Moda & Beleza

Representatividade e diversidade: Levi’s® dá o start no movimento Geração 501® no Rio com muita música e moda

O projeto chega à cidade trazendo muita música de qualidade, moda e arte. Além de toda a parte cultural, a marca está propondo uma reflexão sobre causas sociais latentes no país. O evento vai ser realizado até domingo

Publicado em 14/09/2018 | Por Ana Clara Xavier

A Levi’s® trouxe para o Rio um movimento cultural e social que está quebrando barreiras no universo da moda brasileira. Desde ontem, na Casa de Cultura Laura Alvim, em Ipanema, o Geração 501® reúne amantes da moda, músicos, designers e um público repleto de ideias e atitudes. O projeto conta com bate-papos sobre diversidade, igualdade de gênero, direito das minorias, inclusão, liberdade de expressão e sustentabilidade. A marca apostou também em novos talentos da música que já estão dando o que falar no universo independente como 2 Reis, Suricato e Paulo Dalagnolli. Além disso, uma equipe de artistas plásticos e estilistas se reuniu para customizar o jeans mais icônico da Levi’s, o 501® – que completou em maio 145 anos de criação.

Leia: Levi’s dá o start no projeto Geração 501® do icônico jeans e atrai famosos para show de independentes e Linn Da Quebrada

Marina Kadooka é a gerente de marketing da Levi's no Brasil e uma das principais responsáveis pelo sucesso do evento (Foto: Renato Wrobel)

Marina Kadooka é a gerente de marketing da Levi’s no Brasil e uma das principais responsáveis pelo sucesso do evento (Foto: Renato Wrobel)

“A Levi’s® é uma marca muito inclusiva que nos dá liberdade criativa para celebrar pessoas e falar sobre temas relevantes como representatividade e inclusão social. E isto não vem de agora. Foi a primeira a inventar o jeans feminino, a estender os benefícios para os casais do mesmo gênero e a falar sobre o vírus HIV quando existia grande preconceito. Somos uma empresa ligada ao empoderamento feminino tendo 60% de mulheres no quadro de executivos. Respeitamos quem possui opiniões diferentes, mas estamos levando representatividade e renovando os nossos consumidores. O nosso objetivo é ser uma empresa feita de fora para dentro. Queremos que as pessoas se enxerguem nas nossas campanhas”, Marina Kadooka, a gerente de marketing da Levi’s no Brasil.

A ideia era trazer uma galera diferente que fosse militante de causas que a empresa acredita. O site HT, claro, vai acompanhar de perto tudo o que vai rolar até domingo e a gente convida todos os leitores para virem com a gente, literalmente! Nós participamos do preview, ontem, na Casa de Cultura Laura Alvim com shows de Gavi e de Chico Chico e João Mantuano, por isso vamos contar tudo o que encontramos por lá. Vem!

A moda levando o protagonismo das ‘minorias’

Um movimento que respira moda e representatividade. A Levi’s® convidou verdadeiros protagonistas de diversos tipos de movimentos para dar a sua própria cara para o jeans 501®. O projeto We Are All Collaborators enviou uma peça para diferentes artistas plásticos e designers para que eles empregassem algum tipo de identidade a mais para aquela roupa. Tenka Dara, Thomaz Azulay, Patrick Doering, Luana Depp, Isa Maria Rodrigues, Mayra Sallie, Joana Uchôa e Maxwell Alexandre impregnaram a calça de identidade. Cada um deles possui alguma identificação com as causas sociais e valores do movimento Geração 501®. “Nós reunimos designers e artistas plásticos para fazerem um trabalho mais voltado para a arte. Quisemos dar ainda mais visibilidade para estes jovens”, comentou Marina. Por causa disto, eles foram convidados, nesta quinta-feira, para contar um pouco dos seus trabalhos e falar sobre o conceito da customização.

