Música & Badalo

Luísa Sonza fala sobre música escrita por Aguinaldo Silva, casamento com Whindersson Nunes e empoderamento: “Nasci feminista”

Durante o evento de lançamento da coleção Verão 2019 da New Beach, no Rio, a cantora relembrou o início da carreira e contou tudo o que precisou enfrentar para chegar onde está hoje. Ela ainda comentou sobre a oportunidade de interpretar uma canção de Aguinaldo Silva: “É um momento que não consigo expressar em palavras o que sinto, a felicidade que tenho e a gratidão que cultivo por ele. Foi muita luta e receber este reconhecimento me deixa honrada”

Publicado em 20/09/2018 | Por Ana Clara Xavier

A menina que fazia sucesso com covers da internet cresceu. A garota que apertava o play da câmera do celular para mostrar o seu talento com um violão nas mãos se tornou uma mulher. Luísa Sonza se transformou em tudo o que um dia sonhou em ser. Com uma carreira de sucesso antes dos 20, a youtuber já é um sucesso no cenário da música brasileira e está fazendo história com canções que acumulam mais de 77 milhões de visualizações na plataforma digital. Tendo entrado para o mundo do show business com 7 anos, a cantora ratificou o seu potencial ao ser convidada para interpretar uma música escrita pelo consagrado autor de novelas da Globo, Aguinaldo Silva. “Quem está perto sabe o quanto tive que trabalhar e lutar para tudo começar a acontecer. Fico muito feliz em ver que tudo deu certo. Foi difícil. Tive muitas pedras no caminho, porém sinto que só estou começando. Ainda tem muita estrada e vou lutar para que os meus sonhos se tornem uma realidade”, comentou Luísa durante o lançamento no Rio da nova coleção da New Beach, marca poderosa de beachwear, que tem à frente Edson Recco. Em papo exclusivo com o site HT, ela falou sobre a mudança de seu estilo musical, feminismo, ações sociais, preconceito e o marido, Whindersson Nunes, um dos maiores influenciadores digitais.

Leia: New Beach lança, No Rio De Janeiro, coleção verão 2019 com linha assinada por Giovanna Ewbank 

Este slideshow necessita de JavaScript.

Fazer parte da trilha sonora de uma novela é um presente, mas se convidada para integrar o projeto e ainda por cima com uma canção escrita pelo próprio autor da trama é uma vitória que Luísa Sonza já conquistou com apenas 20 anos. O escritor Aguinaldo Silva escreveu uma música especialmente para a sua nova novela, O Sétimo Guardião, e acabou escolhendo a influenciadora para interpretar. “Fiquei emocionada. Com certeza foi um marco na minha carreira. É um momento que não consigo descrever. A felicidade que tenho e a gratidão que cultivo por ele é imensurável. Foi muita luta. E receber este reconhecimento me deixa honrada”, garantiu Luísa. A canção, intitulada Quem Disse, já está gravada e vai ser lançada no começo de outubro nas plataformas digitais e streaming.

Com um ritmo mais voltado para o funk, Quem Disse conta com uma letra poética, de acordo com Luísa, e um discurso empoderado sobre o cenário atual. “Fala de tudo um pouco. Questiona a nossa sociedade. Tem versos sobre o feminismo, mas também sobre homofobia, machismo e todas as situações que vivemos atualmente misturadas em uma só canção. Tem muito a ver com a novela e representa um pouco da trama”, adiantou. O sucesso já é garantido.

Luísa Sonza colhendo os louros da fama (Foto: Diego Padilha)

Luísa Sonza colhendo os louros da fama (Foto: Diego Padilha)

A canção para a novela não foi a única parceria que Luísa já cultivou. A cantora já teve a possibilidade de dividir o palco com Anitta e Luan Santana. Mesmo mostrando o seu potencial diariamente com empreitadas de sucesso, ainda existem muitas especulações nas redes sociais e críticas quanto ao seu talento. O argumento de alguns haters é que ela só teria alcançado esta fama devido ao seu relacionamento com o youtuber Whindersson Nunes, o maior humorista da plataforma online do país. De acordo com a cantora é um processo de desconstrução diária. “O meu talento se prova sozinho a cada dia, à medida que vou conquistando novos espaços. Aguinaldo Silva não iria me convidar para fazer parte da trilha sonora da novela por causa de outra pessoa. Ainda me considero uma artista em processo e quero mostrar muito mais”, garantiu.

Se a situação fosse ao contrário e Luísa tivesse mais seguidores que o seu atual marido, a cantora garantiu que a situação seria bem diferente. Para ela, estes julgamentos são frutos de muito machismo. “Acho que poderia existir esta especulação, mas com certeza não seria com a mesma intensidade. Não acontece só comigo, mas com a grande maioria das pessoas. Mas estamos aqui para provar o contrário. Temos voz e nosso discurso precisa ser ouvido. As pessoas acham que as mulheres, quando casam, não têm mais passado, mais luta e é só a mulher de alguém. Perdemos até o nome. Isto é muito sério. Nunca vou tirar o meu sobrenome, nunca serei outra pessoa. Sou Luísa Gerloff Sonza”, enfatizou.

