Moda & Beleza

SENAI CETIQT: Fashion Lab, primeiro laboratório do país high tech para experimentação tecnológica no setor da moda

O espaço será inaugurado dia 18, na Unidade Riachuelo. A ideia é que o Fashion Lab seja utilizado por todos os elos da cadeia têxtil e de confecção. São 400m² de área, destinada à criatividade e inovação. No espaço, haverá impressoras 3D e 4D multimateriais, cortadora a laser, cortadora de vinil, fresadora de alta precisão, máquina de costura de ultrassom, plotter da Audaces; além de outros recursos para planejar, desenvolver, construir e validar novos projetos e produtos

Publicado em 07/12/2018 | Por Heloisa Tolipan

Como nós sempre frisamos aqui, no site HT, o SENAI CETIQT é muito mais do que uma unidade escola. Possui três pilares de negócio: Tecnologia, com a parte de consultoria e ensaios laboratoriais; Inovação, com desenvolvimento de pesquisa, e, claro, a educação que trabalha diretamente com os alunos de graduação, pós e cursos técnicos inovadores. E a concretização de mais um sonho se torna realidade com o Fashion Lab, que será inaugurado, no dia 18, às 15h, na Unidade Riachuelo, no Rio de Janeiro. O espaço é destinado à experimentação de produtos e serviços no segmento têxtil e confecção, baseado nos conceitos de laboratório aberto e de maker spaces. A ideia é disseminar a tecnologia inovadora e sustentável nos processos relacionados ao desenvolvimento de produto, modelagem, fabricação aditiva e experiência de consumo. Um espaço aberto e colaborativo para a realização de experimentos que utilizem tecnologias inovadoras destinadas à indústria da moda.

Quando estava na reta final para a implantação do projeto, o diretor-executivo do SENAI CETIQT, Sérgio Motta, já nos falava sobre o Fashion Lab como um ambiente de co-working no qual alunos, consultores e pesquisadores trabalharão em consonância para a resolução de questões apresentados por empresas do segmento: “O que você puder pensar de mais moderno e de alta tecnologia voltada para o desenvolvimento da moda iremos transformar em algo tangível para os nossos estudantes”, comentou à época. E dito e feito: os profissionais e aprendizes terão à disposição novos materiais high tech, tecidos inteligentes e máquinas de costura de ultima geração.

O ambiente terá também um espaço de co-working, onde profissionais, empresas e estudantes do SENAI CETIQT (ativos e egressos) poderão trocar experiências e até mesmo encubarem uma ideia, seja para o desenvolvimento de soluções, novos produtos, ou estratégias de sustentabilidade

O ambiente terá também um espaço de co-working, onde profissionais, empresas e estudantes do SENAI CETIQT (ativos e egressos) poderão trocar experiências e até mesmo encubarem uma ideia, seja para o desenvolvimento de soluções, novos produtos, ou estratégias de sustentabilidade

A ideia é que o Fashion Lab seja utilizado por todos os elos da cadeia têxtil e de confecção. São 400m² de área, destinada à criatividade e inovação. No espaço, haverá impressoras 3D e 4D multimateriais, cortadora a laser, cortadora de vinil, fresadora de alta precisão, máquina de costura de ultrassom, plotter da Audaces; além de outros recursos para planejar, desenvolver, construir e validar novos projetos e produtos. Será possível realizar projetos de manufatura aditiva, fabricação digital para desenvolvimento de produtos, acessórios, aviamentos, calçados, entre outros.

No Fashion Lab os usuários contarão também com uma área de ‘Simulação de Ponto de Vendas’. Em um ambiente de realidade virtual, será possível pensar estratégias de comercialização e interação entre consumidor, produto e marca. “Teremos um ponto de vendas híbrido, onde em uma vitrine digital será possível fazer simulações virtuais para exposição de produtos nos pontos de venda, a fim de ampliar o engajamento e a experiência de compra de um e-commerce ou loja física, por exemplo”, conta Angélica Coelho, consultora técnica em Moda do SENAI CETIQT.

Já em outro ambiente ficará a Fábrica Modelo, com maquinário completo e novas tecnologias para experimentação de técnicas mais enxutas de confecção. Neste espaço, serão ofertados serviços como aplicação dos conceitos Lean, fluxo contínuo, estudo de tempos e métodos, balanceamento da célula, menor desperdício, maior produtividade; além de integração dos processos, padronização do produto com qualidade assegurada, confiabilidade nos processos, menor índice de não conformidade devido a otimização dos métodos, entre outras questões.

“Com o Fashion Lab e a Fábrica Modelo, a indústria não precisa parar sua produção para explorar um novo produto ou pensar em um novo nicho de atuação. Nós do CETIQT daremos todo o suporte para isso. Conseguimos, por exemplo, desenvolver um novo material ou uma nova aplicabilidade para uma matéria prima, juntamente com o Instituto SENAI de Inovação, dentro dos equipamentos do Fashion Lab. Conseguimos também pensar soluções inovadoras dentro do campo da sustentabilidade e tecnologia, tanto na área de comercialização quanto de desenvolvimento e produção do produto”, explica o gerente do Instituto SENAI de Tecnologia em Têxtil e Confecção do SENAI CETIQT, Fabian Diniz.

O ambiente terá também um espaço de co-working, onde profissionais, empresas e estudantes do SENAI CETIQT (ativos e egressos) poderão trocar experiências e até mesmo encubarem uma ideia, seja para o desenvolvimento de soluções, novos produtos, ou estratégias de sustentabilidade, por exemplo.

No local haverá ainda a ‘Arena Central’, um espaço com tela de projeção 360°, para debates, palestras e apresentações de projetos em inovação. “Um laboratório aberto é uma novidade para o setor, que atua muito dentro das confecções, como que guardando segredos industriais a sete chaves. Estamos incutindo uma nova mentalidade, de colaboração, justamente neste momento de dificuldade econômica. Aproveitando a expertise de diversos profissionais, conseguimos assim um setor mais fortalecido”, conclui Diniz.

Como nós temos contado em nossa imersão no SENAI CETIQT, a instituição é, atualmente, o maior centro latino-americano de produção de conhecimento da cadeia produtiva têxtil e de confecção e da área Química. Com uma metodologia diferenciada de cursos práticos, busca aproximar o aluno da indústria. Além dos laboratórios disponibilizados para a pesquisa e novos projetos, como o Fashion Lab, os estudantes aprendem a solucionar problemas reais do mercado em sala de aula. E a frase de Sérgio Motta dita lá no comecinho do projeto do Fashion Lab, deve ser relembrada: “Queremos posicionar a Engenharia Química e a Moda como cursos de grife e, para isso, os nossos alunos precisam ter um diferencial, que é a nossa aproximação com a indústria nacional. Os estudantes do SENAI CETIQT já saem empregados.

 

Pesquisas relacionadas