pouco antes dos desfiles começarem nos estúdios de “O Outro Lado do Paraíso”. “Eu tinha que vir. A gente está precisando colocar uma purpurina na cara e sorrir um pouco para conseguir aliviar toda essa pressão dramática dos últimos capítulos”, comentou a atriz que estava bem acompanhada no Folia Tropical. Por lá, um grupo grande do elenco da novela de Walcyr Carrasco se reuniu para se despedir do Carnaval.

Leia também: Com Maria Rita como atração da noite, Segunda de Carnaval no Folia Tropical é marcada por climma especial entre as celebs que iam de Zeca Pagodinho e Martn’ália a Dira Paes e Sheron Menezzes

Bella Piero no último dia de Folia Tropical (Foto: Divulgação)

Entre eles, Sandra Corveloni, que na novela interpreta a mãe de Bella Piero. Segundo a atriz, o momento de descontração na Avenida vai além do lazer. Ela acredita que esse refresco em meio à tensão da novela seja essencial para os próximos capítulos de “O Outro Lado do Paraíso”. “A gente está lidando com assuntos muito pesados e é legal quando saímos para nos desligar um pouco. Eu acredito que todo mundo precisa de encontros, festas e lazer para extravasar e recuperar as energias. Depois eu sinto que volto renovada e com a cabeça arejada”, disse.

Leia também: Em Carnaval consciente, CandyBox celebra a diversidade e traz mensagem de combate à depressão no primeiro camarote gay da Sapucaí: “Todos têm seu valor”, disse sócia

Parte do elenco de “O Outro Lado do Paraíso” no último dia de Folia Tropical (Foto: Divulgação)

Assim como ela, Juliana Caldas também destacou o momento de lazer no Carnaval. Para ela, os dias de folga foram fundamentais nesta maratona de gravações. “Carnaval é uma loucura e é tudo muito grande. Pensando esse ano, o que eu mais gostei dessa maratona foram as folgas que tivemos. Fora isso, poder curti-las com amigos foi bem especial. E o que eu menos gosto é a consequência de tanta festa. Depois do Carnaval sempre fica muita sujeira na rua. A galera não pensa que curtir a festa também inclui fazer cada um a sua parte”, comentou a atriz que garantiu gostar de assistir aos desfiles da frisa. “Às vezes eu não enxergo, mas adoro”, brincou.

Leia também: Em ano de realizações, Folia Tropical apresenta line-up luxuoso com Zeca Pagodinho e Alexandre Pires entre as atrações

Este slideshow necessita de JavaScript.

Mas ontem estava todo mundo querendo ver bem de perto o que as seis escolas fizeram para voltar à Avenida no Sábado das Campeãs. E no que três delas apostou foi comemorado entre os convidados do Folia Tropical. Das seis escolas que desfilaram ontem, três tinham enredo politizado e uma trazia as mulheres negras como tema. “Só nos resta o Carnaval para falar de tudo o que precisamos. Este ano nós tivemos tantos gritos que as campeãs não desfilaram sábado à toa. Existe todo um simbolismo por trás disso”, apontou Claudia Abreu.

Leia também: A Zona Norte é a inspiração da arquitetura deste ano do Folia Tropical em Carnaval dedicado à origem do samba: “Nós representamos a raiz do ritmo”, disse autor do projeto, Rodrigo Dinelli

Claudia Abreu e Malu Mader no último dia de Folia Tropical (Foto: Divulgação)

A opinião da atriz, inclusive, foi bem compartilhada entre a classe artística carnavalesca. Em seu primeiro dia de Sapucaí este ano, Nathalia Dill também destacou o engajamento das escolas em meio às questões que vivemos para além de fevereiro. “Esse foi um ano muito político e isso é muito legal e importante para o Carnaval. A festa é isso, né? Ele incorpora tudo o que acontece fora da passarela e que bom que esse ano isso foi em forma de crítica. Aliás, não tinha como ser diferente”, comentou Nathalia que, assim como Letrux, estava vendo ao vivo o que acompanhou pela televisão no domingo e segunda-feira. “Achei tudo lindo e esse ano tivemos um Carnaval bem curioso. As pessoas estão conscientes. É claro que é festa e está todo mundo se divertindo, mas estão mostrando que sabem o que ocorre além do Carnaval”, disse a cantora.

Leia também: Novidade na avenida: após a estreia do CandyBloco, CandyBox deste ano promete show diferente no primeiro dia de desfiles na Sapucaí

Nathalia Dill no último dia de Folia Tropical (Foto: Divulgação)

Sobre tudo isso, um convidado do Folia Tropical na noite passada tinha interesse e propriedade para comentar. Entre os convidados de Léo Marçal, Pamela Cancela, Nana Karabachian e Igor Rodrigues, Marcelo Freixo comentou a representatividade destes enredos para o atual cenário. “Esse foi o Carnaval mais politizados que tivemos nos últimos tempos. Isso vem acontecendo porque, lamentavelmente, o governo do estado e a prefeitura não entenderam o significado dessa festa. Nós temos um prefeito que se ausenta no momento mais importante de um evento que traz alegria, recurso e identidade e um governador que decreta intervenção militar quando o Carnaval acaba. Porém, eu acredito que a resposta para isso esteja na Paraíso do Tuiuti, na Beija Flor e na Mangueira. Foi um Carnaval que marcou época”, disse o deputado sobre a folia.