Luísa Sonza vai cantar uma música escrita pelo autor Aguinaldo Silva que vai entrar para a trilha sonora de O Sétimo Guardião(Foto: Diego Padilha)

Recentemente, a cantora tem falado muito nas suas redes sociais sobre empoderamento feminino e, por isto, acabou se tornando uma voz da causa feminista. De acordo com ela, esta reação é totalmente proposital. “Ser uma voz para muitas mulheres me deixa feliz. Quero, cada vez mais, ajudar a sociedade neste sentido. Por ter tantos seguidores, o mínimo que posso fazer pelo mundo é tentar passar uma mensagem de amor, respeito e solidariedade. Vou contribuir com o que puder ao longo da minha carreira”, comentou. A cantora ainda garantiu que se limita à publicações no Instagram. Ela lembrou que participa de projetos sociais que ajudam crianças carentes. “Quero ajudar seja com palavras, atitudes e até financeiramente”, garantiu.

Luísa Sonza não gosta de definir o seu estilo musical por acreditar que isto pode limitar o artista (Foto: Diego Padilha)

Apesar de ter passado a compartilhar mais a sua visão política recentemente, ela garantiu que o movimento feminista não é uma novidade na sua vida. De acordo com a cantora, foi uma visão de mundo que sempre teve. “Nasci feminista. Todas as mulheres, de certa forma, querem ser sem saber. Todas nós queremos igualdade e sermos ouvidas. O Brasil é um dos países com maior taxa de feminicídio no mundo inteiro.Desde pequena, sempre me questionei muito sobre os assuntos da sociedade, como as coisas eram ou deveriam ser vistas. Cheguei à conclusão de que as pessoas precisam parar de julgar os outros e ter respeito. Estamos falando de igualdade. Temos que parar de criticar pela aparência, roupa, entre outros pontos. Enfrentei muita dificuldade assim como as mulheres da minha família e não quero que as minhas amigas e os meus filhos, caso tenha, passem por isto. Não quero mais viver assim”, frisou.

Desde sempre, Luísa Sonza foi alvo de comentários na internet e com a ascensão de sua carreira estas ‘opiniões’ apenas aumentaram. Seja pela mudança de seu estilo musical ou pelo relacionamento com Whindersson, tudo é motivo. Isto porque muita gente não se preocupa em saber toda caminhada que ela percorreu até alcançar o sucesso atual.  “Não comecei no YouTube, na verdade já são 13 anos cantando. Nunca fiz aula de canto, mas participava de festivais. Comecei muito cedo. Em um destes eventos, um jurado dono de uma banda me chamou para fazer um teste e eu entrei para este conjunto com apenas 7 anos.  Foi uma experiência que poucos têm. Tive a possibilidade de subir ao palco, passar por perrengues e precisei me desdobrar muitas vezes. Deus me colocou lá para eu conseguir enfrentar os problemas com maior propriedade. Foram 10 anos tocando, conhecendo e aprimorando”, relembrou. O conjunto era formado por vários adultos e ela tocava em casamentos, festa, feiras e em diversos locais inusitados. “Cantei até em velório já. Com certeza foi o lugar mais estranho, no qual me apresentei”, lembrou. Ela manteve o seu canal do YouTube em paralelo com este grupo musical, mas acabou saindo com 17 anos para apostar na sua carreira solo.

Por tocar em lugares tão variados ao longo de 10 anos de profissão, Luísa Sonza nunca teve a oportunidade de descobrir o seu próprio estilo e selecionar um line-up recheado de canções que gostava. Afinal, só podia cantar aquilo que mandavam. O YouTube era o onde tinha uma liberdade maior de criação, mas o universo de criação era muito raso. Afinal, o único instrumento que tinha era o violão, por isto se limitava aos covers de canções que curtia. “Gravava com a câmera do meu celular e tinha apenas a minha voz. Automaticamente, precisei escolher canções mais calmas, porque não tinha uma produção”, lembrou. Exatamente por isto, ao se ver afastada do conjunto musical que fez parte, ela precisou olhar mais para si mesma e entender o que gostaria de mostrar para o mundo. “Mudei muito nestes últimos três anos. Acho que foi o período que saí da criança e adolescente para me tornar uma menina mulher. Acredito que esta época foi quando mais cresci e amadureci como artista. Sinto que me encontrei, porque passei a fazer aquilo que queria. Fui me encontrando e tudo foi dando certo”, garantiu.

 

Pesquisas relacionadas