Música & Badalo

MC Rebecca lança clipe ‘Repara’ com Kevin o Chris e WC no beat e dispara: “Somos funkeiros e estamos na batalha”

A cantora que possui mais de 700 mil ouvintes mensais nas plataformas digitais mostra que o funk está ganhando cada vez mais espaço na cena da música brasileira e mundial

Publicado em 11/12/2019 | Por Heloisa Tolipan

*Por Domênica Soares

No ano de 2019, o funk brasileiro está tomando conta do mundo. Artistas internacionais estão levando o ritmo para suas músicas, como Drake e Madonna, e o som vibrante e empolgante do funk vem ganhando espaço a cada canto. Um dos talentos brasileiros é a cantora MC Rebecca, com cerca de 300 mil inscritos no YouTube e mais de 50 milhões de plays em suas músicas nas plataformas digitais. Com grandes parcerias ao longo de sua caminhada, dessa vez chegou a hora de se juntar a um dos maiores ícones do ritmo, Kevin o Chris para o lançamento do clipe “Repara”, que conta também com WC no beat e vocais. Levando sempre seu empoderamento feminino ao cantar, na música ela dispara: “Então repara! Tu vai entender porque a preta é uma parada!”. Em entrevista exclusiva ao site Heloisa Tolipan, Rebecca frisa “Kevin é muito talentoso, tem uma natural vocação criativa. Foi incrível estar com ele nessa parceria. Somos funkeiros e estamos juntos na batalha. Boto maior fé que a música vai agradar a galera. Eu amei o resultado”. 

Mas a cantora não parou por aí. Em paralelo à produção, muitos outros marcos na história de sua carreira aconteceram. Recentemente, a cantora participou da música “Combatchy”, com Anitta, Luisa Sonza e Lexa. O clipe já conta com mais de 15 milhões de ouvintes no spotify e 32 milhões de visualizações no YouTube. “Essa união tem dado ótimos frutos. As meninas são incríveis. O mais legal é que tudo aconteceu num clima muito divertido. Tenho grande prazer de fazer parte desse trabalho e sou muito grata à Anitta”. Mas, a música trouxe outra grande conquista para a artista. MC Rebecca foi a primeira brasileira negra a entrar na parada mundial e a única a alcançar o número 1 no Top Brasil nos aplicativos de áudio em 2019. Sempre grata, quando perguntada sobre seus fãs, ela não hesita em dizer que fica extremamente feliz e realizada com esses resultados que estão aparecendo de forma rápida e consistente. Explica que alcançar todos esses números com o trabalho que vem fazendo é espetacular e comenta que procura sempre levar sua jornada com muita tranquilidade, deixando que as coisas boas aconteçam e sempre ao lado de seus fãs, que a acompanham em todos os momentos. “Toda caminhada tem suas dificuldades e isso faz parte da trajetória. Cheguei até aqui com muito trabalho. Os desafios superados sempre nos fortalecem. A presença da mulher no funk, cantando música com similar ousadia a que os homens cantam é uma grande conquista”.

Rebecca mostra a todo tempo que seu som tem muita base nos pensamentos e ideais que estão conectados diretamente ao empoderamento feminino. “É muito bom e me sinto muito realizada em poder usar minha própria música para divulgar a força da mulher em todos os sentidos”. Ela ainda fala sobre o espaço que a mulher ocupa na sociedade e divide que hoje em dia, apesar de toda luta feminista, é sempre necessário impor respeito e exigir o mesmo, mostrando que a mulher empoderada é capaz de atingir patamares elevados corroborando para a construção de um pensamento social mais crítico e saudável. “Não é fácil ser mulher na sociedade em que vivemos, e acredito que nunca foi. Tenho e busco sempre o respeito, mas sou ‘dura na queda’. Penso que ser mulher é assumir as responsabilidades, sem deixar de lado a essência interna que faz parte de todas nós”, afirma.

MC Rebecca fala sobre empoderamento feminino (Foto: Felipe Braga)

Neste ano, além de todos os singles e clipes, a cantora fez sua primeira turnê internacional e passou por três cidades americanas e três países da Europa. Tudo isso é capaz de levar a essência de Rebecca para o mundo, mostrando que todas as lutas pelas quais passou, como ser mulher negra, mãe adolescente, bissexual não deixaram que seu empoderamento feminino se apagasse diante de qualquer obstáculo. “É sempre difícil permanecer forte em uma sociedade que carrega um pacote de preconceitos. Um exemplo disso é o que aconteceu recentemente com o Bunitinho em Paraisópolis. Foi preconceito e isso gera mortes. É muito triste”. 

A cantora já ultrapassa 50 milhões de plays em suas músicas nas plataformas digitais (Foto: Felipe Braga)

Com muitos planos em sua carreira para 2020, ela conta que o próximo ano será de muito trabalho e novidades. Seu maior sonho não cabe em uma palavra ou frase, mas ela reflete: “Quero cantar, dançar e fazer mais shows”. E para quem está começando e deseja voar alto como a cantora, ela dá uma dica: “Trabalhar muito duro com foco e persistência. Não desistir com os obstáculos da carreira. É muito importante estar atento às oportunidades e buscar trabalhar com bons profissionais”.

Pesquisas relacionadas