Moda & Beleza

Com um currículo que vai desde publicidades a clipes, a stylist Tracy Rato fala sobre a profissão e um pouco de sua história

A loura foi a profissional de moda por trás do primeiro editorial do ano, do ator Thiago Fragoso

Publicado em 14/03/2018 | Por Ana Clara Xavier

Ela recebeu o nome de uma artista famosa: Tracy Chapman. Talvez, porque os pais soubessem secretamente que o destino dela seria trabalhar entre as celebridades. Como alcunha profissional, utiliza um sobrenome que nem mesmo está em sua identidade, mas é uma homenagem ao pai de criação. A stylist de moda Tracy Rato descobriu a carreira de seus sonhos por um acaso e se firmou dentro do mercado desde muito nova. Com um espírito livre de dar inveja, gosta de estar sempre fora da rotina e a prova disto é a longa lista de trabalhos que é capaz de executar. As opções vão desde publicidade, campanha e catálogo, passando por clipe e book e caminhando até editoriais, como o que ela produziu para o site HT como stylist de Thiago Fragoso. Sem vínculo com nenhuma empresa específica, a profissional ainda cobiça algumas outras formas de trabalho em seu currículo naturalmente diversificado. “Quero fazer campanhas para marcas cada vez maiores. Gostaria de vestir algumas celebridades que acho interessantes, como Chico Buarque e Marisa Monte. Existem empresas estrangeiras com as quais tenho vontade de trabalhar, apesar de preferir valorizar o produto nacional. Pretendo trabalhar realmente com tudo dentro da moda, para cada dia estar fazendo uma proposta diferente”, esclareceu. E quem duvida que ela vai conseguir?

O início desta história começou quando ela estava fazendo Artes Cênicas, porque seu pai de criação achava necessário que ela tivesse um diploma. Porém percebeu que já possuía todos os cursos necessários para ter o DRT de atriz em sua carteira de trabalho. A constatação fez com que mudasse de curso indo para moda. A ideia surgiu pelo gosto em lidar com os figurinos das peças. “Comecei a trabalhar desde o segundo período como assistente do Kleyton Rigon, que era stylist na época, no site Paparazzo, da Globo.com. Um tempo depois ele foi para o EGO e eu me tornei produtora e assistente dele nestes dois sites. Quando ele saiu, o EGO me colocou como a única stylist do local. Fiquei três anos trabalhando lá, e por uma reestruturação interna, eles acabaram chamando outros profissionais. Fiquei muito mal na época, porque achei que não era boa no que fazia”, confessou. Esta reviravolta acabou sendo decisiva para a carreira de Tracy Rato. Segundo ela, foi a melhor coisa que poderia ter acontecido. “A partir de então, tenho um campo muito aberto de opções dentro da minha profissão”, completou.

Thiago Fragoso no editorial para o site HT. O look que o rapaz veste foi idealizado por Tracy Rato (Foto: Patrick Sister)

De acordo com a profissional, o segredo do mercado é manter sempre as portas abertas, principalmente, trabalhando como freelancer, uma boa relação com as lojas acaba sendo primordial. “Preciso ser honesta, caso contrário não terei abertura em nenhum lugar. Atualmente, sou muito parceira das assessorias que cuidam das marcas”, explicou. Este aspecto de sua carreira é ainda mais importante em um ano de crise, que está afetando principalmente, o varejo. Por ter contato diretamente com as pessoas da área, Tracy contou que pode sentir na pele os efeitos da instabilidade econômica. “Muita gente se aproveita da crise para pagar menos e muitas vezes demoram para fazer o depósito, porque as pessoas colocam o dinheiro para render, ganham lucro com isto e somente depois você recebe”, lamentou.

Como artista, o lado criativo de uma stylist de moda também está sendo afetado. Tracy não soube dizer exatamente o porquê disto, mas as empresas estão fazendo pedidos cada vez mais em cima da hora. Isto faz com que os profissionais tenham menos tempo de criar novas composições. “Nunca consigo pedir roupas de São Paulo para o Rio pela falta de tempo, me ligam para fazer trabalhos no dia seguinte ou até no mesmo dia à tarde. Isto faz com que eu acabe reaproveitando peças que não utilizei em um ensaio para outro”, criticou.

 

Pesquisas relacionadas