Música & Badalo

Minas Trend: “Música e moda são pura inovação e mesclam alegria e conhecimento”, diz Flávio Venturini

Norteada pelo tema "Tecendo futuros", a semana de moda e o maior Salão de Negócios da América Latina, promovidos pela Fiemg, ratificam a proposta de serem vetores das mais diversas formas culturais e recebem o projeto "Os clássicos estão na moda" com a Orquestra de Câmara Sesiminas convidando o músico Flávio Venturini e o grupo DoContra. O show “Paraíso”, que virou álbum, faz uma releitura das composições do músico, com arranjos inéditos e surpreendentes em um espetáculo acústico orquestrado

Publicado em 27/10/2019 | Por Heloisa Tolipan

‘Os clássicos estão na moda’: Orquestra de Câmara SESIMINAS convida o compositor Flávio Venturini e o grupo de contrabaixos DoContra (Foto: Viviane Martinelli)

Uma grande sinergia de todas as manifestações artísticas. Essa é uma das chancelas do Minas Trend, semana de moda e maior Salão de Negócios da América Latina, realizados pela Federação das Indústrias de Minas Gerais (Fiemg), no Expominas, em Belo Horizonte. E o projeto ‘Os Clássicos estão na Moda’ propiciou momentos emocionantes integrando o público aos universos da moda + arte = cultural. Depois de apresentações de danças contemporâneas e sessões de cinema para crianças de escolas públicas ao longo da semana, o encerramento com chave de ouro da agenda de atividades elaborada com pura sensibilidade se deu com a Orquestra de Câmara SESIMINAS convidando um dos ícones da música mineira, o cantor e compositor Flávio Venturini, e o grupo DoContra formado por sete contrabaixistas.

Leia também – Minas Trend: Projeto “Os clássicos estão na moda” é plataforma de acesso aos variados tipos de expressão artística”

Plateia lotada no show “Paraíso”, releitura das composições de Flávio Venturini com arranjos inéditos em um espetáculo acústico orquestrado (Foto: Viviane Martinelli)

Conversamos com exclusividade com Flávio Venturini momentos antes de ele subir ao palco. “Eu sempre acompanhei o Minas Trend. A moda é um assunto que eu me interesso muito pela importância cultural e econômica. Música e moda são duas áreas sempre inovadoras, que mesclam alegria, beleza e conhecimentos. Essa noite de hoje com a Orquestra SESIMINAS e o grupo Do Contra é extremamente emblemática. Em julho, lancei o CD “Paraíso” com 14 músicas, as mais representativas e um arranjo inédito, e com o grupo DoContra. E realizo o sonho de todo cantor e compositor de ser acompanhado por uma orquestra e por um time de sete contrabaixistas de alto nível”, pontuou.

Leia também – Minas Trend: “Espetáculo ‘Trama’ e o transcendente e contagiante caminho da alegria neste país”, diz Rui Moreira

Aos 70 anos e 45 de carreira, Flávio Venturini lançou recentemente o álbum ‘Paraíso’ (Foto: Viviane Martinelli)

Foi maravilhoso acompanhar a conclusão do projeto “Os clássicos estão na moda”. E volto a frisar que promoveu os mais lindos sentimentos ligados às nossas memórias afetivas e permeando o hoje e o amanhã high tech, porque somos pura emoção. Se a 25ª edição do Minas Trend propôs um olhar sobre o setor têxtil em simbiose com toda a plataforma criativa mineira e de Norte a Sul do país, ele foi plural e em simbiose com as mais plurais formas de arte. Tocando o coração de cada profissional e público que embarcou nesse mergulho de união do brindar a todos com música, performances e o pulsar das artes.

O espetáculo de Venturini com Orquestra de Câmara SESIMINAS e grupo DoContra reuniu mais de 1.200 pessoas que se encantaram com sucessos como a junção do tango Adiós nonino (Astor Piazzolla, 1959) com a canção Besame (Flávio Venturini e Murilo Antunes, 1988), ‘Nascente’  (Flávio Venturini e Murilo Antunes, 1977), Todo azul do mar (Flávio Venturini e Ronaldo Bastos, 1983), ‘Espanhola’ (Flávio Venturini e Guarabyra)Planeta sonho (Flávio Venturini, Vermelho e Márcio Borges, 1980), entre outras pérolas, incluindo, claro, “Paraíso“. Foi de tocar o coração de cada um que estava ali. Seja na plateia ou no backstage.

Este slideshow necessita de JavaScript.

