ToliBlog

Em meio a beijos com Klebber Toledo, Mônica Iozzi prevê dificuldades para substituta no “Vídeo Show”: “Brasileiros não sabem lidar com mudanças”

"A vida é feita disso mesmo. Encontros, reencontros, despedidas. Mas nada impede que, no futuro, volte a fazer parte da minha vida”, disse Mônica sobre sua saída do vespertino global

Publicado em 14/02/2016 | Por Karina Kuperman

“Diz que eu falei que é carnaval”. Foi assim que Mônica Iozzi, emendando que “nem pensar” falaria de beijo, comentou os cliques em que aparece trocando carinhos com o galã global Klebber Toledo no Camarote da Boa na última segunda-feira (8). Mais cedo, durante o desfile das campeãs na madrugada deste domingo (14), o intérprete de Romeu de “Êta mundo bom” confessou: “Todo mundo só fala disso. A única coisa que digo é que ainda não sei. Ela está aí? Se formos falar dela, a Mônica é maravilhosa, linda, talentosa, vai fazer uma falta enorme no ‘Video Show’. Todo mundo vai sentir. Vamos aproveitar o carnaval um pouquinho, que está maravilhoso”, amenizou para, em menos de uma hora depois, encontrar com Mônica na frisa, tocar carinhos e, of course, mais beijos, como mostram os cliques que separamos.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Ah, e falando em “Vídeo Show”, a atriz e apresentadora, que deixou a bancada do programa nessa semana ao som da música “Encontros e despedidas”, de Milton Nascimento, disse que, independente de estar ou não presente fisicamente, sempre levará a atração no coração. “A vida é feita disso mesmo. Encontros, reencontros, despedidas. Mas nada impede que, no futuro, volte a fazer parte da minha vida”, disse antes de dizer que, sim, acha que a tarefa de substituta será difícil para a nova apresentadora. “Eu acho que, com certeza, vai entrar alguém que eles apostam muito, mas vai ser difícil. Não porque a pessoa não vai ser aceita pela qualidade do trabalho, mas porque os brasileiros não sabem lidar com mudanças. Quando eu entrei no ‘CQC’, por exemplo, fui rechaçada. Independente de o programa ter dado certo ou não, as pessoas parecem que não estão muito acostumadas com mudanças”, analisou.

Pesquisas relacionadas