Moda & Beleza

Vitória Moda Ano 10 #Day1: o resgate da feminilidade equilibra bons exercícios de modelagem e estamparia no primeiro dia da fashion week capixaba

A primeira noite de desfiles do maior evento de moda do Espírito Santo trouxe a apresentação de trabalhos dos alunos da rede Senai Cetiqt, além das novas coleções de seis marcas capixabas, entre estreantes e veteranas como Samira San, Doce Color, Look Belle, Adriana Candido, Morena Tropical, Chris Trajano e Amabilis

Publicado em 12/07/2017 | Por Heloisa Tolipan

*Com Dudu Altoé

O maior evento de moda do Espírito Santo deu o start à sua edição de aniversário. Comemorando dez anos em 2017, o Vitória Moda segue consagrando o design capixaba em meio a um Espaço Business e um Salão de Ofícios da Moda. E como não poderia deixar de ser, muitos desfiles, desta vez no formato see-now-buy-now, o desfila-compra. Pois a primeira noite deles trouxe pelo segundo ano consecutivo uma apresentação de alunos do Senai Cetiqt nacional, por sinal muito elogiada pelo público. Marcas locais já conhecidas, como Amabilis e Chris Trajano, mostraram coleções robustas, repletas de identidade, enquanto outras iniciantes como Morena Tropical, Look Belle, Doce Color, Adriana Candido e Samira San mostraram uma moda bem feita. Sob o tema “A História do Jeans”, o evento segue com uma programação de desfiles e workshops, além de um salão de negócios.

SENAI CETIQT

Assim como na edição anterior, em 2016, alunos do sistema Senai Cetiqt, finalistas do projeto Senai Fashion Brasil, foram convidados a apresentar micro coleções em um desfile coletivo. Abrindo os trabalhos da primeira noite de Vitória Moda Ano 10, uma turma de doze nomes dos mais diferentes cantos do Brasil, selecionada a dedo. Foram eles Bruno Cardozo da Silva, Roberto Pereira Junior e Gabriel Ferreira da Costa, do Rio de Janeiro; Johnson Cavalcante, de São Paulo; Isis Santos de Oliveira e Thiago Araujo e Silva, de Belo Horizonte; Caroline Novak Contador e Maria Fernanda D’Anzicourt, de Curitiba; Elda Luiz Ribeiro, de Goiânia; Hyago de Oliveira e Lucas de Paiva, de Fortaleza; e Pétala Rodrigues Soares, de João Pessoa. A partir de um meticuloso trabalho de modelagem, o grupo fez bonito, encantando uma platéia lotada, composta por imprensa, influenciadores digitais, empresariado e entusiastas da moda em geral. Um verdadeiro retrato da nova geração de designers de moda, esta que carrega em seu DNA uma forte carga de brasilidade.

Este slideshow necessita de JavaScript.

SAMIRA SAN

Seguindo com o primeiro bloco de desfiles desta terça-feira, o Vitória Moda recebeu a coleção “Caminhos Para o Mar”, assinada pela designer Samira San para sua marca homônima, e com a qual buscou traduzir o universo da vida “al mare” a partir de uma silhueta essencialmente fluida, como as águas do mar. “Fiz uma viagem para Salvador, na qual pincei elementos como as paisagens do litoral, com a brisa do mar e os coqueiros. Busquei encontrar nas praias da Bahia toda a beleza e a sofisticação de uma mulher que busca algo mais além de uma simples saída de praia”, explica. E foi exatamente o que vimos. A liberdade de movimentos pautou vestidos longos, de uma fluidez calculada, enquanto calças pantacourt e tops cropped imprimiram um charme sofisticado ao mix. A estampas exclusivas privilegiaram o que a marca chamou de “green coconut trees” para uma cartela de cores capitaneada pelo off-white. Uma moda fácil, perfeita para quem vai encarar a rotina dos beach clubs.

Este slideshow necessita de JavaScript.

DOCE COLOR

A Doce Color propõe uma viagem romântica até os campos floridos da região de Grasse, berço da perfumaria, na França, para assinar sua coleção batizada “Essência”. “A flor é sensível e delicada, o que nos inspirou a trabalhar tecidos mais leves e com bastante fluidez”, comenta a estilista Cristiane Paiva. Leveza, pois, é a palavra-chave da coleção, e traduz bem a sensação de liberdade que as peças carregam. Para tanto, os tecidos eleitos foram a malha fluit, de caimento sutil, e o crepe, com sua leveza e transparência.  A feminilidade da estamparia primaveril aquarelada, uma tendência para a próxima estação, recebe as cores exuberantes que fazem parte da assinatura da grife. Funcionam, inclusive, como um ponto comum entre as muitas peças de silhueta ladylike, trabalhadas com babados que simulam as pétalas das flores.

Este slideshow necessita de JavaScript.

LOOK BELLE

Para encerrar o primeiro bloco de desfiles da noite de terça-feira, a primeira de Vitória Moda Ano 10, a marca Look Belle apresentou sua coleção de primavera-verão, sob o título “Florescer”. A estilista e proprietária da marca, Edneia Broedel, propôs uma fuga do caos urbano para a atmosfera bucólica dos campos verdes e floridos do interior do Estado. “Estamos vivendo tempos muito corridos, agitados, e esta euforia toda me fez pensar nas pessoas que procuram fugir disso tudo. Busquei então inspiração no campo, no interior do Espírito Santo, em todos os refúgios que nos permitem apreciar a natureza”, justifica. A estamparia floral cuidadosa lembrou pinturas em tinta aquarela, como as que ocupam os jogos de chá ingleses. Para tanto, a cartela de cores apostou em tons primaveris de harmonia suave, como rosa, o azul hortênsia, e o amarelo e o verde, cores tais que mais pareciam exalar o perfume de um jardim no auge da primavera. A silhueta, ultra feminina, permeou vestidos e looks compostos por saias e blusas elegantes que mais pareciam saídos de uma garden party. Sem dúvida, a marca segue sua cartilha à risca, de produzir uma moda que propõe a elegância retrô dos cocktail dresses para a mulher contemporânea que busca se reencontrar com sua essência.

