Moda & Beleza

Inspiramais 2020_II: Norteado pelo tema “Zen”, um olhar sobre vínculo, tempo e relação humana

O Único Salão de Design e Inovação de Materiais da América Latina será realizado em São Paulo nos dias 4 e 5 de junho, promovido pela Associação Brasileira de Empresas de Componentes para Couro, Calçados e Artefatos (Assintecal), ByBrasil – Components and Chemicals, ABIT, TexBrasil, CICB, Brazilian Leather e Apex-Brasil, e vai reunir players do setor do couro-calçado, estilistas, grifes, representantes de indústrias de várias partes do Brasil e do mundo para apresentar as referências e inovações de componentes e materiais

Publicado em 27/04/2019 | Por Heloisa Tolipan

O mais prazeroso quando a gente mergulha no universo do Inspiramais é poder sentir (literalmente) como todas as propostas apresentadas no Único Salão de Design e Inovação de Materiais da América Latina são plenamente interpretadas pelos designers, empresários, profissionais da moda e players das indústrias de calçados, bolsas, acessórios, vestuário, móveis e até automotivas de Norte a Sul do país e do exterior e se concretizam, meses depois, em coleções processadas pelos consumidores. No início de abril, contei para você, leitor, que o que era inspiração norteada pela palavra-chave “Play”, do Inspiramais 2020_I, realizado em janeiro, em São Paulo, chegou ao mercado como total inovação. Exemplos? Laranja, turquesa e cru nos produtos. Muitas estampas e texturas se confirmando a partir das inspirações do Expressionismo com pinceladas, plissados e pontilhados. Agora, estamos na contagem regressiva para comemorar os 10 anos de Inspiramais durante a edição 2020_II, que apresentará mais de 1.000 materiais inovadores para as indústrias, e será realizada nos dias 4 e 5 de junho no Centro de Eventos Pró Magno, em São Paulo. O tema “Zen” vai enriquecer a discussão e produção nos mais diversos setores do universo moda, sempre focadas nos materiais, como tecidos, estampas, couros, saltos, sintéticos e aviamentos, e na atemporalidade.

Leia mais – Walter Rodrigues: “Há diálogo entre liberdade de usar, criatividade e identidade. Tudo expressa novo jeito de ser”

Enquanto escrevo esse texto, a Palestra de Inspirações 2020_II, parte integrante do projeto Conexão Inspiramais, realizada pelo coordenador do Núcleo de Design da Assintecal (Associação Brasileira de Empresas de Componentes para Couro, Calçados e Artefatos), Walter Rodrigues, e por uma equipe de consultores, é apresentada por todo o Brasil – com ênfase nos polos produtores e de varejo que se destacam nos segmentos calçadista, confecções, couro, têxtil, artefatos e materiais – abordando as referências apoiadas na temática Zen e as inspirações que vêm da natureza, reconectando o ser humano com a realidade, com os impactos e com a conscientização para o desenvolvimento de produtos.

Leia mais – Minas Trend: Durante palestra de Walter Rodrigues, o start de inspirações 2020_II norteadas pela palavra-chave Zen

Walter Rodrigues apresenta os produtos inovadores no Conexão Inspiramais (Foto: Divulgação)

O Inspiramais 2020_II  apresentará, em formato de exposição com palestras, os produtos inovadores após estudos e pesquisas comportamentais aprofundados lançando um olhar sobre o passado, desde os movimentos globais à identidade local, e o presente, com análises de macrotendências, para, assim, adiantar o que vem no futuro na relação entre a indústria criativa e o consumidor, que vive em transformação constante. O evento é promovido pela Associação Brasileira de Empresas de Componentes para Couro, Calçados e Artefatos (Assintecal), Associação Brasileira da Indústria Têxtil e de Confecção (Abit), Centro das Indústrias de Curtumes do Brasil (CICB) e Programa de Internacionalização da Indústria Têxtil e de Moda Brasileira (Texbrasil), Brazilian LeatherBy Brasil Components, Machinery and Chemicals e Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex-Brasil).