Leia também: O ICÔNICO E IRREVERENTE JEANS LEVI’S 501® COMPLETA 145 ANOS DE INOVAÇÃO NO MUNDO E COMO COMEMORAÇÃO APOSTA NO CENÁRIO INDEPENDENTE DA MÚSICA NACIONAL E NO DEBATE DE CAUSAS RELEVANTES

Este slideshow necessita de JavaScript.

Thomaz Azulay e Patrick Doering foram um dos convidados para customizar a peça. Ambos são os donos da The Paradise e optaram por transmitir um pouco das suas impressões de mundo com o jeans. “Encaramos a 501® como uma espécie de tela nobre na qual criamos. Nós cortamos um pedaço de todas as nossas coleções passadas da The Paradise prezando pela qualidade e atemporalidade. Dessa forma, trouxemos muitas identidades que fazem parte da nossa brasilidade como índios, europeus, negros e, claro, elementos da natureza, que é a base de tudo”, comentou Thomaz Azulay. De acordo com ele, é importante uma empresa respeitada como a Levi’s® dar o start neste debate social. Foi exatamente esta diversidade que o estilista levou para a 501® e para a própria The Paradise. “Sempre encarei a diversidade como algo natural do ser humano. Somos pessoas de baixo do mesmo guarda-chuva de belezas e mazelas. Na minha marca, gosto de falar sempre de temas exóticos, fantasiosos e reais. Não fazemos diferenciação de gênero nas nossas roupas. Nós pensamos no corpo de cada um”, completou.

Leia também: Após ser construída por skatistas voluntários e com uso de material reciclado, skatepark do projeto  DIY – Do It Yourself da Levi’s vira documentário

Thomaz Azulay ao lado de Marina Kadooka e Patrick Doering (Foto: Renato Wrobel)

Thomaz Azulay ao lado de Marina Kadooka e Patrick Doering (Foto: Renato Wrobel)

E por falar em diversidade, a representatividade do evento foi uma das primeiras palavras que saiu da boca de Maxwell Alexandre. O artista plástico ficou impressionado com o público que frequentou a Casa de Cultura, nesta quinta-feira. Ele também foi um dos convidados para criar a partir do jeans já que é um militante da causa negra e luta pelo empoderamento da classe. Um de seus trabalhos mais recentes, inclusive, fala sobre a tentativa dos negros em esconder a sua etnia e a ideia era reafirmar a ascensão desta ‘minoria’. Foi exatamente este caráter que tentou desconstruir nesta roupa da Levi’s®. “A sociedade tenta constantemente padronizar o negro e a minha ideia com esta calça foi, literalmente, uma lavagem. Preparei uma bacia e dentro coloquei uma tinta parda e acabei mergulhando a peça lá dentro. Queria que fosse um ato e o resultado denuncia isto”, informou Maxwell.

Leia também: Alerta São Paulo: Levi’s inaugura nova loja no shopping Anália Franco e já apresenta novidades e destaques para eles e para elas

Maxwell Alexandre é artista plástico e foi o responsável por tingir uma das peças (Foto: Renato Wrobel)

Já que estamos falando de exaltar a negritude, Tenka Dara é uma estilista que sabe muito bem como valorizar as nossas raízes. Há 10 anos, ela criou uma marca própria chamada Baoba Brasil que exalta a comunidade negra e africana. De acordo com ela, ver as suas ideias e princípios expostos no Geração 501® foi um avanço e um exemplo muito grande. “Todas as pessoas com quem comentei que participaria deste evento tinham alguma história para contar sobre a marca. Achei engraçado como isto marcou várias vidas trazendo ideias fortes de representatividade, o que acaba sendo uma grande inspiração para quem possui uma marca, como eu. Acho valente e generoso da Levi’s® se posicionar desta forma. Abrir o diálogo é o que vai ajudar a empresa a se manter mais 145, 250 e 500 anos no mercado”, informou. Na peça que customizou, ela fez do 501® um veículo de comunicação sobre as suas questões políticas, ideias e identidades. “Gosto das coisas que resistem. Assim como a calça da Levi’s® possui uma história longa que precisa ser valorizada, as raízes dos negros também precisam ser relembradas. A partir disso, customizei a 501® com a ideia de perpetuar as ideias que acreditamos. A peça comunica a luta das mulheres negras no Brasil e trazemos também a Marielle Franco, que é um marco na nossa história. Não podemos ser silenciadas. É uma calça feminista ativista negra”, garantiu.

