Moda & Beleza

Como parte da essência da marca, Levi’s reafirma sua posição empoderadora de causas e movimentos e registra crescimento de 50% após ações em 2017

Para a gerente de marketing da Levi's, Marina Kadooka, os consumidores contemporâneos têm buscado empresas que apoiem movimentos que eles acreditam. Inclusive, este tem sido um comportamento ainda mais forte na geração milenial. "Eles estão vindo provocar e questionar as marcas e investigando os bastidores"

Publicado em 22/03/2018 | Por Julia Pimentel

A comoção e representatividade em massa são de hoje, mas os discursos em prol da mulher e da igualdade de gênero, por exemplo, se arrastam há décadas. E, seja no presente ou no passado, o engajamento da Levi’s nessas causas é constante. Nos dias 16 e 17 deste mês, a marca que é símbolo do jeans mundial emprestou sua força e visibilidade para a 2ª edição do Women’s Music Event, que ocorreu em São Paulo. Durante o evento, a figura da mulher assumiu o protagonismo em uma luta por mais espaço dentro da indústria musical e, para reforçar esse coro, cerca de 90 artistas e outras representantes das causas femininas debateram o assunto no WME. Entre elas, Pitty, Nina Becker e Alice Caymmi. “Foi uma experiência sensacional. Eu não tinha acompanhado a primeira edição e foi um evento que superou as minhas expectativas. No mês em que celebramos as mulheres, nada mais justo do que a Levi’s participar de um encontro feito por nós para todos, sem distinção de gênero”, defendeu Marina Kadooka, gerente de marketing da marca.

Leia também: Levi’s revoluciona novamente no mundo dos jeans trazendo quatro novos modelos de skynny e dois tecidos inovadores

Pitty foi embaixadora do Women’s Music Event, que ocorreu nos dias 16 e 17 de março em São Paulo (Foto: Anna Mascarenhas/Helena Wolfenson/Camila Svenson)

Leia também: Os anos 1990 estão de volta! Levi’s lança coleção Verão 2018 inspirada na moda Baggy que foi sucesso no passado e aposta nos fits oversizeds

E a dobradinha entre a Levi’s e o Women’s Music Event ocorreu aos 45 do segundo tempo, como contou Marina Kadooka. Faltando poucos dias do evento, a gerente de marketing da marca fechou uma parceria com a produção da plataforma para assinar as camisas oficiais, que ainda tiveram uma estampa exclusiva feita pela artística plástica e DJ Mari Mats. “Foi muito especial a gente ter se encontrado. A Levi’s vem trabalhando com causas em vigor e uma delas é a de igualdade de gênero. E como esse é o mês que tradicionalmente celebramos a mulher, tínhamos que selar a data com uma parceria que pudesse deixar um legado. No WME, tínhamos diversos nomes apresentando argumentos sobre a causa e a música acompanhando tudo isso”, contou Marina sobre um dos pilares da Levi’s em seus mais de 100 anos de história. “Nada disso é algo novo para a gente. Eu vejo este engajamento como um apoio de forma autêntica”, apontou.

Leia também: Alerta São Paulo: Levi’s inaugura nova loja no shopping Anália Franco e já apresenta novidades e destaques para eles e para elas

Painel de debate com Karol Conka no Women’s Music Event (Foto: Anna Mascarenhas/Helena Wolfenson/Camila Svenson)

Leia também: Após ser construída por skatistas voluntários e com uso de material reciclado, skatepark do projeto  DIY – Do It Yourself da Levi’s vira documentário

Assim, com este posicionamento, Marina Kadooka acredita que a Levi’s esteja tendo uma postura ousada em meio às marcas contemporâneas. Por outro lado, a grife, que desde a sua fundação teve essa voz social, agora acompanha o crescimento do número de empresas atuantes. “Eu acho que todos nós temos que arriscar mais. Tem algumas causas que são mais polêmicas e as marcas não querem se envolver porque mexem com muita gente. E é aí que a Levi’s entra defendendo discursos que não estão no mainstream, mas fazem parte de um futuro que queremos para a empresa”, disse Marina que em maio adiantou a participação da Levi’s em uma causa relacionada à liberdade e igualdade de gênero.

Leia também: Em Manaus, Levi’s constrói a segunda pista de skate da América do Sul do projeto Skateboarding com a ajuda de atletas voluntários: “Coisas impossíveis acontecem quando as pessoas se unem”, disse gerente de marketing, Marina Kadooka

Este slideshow necessita de JavaScript.

Leia também: Made in Brasil! Levi’s passa a fabricar parte da coleção em solo nacional e estima produção de meio milhão de peças até o final deste ano e o dobro em 2018: “Por que não?”, diz diretor comercial, Rui Silva

No entanto, esta postura da marca já ultrapassou o campo ideológico. Segundo Marina Kadooka, do ano passado para cá, quando a grife promoveu a Casa Levi’s no Rio de Janeiro e em São Paulo e apoiou diversos movimentos, já fora registrado um crescimento de 50%. “Os consumidores estão querendo marcas que vistam camisas que eles acreditam, principalmente essa geração milenial. Eles estão vindo provocar e questionar as marcas e investigando os bastidores. Isso, inclusive, é algo que eu defendo muito dentro da Levi’s. Não adianta a gente levantar bandeiras em prol das mulheres se na estrutura da empresa isso não funcione. Por isso aqui trabalhamos para que todos melhores”, destacou.

Leia também: Longe do comum, Levi’s lança coleção Altered com elementos desconstruídos e mofidicados para garantir ainda mais estilo e personalidade aos looks

Alice Caymmi foi uma das atrações do Women’s Music Event (Foto: Anna Mascarenhas/Helena Wolfenson/Camila Svenson)

Por falar no sucesso da Casa Levi’s, Marina Kadooka revelou que o evento volta este ano para mais duas edições. Em São Paulo, será em maio e no Rio de Janeiro em setembro. No entanto, para este ano, o terceiro do projeto, a gerente de marketing da marca anunciou mudanças. “Agora a nossa ideia é de ocupar lugares da cidade. Então, nós vamos levar o conceito da Casa Levi’s para endereços da cidade e, lá, promover entretenimento sem burocracia”, contou. Já estamos ansiosos para mais um ano de Casa Levi’s!

Pesquisas relacionadas