Se no “Play” nos conscientizamos sobre a questão de vivermos tempos difíceis no mundo todo e, por isso, a necessidade de algo mais lúdico aliado à ideia de apertar o botão e acelerar na criatividade e no fazer diferente, a máxima “Zen” vai nos conduzir a uma viagem sobre nós, como indivíduos, e também como parte integrante de um mundo. Ou seja: o individual e o coletivo como tônicas de reflexões.

Ficou muito claro para quem esteve na edição passada do Inspiramais que hoje não temos uma forma de vestir, mas sim uma nova maneira de interpretar a roupa e os acessórios. Não é apenas um jogo de peças, mas um diálogo entre a liberdade de usar, a criatividade e a identidade. Tudo expressando um novo jeito de ser. Para o Inspiramais 2020_II, o coordenador do Núcleo de Design da Assintecal (Associação Brasileira de Empresas de Componentes para Couro, Calçados e Artefatos), Walter Rodrigues, ressalta a importância de “a regra principal dessa nova ordem: estar presente. É participar e interagir em 360 graus em todas as interfaces de um produto, tais como o planejamento, criação e execução de uma ideia”.

Entendemos que moda é um fenômeno que ocorre tal qual uma gota que se expande até formar outra gotinha. Daí a importância de se observar atentamente a Metodologia da Pirâmide: assertividade nos negócios. Os 10% da pirâmide são referências sobre o tempo. Onde paramos para refletir sobre o mundo, levando em consideração tudo o que está acontecendo. Walter Rodrigues nos deu o exemplo da Apple ao lançar o iPhone X, em novembro do ano passado: “A empresa criou uma metáfora totêmica para a natureza do nosso tempo. Ao remover o botão inicial e a moldura que cercava a tela, a superfície do telefone tornou-se sem limites. A mensagem era clara: não há mais limites entre sua tela e o mundo ao seu redor, o “sem limite” chama a atenção para as possibilidades atuais. Sem limites para ser e para criar. E isso gera impactos. A gente faz a economia girar e, então, precisamos entender também que os consumidores no momento em que vão comprar estão muito mais conscientes. Eles vão pensar em selo de origem, em empresas transparentes, se quem produz aquele produto está  trabalhando o resíduo de forma correta.

“Então é muito interessante analisar tudo que a gente está vivendo. Há mudanças em todos os sentidos. No apresentar moda, por exemplo, aquela regra da modelo loura, magra, acabou. As passarelas são reflexo da realidade com afrodescentes, plus sizes, de não gêneros, transgêneros, de misturas. O limite foi para o espaço. O que importa é o ser humano, o que ele está dizendo e no que ele está interessado”, analisa. Outro ponto interessante é pensar realmente o processo. “Mesmo que eu seja um microprodutor e minha empresa de fundo de quintal, eu terei que pensar o que eu estou fazendo com o resíduo do meu trabalho. Até porque minha consumidora vai me cobrar isso. É bem importante. O designer ao criar já tem que pensar o processo todo. Ele tem que ter consciência para que, lá na frente, não sobre nada, ou caso sobre, que já tenha um destino”, frisa Walter Rodrigues.

Portanto, o movimento zen não é relaxamento. É uma filosofia do zen budismo de estar presente, conectado em tudo o que está acontecendo no mundo nesse momento. Como impacta o produto, o insumo, a criação, a venda. “A informação está tão rápida e tão fluida, que é importante entender a posição do ser humano em relação ao tempo e ao espaço. Por outro lado, é vital entender como ressignificar o lucro. Pois o consumidor está recebendo várias informações. Ele está consciente e vai buscar selos de origem, empresas transparentes, utilizando a melhor maneira de se estabelecer contato com marcas que têm propósito”, assinala o coordenador do Núcleo de Design da Assintecal. O grupo Arezzo é um exemplo de investimento fortíssimo para que todas as matérias e produtos tenham selo de origem. É importantíssimo esse movimento.