Leia também: Em Manaus, Levi’s constrói a segunda pista de skate da América do Sul do projeto Skateboarding com a ajuda de atletas voluntários: “Coisas impossíveis acontecem quando as pessoas se unem”, disse gerente de marketing, Marina Kadooka

Tenka Dara é uma militante da causa negra e feminista e define a moda como um veículo de comunicação (Foto: Renato Wrobel)

A sustentabilidade ficou por conta da artista visual Joana Uchôa. Ela é conhecida por reaproveitar peças de brechó, reciclando produtos que, para muita gente, são descartáveis. A partir disto, escreveu mensagens e desenhou símbolos no jeans 501® que marcam a vida das pessoas de alguma forma. “Coloquei frases na calça com discursos comuns em conversas de bar. São frases que muitas vezes não são bonitas ou poéticas, mas estão neste nosso universo e podem dizer algo para uma pessoa. Acho importante ver valor naquilo que é do outro, assim como acontece na roupa do brechó. Estilo e roupa são linguagens”, informou. A partir desta colcha de retalhos, acaba transformando o simples em algo extraordinário, como visualiza nos seus garimpos.

Joana Uchôa é uma artista que possui uma ligação muito forte com a moda sustentável (Foto: Renato Wrobel)

Enquanto isto, as meninas do Migjeans, Luana Depp, Isa Maria Rodrigues e Mayra Sallie, já eram famosas por transformar um produto simples em especial na própria marca. As três vieram da Zona Norte e criaram a Migjeans com o intuito de aproveitar ao máximo este material. Foi exatamente este conceito que levaram para o 501®. “A nossa peça possui o conceito de transformar a essência, que é a nossa identidade. Demos prioridade para o degradê da pintura destacando a aplicação de algumas tiras de resíduos, dando uma moldura para o jeans. Além disso, desfiamos bastante e fizemos cortes que traziam a nossa identidade”, comentou Mayra Sallie. Além de participar do projeto We Are All Collaborators, elas também estarão presentes nos três dias de evento a convite da Ahlma, de André Carvalhal, parceira da Levi’s® no Geração 501® do Rio na oficina de customização.

Isa Maria Rodrigues, Luana Depp e Mayra Sallie são as empresárias por trás da Midjeans (Foto: Renato Wrobel)

O público também terá a oportunidade de customizar as suas próprias roupas com a ajuda das meninas do Midjeans. Quem resolver fazer parte deste movimento terá a possibilidade de participar da Tailor Shop, uma estação de customização onde as pessoas poderão aplicar tachinhas e bordar símbolos em suas roupas. O espaço conta com uma oficina de up cycling em parceira com a marca Ahlma. “A gente já vinha se namorando há um tempinho e acabei os convidando para fazer parte da Taylor Shop. Nós simpatizamos muito com eles e tenho certeza que será uma parceria duradoura”, comentou Marina.

A música embalando as discussões

Para reforçar ainda mais a abertura de espaços para as mais diversas tribos, a Levi’s® convidou diferentes nomes do cenário musical que se apresentarão diariamente. O destaque para nova cena musical terá Rodrigo Suricato e o grupo 2 Reis, que conta com os filhos Theo e Seba do músico Nando Reis. “A nossa proposta não é trazer um evento, mas um movimento e uma causa para podermos discutir temas atuais como sustentabilidade, diversidade, igualdade de gênero e urbanidade. Além de falar sobre estes pilares, a nossa ideia foi trazê-los para dentro da equipe do Geração 501® com estilistas, designers e cantores. Selecionamos pessoas que tinham uma ótima sinergia com os nossos valores. Quase 100% do line-up são de cariocas, afinal, temos também que prestigiar quem é daqui”, informou Marina Kadooka.