A Orquestra de Câmara SESIMINAS completa o seu 33º aniversário de ininterrupta atividade. No palco, foi belíssima a atuação ao convidar o músico Flávio Venturini e o grupo DoContra para embalar a noite com um repertório repleto de sucessos em homenagem à Música Popular Brasileira. O músico lançou em julho o álbum “Paraíso”, uma releitura das composições de Flávio Venturini acompanhado pelo grupo DoContra, que se consolidou no cenário artístico mineiro graças ao incansável trabalho de seu mentor, o músico Neto Bellotto. Constituído por sete contrabaixistas, todos da mais alta qualidade, o grupo vem desenvolvendo um excelente e eclético repertório, incorporando também novidades cênicas em suas apresentações. Integram o conjunto, além do seu fundador, os profissionais Rossini ParucciValdir LaudinoPablo GuinezThiago HenriqueBrian Fountain e Walace Mariano.

“Estou muito feliz em participar desta edição do projeto “Os clássicos estão na moda” no Minas Trend, porque moda e música têm tudo a ver. São duas expressões artísticas que andam sempre juntas. Além disso, minhas músicas se relacionam bem com o tema do evento que é ‘Tecendo o Futuro’, visando discutir caminhos e promover reflexões sobre um amanhã melhor e sustentável”, destacou Flávio Venturini, acrescentando: “O Neto Bellotto me ajudou na escolha do repertório. Ficamos pensando em músicas que teriam uma vestimenta bonita com o acompanhamento da orquestra”.

A noite foi marcada por homenagens. Murilo Antunes, parceiro de Flávio Venturini há décadas em músicas, foi convidado ao palco para ler o poema ‘Musa Música‘, em 12 pequenos versos, mas também surpreendeu o cantor com outro poema especialmente escrito para celebrar o músico. A apresentação contou ainda com uma participação especial do coro Madrigale, grupo belorizontino de cantores, cujo repertório “é o resultado eclético de uma seleção de obras que valorizam o aprimoramento vocal de conjunto e que têm potência para sensibilizar e aproximar o público desta prática musical”. Há 26 anos em atividade e dirigidos pelo maestro Arnon Oliveira, o coro tem o mesmo objetivo: “emocionar”.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Flávio Venturini é um dos nomes que marcaram o movimento “Clube da Esquina”, de Minas Gerais e sempre foi considerado super versátil por transitar em diversos estilos musicais. Recentemente, ele lançou o EP ‘Cais de Belém’ que está com números bem expressivos nas plataformas de streaming. “Estou surpreso como ela está indo bem na internet. É uma música bem cult, tem muito instrumental e fico muito feliz. Hoje em dia mudou muito a maneira de lançar música, mas eu estou gostando, porque você vai esquentando o público para o disco. Precisar ser rápido, porque o público anseia por mais novidades. Então, eu tenho uma equipe que me ajuda muito nessa interação com as redes sociais e com as plataformas digitais”, revelou.

Sobre “Tecendo Futuros“, tema da semana de moda e maior Salão de Negócios da América Latina, que propõe pensar o futuro, destacando o setor têxtil, fazendo do algodão o fio condutor das histórias a serem contadas sobre perspectivas para a moda aliado à sustentabilidade, o músico acha de suma importância essa consciência, esse alerta aos meios de produção. “A indústria fonográfica, por exemplo, é um mercado limpo. Em minhas músicas sempre tive a preocupação em abordar temas como o meio ambiente, porque adoro e amo a natureza. Sempre morei no mato, no campo, desde que saí de Belo Horizonte e fui para São Paulo. Fui morar em um sítio, fui macrobiótico, gosto de ecologia, do contato com o meio ambiente… Isso foi nos anos 70”, lembrou.

E Venturini revelou que os mineiros têm uma sensibilidade grande para as questões ambientais exaltadas em músicas, vide seus parceiros Beto Guedes, Lo Borges e Milton Nascimento. “As letras dos meus parceiros sempre foram muito ligadas à natureza e, hoje em dia, esse alerta se torna mais sério, porque estamos vivendo os efeitos na pele dos agrotóxicos, das queimadas, do vazamento de óleo. Precisamos cuidar da Terra para que as novas gerações tenham um planeta mais limpo. Uma grande discussão, porque os países precisam aceitar as novas leis ambientais. Esse grito de alertar está ecoando pelo mundo, mas ainda caminha de maneira lenta”.

* O projeto “Os Clássicos estão na moda” é realizado com recursos da Lei Federal de Incentivo à Cultura, por intermédio do patrocínio da CEMIG.

Pesquisas relacionadas

, , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,