Os 10% da Metodologia da Pirâmide representados pela palavra-chave zen possuem duas vertentes: vínculo e tempo. “Eu estava lá em Nova Serrana, quando assisti por streaming o desfile da Balenciaga. Observei que o cenário não tinha limites: o chão estava em sintonia com a parede, assim como o teto. Mas, no centro de tudo, havia um ser humano. E foi muito impactante, porque nosso grupo de estudo estava debruçado justamente na valorização  desse ser humano. Outro ponto interessante foi quando a Miuccia Prada, diante do conservadorismo do mundo, abordava as possibilidades de liberdade. Como por exemplo, trabalhar uma silhueta hiper clássica, uma saia godê, um suéter e uma camisa, e brincar com essa silhueta, às vezes recortando a camisa, colocando um pouco do movimento do colo, até transformar toda essa silhueta em transparência. A transmutação do clássico. E a gente entende que isso é estar conectado. Uma mulher que opta pelo clássico até a jovem vanguardista encontram opções mil”, contou Walter Rodrigues.

Outro ponto importante foi ver que havia um momento muito importante de contemplação. Alex Katz, pintor americano, cujas obras de arte desde a década de 50 têm sido objeto de mais de 200 exposições individuais e quase 500 coletivas vai ganhar uma retrospectiva gigante agora e vamos ouvir muito falar nele. A pintura é quase um hiper realismo e ele se inspira em fotos de moda. Faremos uma reflexão na contemplação. Quando observamos o trabalho do escultor australiano Ron Mueck também entendemos na arte hiper realista uma ideia da realidade nua e crua. Outro exemplo é o fotógrafo e artista plástico Felipe Morozini, eterno apaixonado por São Paulo, que pensa muito também a ideia do ser humano inserido na realidade do trabalho.

“Buscamos explicar claramente a ideia de vínculo, aquilo que ata, linka e o valor das conexões que vão determinam de certa forma a importância do vínculo”, atesta Walter Rodrigues, que nos lembrou em entrevista recente a análise feita do vínculo como uma percepção maior com o ser humano. E citou um documentário sobre o japonês Morito Ebine, dono de um ateliê de móveis contemporâneos. Ele fala: ‘se eu vou trabalhar com uma madeira da árvore que levou 100 anos para crescer, desenharei um móvel que dure mais 100 anos’”, contou Walter Rodrigues. O ateliê de Morito produz móveis a partir da técnica milenar de encaixes, dispensando o uso de pregos ou parafusos. “Com a premissa de respeitar acima de tudo a sustentabilidade na produção do mobiliário através do uso adequado da matéria prima que a natureza nos fornece, a acuidade nos projetos e confecção dos móveis em nossa marcenaria se baseia na durabilidade das peças, por meio do uso de técnicas tradicionais aliadas a novas tecnologias, conferindo a cada peça produzida qualidade estética e estrutural, e utilizando o tempo e manuseio das peças como fatores de contínuo embelezamento das mesmas”. Este é o texto que permeia o trabalho de Morito.

Os consultores do Núcleo de Design da Assintecal também mergulharam no trabalho da monja e cozinheira do mosteiro Baekyangsa na Coreia do Sul, Jeong Kwan. Na terceira temporada do programa Chef’s Table, da Netflix, a relação da monja com a arte culinária foi abordada e chamou a atenção de um público enorme.

No Inspiramais 2020_II veremos o vínculo através da madeira como aplicação, estampa, acabamentos, encaixes, possibilidades para modelagens, solas, roupas, bijuterias, acessórios. Bem interessante. O pragmatismo e a essência serão analisados em novos produtos. Portanto, atenção para as palavras: madeira, encaixe, pragmatismo e trama.