No preview que rolou nesta quinta-feira, a Geração 501® abriu o palco com Gavi. “Acho muito bacana que as pessoas vejam uma mulher negra no palco abrindo este evento, que é um pouco desta diversidade que a Levi’s® está trazendo”, informou. A cantora possui uma pegada mais eletrônica e define o seu estilo como ‘a busca por uma black music moderna’. No setlist, ela misturou este estilo com pop, rap e soul. Para Gavi foi uma responsabilidade tocar para um público tão diverso. De acordo com ela, fazer parte de um movimento como este é entender que estamos evoluindo de alguma forma. “Qualquer ramo cultural possui uma importância política e a moda também faz parte deste núcleo. Dessa forma, vida longa à Levi’s®, à perspectiva de transformação dela e a uma marca que consegue sair dos padrões estabelecidos e juntar tanta diversidade em um lugar só. Estou cercada de pessoas diferentes nesta festa e o clima está tão bom, o que mostra que podemos sim vivermos todos misturados”, comemorou.

Gavi é uma cantora de música independente voltada para o new black music (Foto: Renato Wrobel)

Na sequência, foi a vez da dupla João Mantuano e Chico Chico subir ao palco. Os dois selecionaram um repertório muito diferente do esperado com uma pegada bem eclética, indo do batuque à música lenta. Além de releituras de Dorival Caymmi, por exemplo, eles trouxeram canções autorais com gêneros bem diferentes. “O nosso line-up, por exemplo, tem muito a ver com as nossas raízes. Temos que privilegiar mais o que for das nossas origens. Isto nos faz ter uma textura mais forte, um aprendizado”, comentou João Mantuano. O show fez tanto sucesso que acabou ultrapassando 20 minutos do tempo estimado devido a energia boa do ambiente e pedidos de ‘mais’ do público. “A Levi’s® conseguiu reunir uma galera muito importante do cenário musical que precisa ser ouvida. É a primeira vez que venho no evento de uma marca e sinto que, cada vez mais, todo mundo precisa ocupar estes espaços. A diversidade é importante e precisa ser representada”, comemorou Chico Chico, que é filho da Cássia Eller.

Chico Chico é um dos cantores que subiu ao palco nesta quinta-feira (Foto: Renato Wrobel)

A noite também foi embalada por DJs do cenário independente. Pedro Antunes trouxe uma pegada bem carioca para a festa. Acostumado a tocar na praia nos finais de semana para os amigos, ele contou que não mudou muito o repertório e o line-up acabou sendo recheado de brasilidade. Para ele, fazer parte do evento, além de exaltar o seu país, foi fenomenal, afinal, acredita neste posicionamento da marca. “A Levi’s® é uma marca que está alinhada com várias causas que também sou”, informou.

Pedro Antunes foi o primeiro DJ a se apresentar na festa (Foto: Renato Wrobel)

Quem encerrou a noite foi a dupla Felipe Raposo e Bernardo Campos. “Receber este convite só nos mostra como a Levi’s® está antenada no que está rolando, pois a Festa Rara, que é onde tocamos, está em ascensão, mas por ser mais underground acaba não tendo o conhecimento do grande público. Dessa forma, o nosso som tradicional que conta com vários estilos e gostos”, comentou Bernardo. O line-up viajou para vários estilos diferentes indo desde o afro até o tecno. “É uma marca que respeito e está no meu coração há muitos anos. É uma honra tocar aqui. A nossa diversidade está no nosso som, não temos o propósito de doutrinar o público”, informou Felipe.