Este slideshow necessita de JavaScript.

ADRIANA CANDIDO

O segundo bloco de desfiles da noite de abertura do Vitória Moda Ano 10 recebe a volta de Adriana Cândido, esta que após criar sua marca em 2008 afastou-se do design para trabalhar em outras área do setor. E após esse hiato, a estilista faz seu retorno triunfal ao mundo da moda, na passarela do evento. “É com muito prazer que volto para o mercado, com a minha marca, dando prioridade para a modelagem e para o acabamento. Agora com uma silhueta mais próximo do corpo, para uma mulher mais feminina, mais atual”, reforça. E, pelo que vimos, Candido entende, sim, de modelagem. A coleção “Entrelace” tomou como ponto de partida a Obra Mole (1964), da artista brasileira Lygia Clark, dando origem a cortes assimétricos e geométricos, obedecendo a um exercício de forma, cor e estampa. “Tudo foi se desdobrando em entrelaçamentos, espaços sem avesso ou direito, frente ou verso”, explica a designer, que propôs ainda uma mistura fina de materiais para conseguir novas texturas, a partir de crepes, algodões, e neoprene. As estampas foram desenvolvidas com exclusividade para a marca. Os tons de preto, nude, terra, e azul foram os escolhidos para essa coleção. Destaque para os acessórios usados no desfile. As “Esculturas para Vestir criadas em conjunto pela designer de joias Ivana Izoton e o escultor Janio Leonardelli completaram o mood da coleção, entre colares, gargantilhas e braceletes.

Este slideshow necessita de JavaScript.

MORENA TROPICAL

Sob o tema “A Metamorfose da Mulher”, a marca Morena Tropical buscou elementos do universo das borboletas para criar sua coleção. A estilista Elisangela Dias apoiou sua pesquisa nos desenhos orgânicos presentes nas asas do inseto, de forma a traduzi-los em um elogiado exercício de modelagem. “Estamos trabalhando com peças bem estruturadas. Focamos na modelagem para entregar roupas que deixem a mulher feminina”, comenta. A construção das peças foi orientada, pois, em recortes estratégicos, estes que a todo momento fizeram referência ao tema. A cartela de cores, por sua vez, também conversa com este universo, com tons pastel, suaves. A estrutura proposta foi possível pela escolha dos tecidos planos, como linho e crepes comuns na alfaiataria, além da seda, pensada para as saias, para permitir a fluidez do movimento do bater de asas da borboleta. Uma coleção lúdica para maiores. Destaque ainda para as modelos plus size que permearam todo o desfile, provando que o corte defendido pela marca capixaba pode, sim, valorizar todos os tipos de corpos.

Este slideshow necessita de JavaScript.

CHRIS TRAJANO

Fechando o segundo bloco de desfiles desta terça-feira temos a apresentação da estilista Chris Trajano, que buscou inspiração no México para sua coleção “Flores no Deserto”. Trajano conta que foi além da imagem folclórica do país de Frida Kahlo para formatar uma coleção de essência romântica, pautada por uma silhueta construída em cima das curvas feminina. “Eu queria um México dramático e elegante, sinônimo das tonalidades sóbrias do deserto. A gente confunde muito a elegância da mulher mexicana com algo exuberante, e eu quis justamente propor algo que vai mais além”, explica a designer. A escolha de materiais obedeceu ao DNA geométrico de Chris Trajano, elegendo tecidos nobres como a seda e a musselina para uma modelagem encorpada, sem entretanto impedir a liberdade de movimentos. A própria renda, tão presente neste universo latino, foi usada de forma diferente, nada convencional. Destaque para os babados, elemento que imprimiu o tom dramático desejado à coleção ao ser trabalhado com fartura no mix de peças, sem, contudo, deixar um aspecto caricato, exagerado.

Este slideshow necessita de JavaScript.

AMABILIS

Veterana do Vitória Moda, a marca Amabilis desfilou em 9 das 10 edições. Praticamente um patrimônio da semana de moda do Espírito Santo. Pois a dupla Luis Guidoni e Robson Santos, como não poderia deixar de ser, seguiu a sua cartilha afiada à risca para lançar este ano a sua linha Amabilis Easy, voltada para o dia a dia versátil da mulher contemporânea. “A gente acredita em uma mulher que precisa estar bem vestida, com peças de design, porém práticas, fáceis de lavar e secar, e que dispensem passadoria. Uma roupa que ela pode levar para qualquer lugar, para qualquer viagem, e terá uma vida mais fácil”, explica Luis Guidoni. Exemplo de DNA forte – e que não decepciona! -, a marca apresentou um belíssimo exercício de modelagem em uma malharia elaborada, apoiando-se em sua já conhecida alfaiataria de caimento excepcional para entregar muitas peças-desejo, com fendas, amarrações e uma sensualidade despretensiosa. Uma espécie de loungewear sofisticado, que valoriza a silhueta feminina da numeração 36 ao 46 com a mesma elegância despojada. Esta receita da dupla de estilistas é a mesma que inclusive garantiu a presença da Amabilis na passarela do SPFWN41, em abril de 2016, quando a marca venceu o Projeto Top 5 do Sebrae, sendo, pois, convidada a se apresentar no maior evento de moda do Brasil. Um luxo!

Este slideshow necessita de JavaScript.

 

 

 

Pesquisas relacionadas

, , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,