Leia também: Nos bastidores do Folia Tropical, história de união dos criadores do camarote, Agnes e Newton Mendonça, mostra que amor de Carnaval pode atravessar a Sapucaí e contagiar todo mundo. Vem entender!

Marcelo Freixo e a mulher no último dia de Folia Tropical (Foto: Divulgação)

Para representar este sentimento comum a boa parte da população, Drica Moraes curtiu o Sábado das Campeãs com uma fantasia simbólica. No Folia Tropical, a atriz contou que estava de “cachorro sem dono”. “É assim que se sente o cidadão do Rio de Janeiro. O carioca é um cachorro sem dono. Mas é muito bom ver que as escolas estão falando sobre o que a gente pensa e sente. É uma catarse maravilhosa”, destacou.

Leia também: Com expectativa para mais um ano de novidades, promoters do Folia Tropical contam dos desafios de organizar importantes nomes nas listas do camarote

Drica Moraes de “cachorro sem dono” no último dia de Folia Tropical (Foto: Divulgação)

Mas, mesmo com tantas questões envolvidas, o Carnaval continua sendo um momento de festa e muita alegria – principalmente para quem acompanha bem de perto, da frisa. “A energia do Carnaval do Rio é indescritível. Você tenta explicar para os gringos o que é estar aqui. Mas não tem dinheiro em Hollywood que consiga replicar o que sentimos estando na Sapucaí. É algo único que só entende quem vive”, disse Pedro Andrade que não vinha há 15 anos à passarela do samba. “Eu achei que já tivesse me acostumado, mas não. Mesmo viajando o mundo e vendo festivais diversos pela Europa, Ásia e Oriente Médio, continuo ficando embasbacado quando venho para a Sapucaí. E eu tenho um patriotismo em mim que me dá mais orgulho de ser brasileiro a cada vez que vejo tudo isso de perto”, comentou.

Homenagem de Mickael Noah, Newton Mendonça, Victor Oliva, Agnes Mendonça e Guilherme Barros a Alicinha Cavalcanti (Foto: Divulgação)

Quem também estava no clima da folia e se jogando na festa, literalmente, era Marcella Fogaça. Depois de passar o Carnaval em Trancoso recuperando energia para uma maratona de shows que vem por aí, a cantora marcou presença na Sapucaí aos 45 do segundo tempo. “Esse ano eu quis dar uma fugidinha para conseguir descansar. Peguei fôlego, mas também não tinha como não vir para o desfile das campeãs. Não para passar um ano longe da Avenida. Não dá”, reforçou Marcella que contou curtir a festa de ouvidos e olhos bem atentos. “Eu procuro sempre prestar atenção na letra, enredo e melodia para entender o que conta aquele espetáculo. Afinal, tudo está sincronizado com as fantasias e o que vemos na nossa frente. A verdade é que eu amo tudo e sou muito apaixonada pelo Carnaval”, confessou.

Este slideshow necessita de JavaScript.

E essa paixão, inclusive, tem sido algo hereditário entre os convidados do Folia Tropical. Assim como acompanhamos um dia em que boa parte das celebs curtiu o Carnaval com os pais, também tivemos artistas levando seus filhos neste sábado. Ontem, foi a vez de Claudia Abreu apresentar o espetáculo à Felipa, de dez anos. “Eu curto o Carnaval desde muito novinha. E ela também. A Felipa adora a festa e por isso já estou trazendo desde cedo. Está tudo maravilhoso”, apontou a atriz.

Eri Johnson no último dia de Folia Tropical (Foto: Divulgação)

Além dela, esta também foi uma experiência nova para o filho de Cassio Reis. Ontem, o ator estava no camarote com amigos e a namorada Fernanda Vasconcellos. Mas, na segunda, ele já havia vindo apresentar a festa ao pequeno de dez anos. “Ele é carioca e nunca tinha vinda ver esse Carnaval, só blocos na rua. Eu queria que ele sentisse o calor da avenida e a energia boa que é assistir a este espetáculo tão de pertinho. E foi uma experiência ótima”, contou.

Fernanda Vasconcellos e Cassio Reis no último dia de Folia Tropical (Foto: Divulgação)

Por falar em Cassio Reis, assim como ele foi responsável por trazer o filho para o Carnaval, também foi quem tirou a namorada de casa. E olha que, mesmo com o bom argumento do Folia Tropical, Fernanda disse que esta é uma missão bem difícil. “Eu fiquei em casa todos esses dias, e aí hoje o Cassio me convenceu a sair. Na verdade, eu gosto de Carnaval, de estar no desfile com os amigos e sentir essa energia. Quando eu chego aqui, me divirto muito. O problema é só a parte de sair de casa”, brincou. Agora só ano que vem, Fernanda! Falta muito para 2019?

Pesquisas relacionadas

, , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,