Música & Badalo

RapJazz: Baco Exu du Blues é o convidado de Leo Gandelman em Hip Hop Machine

O cantor baiano, expoente do rap nacional, apresentou versões de quatro sucesso dos álbuns Bluesman e Esú, na websérie que traz Karol Conka, 1Kilo, Haikaiss, 3030, BK, Luccas Carlos, Gabz, Delacruz e BNegão

Publicado em 18/06/2019 | Por Heloisa Tolipan

Leo Gandelman convida Baco Exu du Blues para o sexto episódio da websérie Hip Hop Machine

*Por Rafael Moura

Leo Gandelman é um artista múltiplo, compositor e arranjador. O instrumentista versátil que vai do pop à música clássica com a mesma desenvoltura. Baco Exu du Blues é um dos nomes mais promissores do rap nacional. Esses dois talentos se encontraram no sexto episódio de Hip Hop Machine, um projeto idealizado por Gandelman, que une os estilos musicais trazendo um freestyle cheio de personalidade que está disponível em todas as plataformas digitais e no YouTube. O sexto episódio da série apresenta Baco interpretando os sucessos ‘Flamingos’, ‘Minotauro de Borges’, ‘BB King’ (do álbum Bluesman, 2018) e a ‘A Pele Que Hábito’ (Esú, 2017).

Segundo Leo, a ideia do projeto surgiu após assistir o documentário ‘Quincy’, sobre a vida do cantor e produtor Quincy Jones. “Um estilo é feito para o outro e forma um encontro sensacional. A ideia dessa mistura já vem sendo desenvolvida nos Estados Unidos e outros países há algum tempo. Na década de 90 teve seu auge, mas logo depois foi esquecida. Com o avanço do Hip hop, que é hoje um dos ritmos mais ouvidos em todo o mundo, a prática voltou”, conta Leo Gandelman, que assina a direção artística do projeto, ao lado de Bruno Costa.

O cantor baiano Baco Exu Du Blues é o sexto convidado da série Hip Hop Machine

Baco comenta que “a arte me salvou de várias maneiras, desde crise financeira até saúde mental. A arte me fez entender o que se passava comigo, porque quando componho é como se estivesse no divã conversando com outra pessoa. E tem uma hora que você passa tanto tempo se olhando e remexendo as feridas que vai se conhecendo. Demorou muito tempo para eu entender que estava falando comigo mesmo. Existe um receio de admitir as coisas ruins que você tem dentro de você, mas, quando você chega nesse momento e abraça os seus defeitos, entende que é um ser humano que erra e acerta”.

Em ‘Hip Hop Machine’, cada artista, faz novas interpretações de quatro canções autorais, captadas por uma câmera em movimento, transportando o público para dentro do estúdio onde os encontros musicais acontecem. Segundo Leo, “o improviso é o maior legado da música americana. Jazzistas como Charlie Parker e John Coltrane trouxeram a atitude para o ritmo o que significava criar o que está dizendo ao mesmo tempo que está fazendo. O improviso transcendeu o jazz e chegou ao Rap” e completa. “Fiquei tão feliz com o resultado que já estamos pensando numa segunda temporada”, conclui o saxofonista.

Baco Exu do Blues, Karol Conka, 1Kilo, Haikaiss, 3030, BK, Luccas Carlos, Gabz, Delacruz e BNegão formam o time de primeira grandeza do Rap brasileiro no projeto Hip Hop Machine, sob o comando do saxofonista Leo Gandelman. Com um EP acompanhado de quatro vídeos lançados por semana nos aplicativos de música, a série distribuída pela Milk em parceria com a Altafonte une o Jazz ao Rap em versões bastante inspiradas. O site HT acredita e apoia essas novas iniciativas de conteúdo.

Leia aqui – A segunda temporada da websérie Lá Dó Si Lar é marcada por diversidade e novas sonoridades com a presença de Simone Mazzer, Alberto Salgado e muito mais

Leia aqui – “Precisamos de educação e cultura e que abordem o quanto a humanidade é plural”, diz Assucena Assucena

Pesquisas relacionadas