Gente & Comportamento

Militante do orgasmo feminino, Carol Teixeira é banida do Instagram

Queridinha de celebs como Leandra Leal, Camila Pitanga e Narcisa Tamborindeguy, ela defende que "o empoderamento feminino passa pela ressignificação da vagina"

Publicado em 18/03/2019 | Por Heloisa Tolipan

Referência em sexualidade, prazer feminino e terapia tântrica, a filósofa, escritora e instrutora de yoga e tantra Carol Teixeira teve sua conta do Instagram deletada por, de acordo com a mensagem recebida por ela, “violar as regras da rede social”.

A filósofa de 39 anos é autora do romance “Bitch”, está à frente de uma websérie no canal Hysteria, no Youtube, e é queridinha de celebs como Leandra Leal, Camila Pitanga e Narcisa Tamborindeguy por levantar a bandeira do empoderamento feminino de maneira clara e objetiva – assunto que domina seus posts na rede social.

“Já mandei e-mail (para o Instagram) e não tive explicação até agora. Meu Instagram só fala de amor. Tenho um trabalho muito forte com empoderamento feminino, em dar ao prazer feminino um protagonismo que ele nunca teve. Acho que isso incomoda”, disse à imprensa.

Carol Teixeira é instrutora de yoga e tantra (Foto: Reprodução/Jorge Bispo)

Entre seus discursos está o de que “o empoderamento feminino passa pela ressignificação da vagina”. A autora costuma dizer, ainda, que “muita mulher que se diz empoderada, que faz textão feminista no Facebook, que vai a manifestação com plaquinha ‘meu corpo, minhas regras’, em quatro paredes ainda finge orgasmo”.

Acompanhada por quase 40 mil pessoas em sua conta deletada, Carol tem um verdadeiro exército de mulheres – sejam elas feministas ou aprendizes – pedindo sua volta às redes.

O mais viral dos manifestos diz: “Carol Teixeira tem curado e libertado centenas de mulheres com seu trabalho de empoderamento tântrico, um grito de liberdade, delicado e necessário contra repressão que o feminismo já sofreu. Sua conta do Instagram, na qual ela abordava o tema, foi excluída. Só aceitam o prazer feminino quando ele está nos moldes do patriarcado, a mulher a serviço de uma sensualidade. Quando prazer vem como possibilidade de libertação e cura ele sofre censura. Precisamos ter prazer feminino no Instagram sim. Não vão nos calar”, escreveu, acrescentando a hashtag #voltaCarolTeixeira.

Pesquisas relacionadas