Arte & Literatura

Em tempos de Papa jesuíta, exposição no Museu de Arte Sacra SP faz retrospectiva do legado artístico da ordem no Brasil Colônia

Um rico panorama da arte usada para a catequese dos índios no país será exposto a partir de 08 de agosto

Publicado em 07/08/2014 | Por Alexandre Schnabl

*Por João Ker

É hora de viajar ao passado latino-americano com a nova exposição do Museu de Arte Sacra de São Paulo. Nesta próximo sexta (08/08) será lançada Ad Maiorem Dei Gloriam: 200 anos de restauração da Companhia de Jesus”, espécie de retrospectiva sobre o trabalho realizado pelos jesuítas durante o século XVI, quando eram ainda os primeiros católicos a pisarem nas terras indígenas do Brasil Colônia.

Para quem não se recorda dessa liçãozinha de história do ensino fundamental, a Companhia de Jesus foi criada por Inácio de Loyola em 1534 e tinha como missão salvar todas as almas pagãs de irem parar no purgatório, catequizando-as para que elas pudessem encontrar o bom e misericordioso Jesus Cristo. Crenças à parte, eram tempos em que ninguém nem sonhava com o politicamente correto e, claro, as grandes potências europeias partiam em corrida colonialista. A ideia era, como em um jogo de War, conquistar 24 territórios e a palavra de ordem era assimilar a cultura alheia, ou melhor, dominá-la e transformá-la à sua imagem e semelhança. Em outras palavras, foram os jesuítas que, dentre muitas outras coisas, reagruparam índios de tribos diferentes e lhes impuseram o catolicismo, sem a menor preocupação com suas próprias religiões. Mas, apesar disso, o período foi fecundo para as artes, inclusive no Brasil, e o valor artístico desse momento é inegável.

Esta mostra abrange os 200 anos desses tempos áureos, quando os católicos se descabelavam com o crescimento do protestantismo e os jesuítas eram peça fundamental nesse tabuleiro. E agora, quando um padre dessa ordem, o simpaticíssimo e carismático Francisco I, ocupa o trono de São Pedro no Vaticano, se torna peculiarmente interessante conferir este legado. Obras e imagens utilizadas durante a catequização dos índios estarão expostas no MAS-SP, com ênfase especial para toda a produção artística e cultural do período colonial. Além disso, esculturas representando o Santo Inácio de Loyola e uma tela de 1897 com a pintura de Padre Anchieta, concebida por Benedito Calixto de Jesus,  aparecem lado a lado com outros itens do acervo do Museu.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Fotos: Divulgação

Serviço:

Exposição: Ad Maiorem Dei Gloriam: 200 anos de restauração da Companhia de Jesus

Curadoria: Dalton Sala

Museografia: Maria Alice Milliet e Sílvia Bressiane

Abertura: 7 de agosto de 2014, quinta-feira, às 19h

Período: 8 de agosto a 14 de setembro de 2014

Local: Museu de Arte Sacra de São Paulo – www.museuartesacra.org.br

Avenida Tiradentes, 676 – Luz, São Paulo

Tel.: (11) 3326-3336 – visitas monitoradas

Horário: De terça a sexta-feira, das 9h às 17h, sábado e domingo das 10h às 18h

Pesquisas relacionadas