Moda & Beleza

De farmacêutico a stylist renomado: A trajetória de sucesso do mineiro Vitor Carpe em simbiose com a moda brasileira

O mineiro, descendente de indígenas e portugueses, conversou como site HT sobre o trabalho, vida e o prazer de criar: “Busco inspiração na exaltação à atitude e personalidade de cada ser humano”

Publicado em 01/03/2019 | Por Iron Ferreira

Para início de conversa, o nosso entrevista é um lorde. Um ser humano de luz que ainda sabe os valores de gratidão, troca de experiências e o estender a mão ao próximo – e sempre com sorriso estampado no rosto. O site HT teve o privilégio de estreitar os laços com Vitor Carpe através da nossa musa, Erika Januza. Na hora em que falamos do ensaio exclusivo e bafônico com a atriz, ela imediatamente convocou o amigo que, em menos de 24 horas, veio direto de sua Belo Horizonte para a sessão de fotos com a incrível Prema Surya. Vitor é stylist e dos grandes – daqueles que sabe transitar pelos mais diversos universos que a moda nos proporciona. Mas, a história foi bem bacana até ele alcançar este espaço.

Quando estava cursando Farmácia, Vitor Carpe não imaginava o rumo que sua vida iria tomar. De família humilde, o pai é descendente de portugueses e a mãe de indígenas, ele lutou pelo seu lugar ao sol. Terminou a graduação, fez pós e ainda foi cursar um mestrado. E através de Alexander Dario, o companheiro de 12 anos de união, que ele teve contato com a moda. “Meu marido vive com moda. Ele e eu trabalhávamos em horários diferentes e nunca conseguíamos passar muito tempo juntos. A solução que eu encontrei foi que investíssimos na mesma área. Como eu não iria conseguir fazê-lo virar um farmacêutico, eu decidi estudar a arte de ser um figurinista”, conta.

Vitor Carpe (Foto: Arquivo Pessoal)

No início, o stylist mergulhou no estudo de figurinos para publicidade, filmes e videoclipes: “O meu primeiro filme foi um trabalho institucional, em Minas Gerais, no qual tive o prazer de vestir todo o elenco que iria contracenar com a atriz Regina Casé. Viajamos durante 15 dias juntos e foi uma ótima experiência”. Após esse período, ele já estava mostrando sua arte nos Estúdios Globo. Sobre a mudança drástica de carreira, Vitor diz que ama qualquer tipo de atividade e que busca ser produtivo: “Tudo me dá prazer. Amo trabalhar. Eu nasci para criar e contribuir. Amo o que faço e faço o que amo”.

Com o tempo, acabou assumindo um posto na área de marketing da marca Maracujá, onde conheceu a atriz Erika Januza, que o convidou para assinar seu styling. A amizade entre os dois tem quatro anos e o trabalho em sintonia rola há dois anos. Sobre a parceria com Erika Januza, Vitor é todo elogios. “A Erika tem um coração puro e gigantesco. Temos uma ótima ligação. Sinto um prazer enorme em trabalhar com ela”. Em 2019, os dois irão passar o primeiro carnaval juntos. A atriz irá desfilar pela Vai-Vai, em São Paulo, e pela Grande Rio. Apesar do look oficial do desfile ser idealizado pela escola, as roupas usadas nos ensaios técnicos são pensadas por Vitor.

Leia aqui –Em clima de folia, Erika Januza posa para editorial exclusivo do site Ht fotografado no Rio Othon Palace

Este slideshow necessita de JavaScript.

Com a sensibilidade e generosidade de Erika, Vitor colheu elogios mil e bons frutos e novas oportunidades de trabalho. Vestir as atrizes Aline Dias, Juliana Alves, Cris Vianna, Olívia Araújo e Lucy Ramos para um ensaio fotográfico da revista Marie Claire.

Aline Dias, Juliana Alves, Cris Vianna, Olívia Araújo e Lucy Ramos para a revista Marie Claire. Stylist de Vitor Carpe (Foto: Arquivo Pessoal)Sobre a moda, o stylist diz preferir roupas mais clean e que valorizem a real beleza da mulher. Segundo ele, o poder vem de dentro e não somente da roupa: “Gosto muito de mulheres fortes. Afinal, a minha vida sempre foi guiada por mulheres fortes. Busco inspiração na exaltação da beleza. Vem de um decote, fenda ou brilho. Vem da personalidade e do interior”, frisa.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Quando perguntado sobre o preconceito hoje ainda latente na sociedade brasileira, Vitor é taxativo: “Sou gay, negro, de origem humilde e com muito orgulho da minha história e da minha família. Sou um profissional que acredito no meu diferencial. Sempre fui criado para crer nos meus sonhos e na possibilidade de ser o que eu quisesse. Nunca deixei o racismo e nenhum outro tipo de preconceito me abater. Eu venho de Belo Horizonte, uma cidade onde as pessoas ainda cumprimentam, agradecem, olham no olho e são gentis. Um compromisso firmado pela palavra é tido como certo. Levo esses valores comigo”.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Pesquisas relacionadas