A partir do pensar o tempo, o Zen reforça que o mais importante é o estar presente e consciente de cada passo, cada atitude, cada instante. É olhar o entorno, sem deixar de fazer uma reflexão interior e perceber que o “eu” é mais valioso quando equilibra o bem-estar com a realidade na qual se vive. “Uma maneira nova de consumir. Podemos ver bem o que a gente fez com a terra. E foram estudados os trabalhos de Hans Strand e a possibilidade de ver os efeitos de corrosão e como podemos transportar para estampas que vão se formando e do ambientalista francês Yann Arthus-Bertrand. Ele publicou mais de 60 livros com suas fotografias feitas em helicópteros e balões e assinou documentários como “Home“, visto por mais de 600 milhões de pessoas, e ”Humano – uma viagem pela vida”. Esses dois profissionais da imagem nos inspiraram muito. E a ideia do que vamos trabalhar. A moda tem um papel a mais e conecta as pessoas.  é o ano que vem, então ainda tem muito o que a gente pode fazer. E vocês estão conectados o tempo todo usem essa conectividade para o bem, para alertar as pessoas, para fazer elas acordarem mesmo. É muito interessante por que a gente vai ver que aspectos de corrosão aparecerão em vários materiais usados desde o mobiliário, passando pelas marcas de tênis, aos vestuários mais interessantes”, comenta Walter.

Sobre a cartela de cores teremos ênfase no marinho (moonlit ocean), no cinza (quiet gray) e no verde (malachite green) e podemos fazer uma bela analogia com a obra de Ron Mueck, com o cinza da monja Jeong Kwan e o verde dos mares eternizados nas fotos de Hans Strand.

Zen na moda – Criação

As inspirações vêm da natureza, mais uma vez, reconectando o ser humano com a realidade, com os impactos e com a conscientização. De acordo com Walter, “A regra principal dessa nova ordem é estar presente. É participar e interagir em 360 graus, em todas as interfaces de um produto tais como o planejamento, criação e execução de uma ideia. Afinal, o design não faz milagres.” Para isso, algumas referências ajudam a dar o start para as próximas coleções:

– Texturas, formas e acabamentos singulares deverão ser observados como ponto de partida para a criação de produtos.

– O caimento das matérias, a força das modelagens essenciais e atemporais define um novo olhar, mais suave e delicado, indicando um tempo de contemplação.

– O mar, a superfície da Terra e o humano que transita por eles se conectam, criando novos modelos de exploração e cuidados, atentando para o futuro.

– Corrosão, aspectos enferrujados, graxos, pós-fóssil – é a ação do homem sobre a terra e a ação da natureza sobre o legado que o homem vai deixando.

– Resíduos inorgânicos e a ação da natureza sobre eles, inspiram texturas, acabamentos e formas.

Assim, vinculamos a ação do tempo sobre tudo o que toca o solo, as águas, com o movimento de reconexão com o ser humano e a própria natureza, resultando no Zen, em cores, formas e sentimento.

Conheça o Salão e viva essa experiência.

Inspiramais 2020_II

Data: 4 e 5 de junho de 2019

Local: Centro de Eventos Pro Magno

Endereço: Av. Profa. Ida Kolb, 513 – Jardim das Laranjeiras, São Paulo – SP

Informações e inscrições: www.inspiramais.com.br

Promoção – Inspiramais é promovido pela Associação Brasileira de Empresas de Componentes para Couro, Calçados e Artefatos (Assintecal), Associação Brasileira da Indústria Têxtil e de Confecção (Abit), Centro das Indústrias de Curtumes do Brasil (CICB) e Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex-Brasil). Tem patrocínio da Cipatex, Altero, Bertex, York, Advance Têxtil, SappiDinaco, Wolfstore, Caimi&Liason, Brisa, Intexco, Tecnoblu, Cofrag, Colorgraf, Endutex, Componarte, Branyl, Suntex, Sultextil e Aunde Brasil e conta com o apoio da ABEST, ABIACAV, Abicalçados, IBGM, Instituto By Brasil (IBB), In-Mod, ABVTEX, Ápice, Abimóvel e Guia JeansWearbyStyle WF e Francal.

 

 

Pesquisas relacionadas

, , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,