Cinema & TV

Felipe Rocha, o Reginaldo de “Lili A Ex”, estreia no cinema como protagonista ao lado de Leandra Leal: “A comédia abre o público para uma mensagem.”

O ator falou um pouco sobre a sua trajetória, críticas e ainda falou sobre a experiência de trabalhar com Drica Moraes.

Publicado em 31/03/2017 | Por Rodrigo Cohen

Felipe Rocha é um dos nomes que vai ser muito falado durante esse ano. Depois de atuar em produções como “Aline”, “Tapas e Beijos”, “Nise: O Coração da Loucura”, “Copa Hotel” e “Lili A Ex” (Talvez a que tenha dado mais reconhecimento a ele), o ator colhe os louros de primeiro protagonista nas telonas. Em “La Vingança”, Felipe dá vida a Caco, um homem traído por sua namorada no momento em que decide pedi-la em casamento. Com essa premissa, a comédia se desenha no caminho de Caco e seu melhor amigo, Vadão (Daniel Furlan) em busca de vingança.

“Para mim é especial ser o protagonista de um filme pela primeira vez. É uma novidade. O filme é diferente das outras comédias. Tem uma pegada popular, mas não é tão rasgado, é menos dado. Não é aquela comédia de piada pobre, sabe?”, ressaltou. O ator contou também do início do seu contato com o diretor Fernando Fraiha: “Eu estava em cartaz com uma peça, muitos anos atrás, e ele foi assistir. Duas amigas minhas atrizes comentaram que ele estava precisando de um ator e fizeram a ponte entre nós. Conversamos e ficamos em contato.”

Rocha credita ao seriado do GNT “Lili A Ex” o fato do seu trabalho ter sido mais reconhecido: “Na época em que fui chamado, estava fazendo ‘Lili A Ex’. Acho que foi por ali que as pessoas conheceram mais o meu trabalho, o próprio Fernado (Fraiha). Acho que foi o que ajudou os produtores a me chamarem para ler o papel e pensarem que ia ficar legal. É um protagonista na TV. Foi bem marcante para mim em um lugar que me trouxe visibilidade.”

Caco (Felipe Rocha) e Vadão (Daniel Furlan) em “La Vingança” Foto: Divulgação

Mesmo depois de voltar de Berlim com dois filmes participando do Festival Internacional de Cinema – “Como Nossos Pais”, de Laís Bodanzky, e “Pendular”, de Julia Murat – o ator acredita que, por enquanto, o maior marco na sua carreira está no teatro. “Acredito que o maior momento que me fez mudar as coisas do seu jeito que eu estava fazendo foi quando eu estava em cartaz com Henrique Dias. Mas não descarto que o próprio ‘La Vingança’ pode ser um divisor de águas na minha carreira. Tomara que as pessoas gostem. A gente fica sempre torcendo”, comentou Felipe.

O ator já trabalhou no teatro, na televisão e no cinema e não consegue escolher um favorito entre eles. “Eu gosto muito dos três. O teatro tem uma coisa muito viva de estar ali perto das pessoas e ver a reação delas. Já o cinema você tem como caprichar mais e de entrar na busca pelo take ideal. A televisão tem muita gente assistindo e uma reação muito ágil também. Não consigo escolher. Pra mim, o ideal é sempre tentar conciliar a agenda entre os três”, ressaltou Felipe, que afirmou que a opinião do público é essencial e estar sempre aberto a ouvir as críticas é parte central da profissão.

“Há pouco tempo estávamos fazendo uma peça no Sul. Ela era anti-homofobia e antimachismo. Nós fomos criticados justamente de ser machistas e homofóbicos. Foi muito legal, porque eles nos escreveram e nós os convidamos a voltar, fizemos um bate-papo, botamos a questão em discussão na mesa. Se alguma minoria se sente incomodada com o discurso que eu estou fazendo, eu tendo a achar que alguma coisa que estou fazendo está errada e busco modificar. Essa crítica que a gente recebeu fez a gente repensar o espetáculo e deixar mais claro o que era o nosso ponto de vista”, explicou Rocha.

Felipe Rocha em ‘La Vingança’ Foto: Divulgação

Falando sobre outros projetos, Felipe Rocha estará de volta à Rede Globo esse ano. “Tem um projeto que já está filmado chamado ‘Filhos da Pátria’. É uma série de época do Maurício Farias e fala um pouco do começo da corrupção no início da história do Brasil, se passa em 1820. Ele é um cara que eu gosto muito, tem um humor muito sofisticado. O elenco é muito legal também. Tem a Fernanda Torres, Alexandre Nero, Matheus Nachtergaele. Acho que vai ser muito legal. Estou muito animado”, confidenciou.

Ele ainda falou um pouco mais sobre o papel da comédia como lugar de crítica: “Eu escrevo para teatro também e acredito que a comédia tenha um papel muito importante. Não gosto da comédia que é só para dar risada e depois ir comer uma pizza. A comédia tem esse barato que o espectador baixa a guarda. Ela cativa. O público se abre para trocar, para o que você quiser conversar com ela. Uma boa comédia, claro, porque comédias ruins a gente acha chato e se fecha mais ainda”.

Na hora de falar sobre uma personalidade que admira, Felipe não poupou elogios para a atriz Drica Moraes: “Ela é um exemplo de quem transita muito bem no drama e na comédia. Ela é muito engraçada e muito potente no drama. É uma atriz que eu sou super fã. É muito bonito ver ela trabalhando. Eu gosto de como ela se coloca. A impressão de que dá é que ela sempre tira o verniz do personagem e eu vejo ali um ser humano”.

O longa metragem “La Vingança” estreou no dia 16 de março de 2017 e o elenco ainda conta com Leandra Leal, Aylin Pradi, Anita Pauls e Adrian Navarro. O roteiro é assinado por Thiago Dottori, Pedro Aguilera, Jiddu Pinheiro, Felipe Sant’Angelo e Fernando Fraiha e uma coprodução de Querosene Filmes, Paris Filmes, Zarlek Producciones, Biônica Filmes,Telecine e Globo Filmes.

Pesquisas relacionadas