Este slideshow necessita de JavaScript.

 

Conversas com personalidades de peso

O espaço da Casa de Cultura Laura Alvim está respirando, mais do que nunca, arte e reflexão. Com interação entre artistas criadores, pensadores e público, o projeto conta com bate-papos sexta e sábado que vão falar sobre diversos temas diferentes. “Ao redor do mundo, a Levi’s® realizou várias festas para comemorar o aniversário da 501®, mas, no Brasil, queríamos fazer algo que tivesse um impacto social maior. Vivemos em um momento de intolerância muito grande e isto gera a necessidade de discutir sobre estas causas. As marcas precisam se posicionar sim. Afinal, as valores da nossa empresa são originalidade, autenticidade, empatia e coragem. Falamos sobre moda, entretenimento, música e, ao mesmo tempo, conceitos”, explicou Marina. Os convidados dos painéis ficaram a cargo do Istituto Europeo Di Design, através de Melina Dalboni, que representa o IED-Rio, que abrigou, em maio, a festa Geração 501 que comemorou os 145 anos do jeans icônico. A concepção e realização do Geração 501 foi assinada por Raphael Soria e Fabio Queiroz.

Nesta sexta-feira, às 19h, Luana Génot, fundadora do Instituto Identidades do Brasil, vai mediar uma conversa sobre igualdade racial ao dividir a mesa com Luana Cooper, fundadora do portal de beleza negra Tombay, e com Helena Gusmão, sócia da agência de modelos Jacaré Moda. Enquanto isto, neste sábado, às 16h, Márcia Disitzer, jornalista de moda do O Globo e escritora do livro Potência Popular Carioca, vai debater sobre o estilo e atuação de influenciadores da periferia com Carol Rabello, editora do site Zona Norte, Rafa Joaquim, criadora e diretora criativo do Coolhunter.

O que podemos esperar?

Com mais três dias de evento aberto ao público, o Geração 501® promete instigar debates, provocar reflexões e, claro, divertir os cariocas em frente à praia de Ipanema. Para esta sexta-feira, podemos esperar um debate com Luana Génot, Luana Cooper e Helena Gusmão; dois shows sendo o primeiro com Abronca e o segundo com Qinho e Marina; um line-up embalado pela galera do Heavy Baile; e, claro, muita customização. Esta animação vai até 1hr da manhã, hein! Preparados?

 

Levi’s® Geração 501® RJ

Data: de 14 a 16 de setembro de 2018

Local: Casa de Cultura Laura Alvim

Avenida Vieira Souto 176, Ipanema, Rio de Janeiro – RJ

Tel.: 21 2332-2016

Horário de Funcionamento: sexta-feira, das 18h à 1h, sábado, das 14h à 1h, e domingo, das 14h às 19h

Evento aberto ao público, mediante à lotação da casa

 

PROGRAMAÇÃO

Sexta-Feira, 14 de setembro:

18h às 22h- Tailor Shop Levi’s x Ahlma

19h às 20h- Painel IED #Geração 501®, com Luana Génot, Luana Cooper e Helena Gusmão

20h20 às 21h- Show de Abronca

21h20 às 22h20 Show de Qinho canta Marina

22h à 1h- Festa Heavy Baile

Sábado, 15 de setembro:

14h às 22h- Tailor Shop Levi’s x Ahlma

16h às 17h- Painel IED #Geração 501®, com Márcia Disitzer, Carol Rabello e Rafa Joaquim

17h30 às 18h30- Show de Flerte

19h30 às 20h30- Show de 2 Reis

21h às 22h- Show de Suricato

22h à 1h- Festa Disritmia

Domingo, 16 de setembro:

14h às 19h- Tailor Shop Levi’s x Ahlma

16h ás 17h- Show acústico de Paulo Dalagnolli recebe Amigos

17h às 19h- Cortejo Technobrass

Pesquisas relacionadas