Gente & Comportamento

Dr. Gabriel Basílio fala sobre soluções para reduzir o culote

O cirurgião plástico aborda o tema, que é um dos mais discutidos por mulheres em consultórios médicos, explica os procedimentos e sugere alguns métodos para um resultado satisfatório

Publicado em 11/09/2018 | Por Junior de Paula

*Por Dr. Gabriel Basílio

O assunto de hoje é um tema bastante caro às mulheres brasileiras: a redução dos culotes e acentuação da cintura. O perfil idealizado pelas mulheres ao procurar os consultórios de cirurgiões plásticos brasileiros é aquele no qual a cintura aparece marcada e sem os culotes, ja que eles dão a impressão de uma pessoa mais larga, mais gordinha. Sempre procuro reafirmar para as pacientes, que você pode ter curvas, uma cintura e um bumbum bem definidos e, mesmo assim, manter-se longilínea. Por isso, é importante fazer a retirada e o enxerto da gordura de uma maneira que você consiga esse perfil longilíneo bem marcado, com a cintura bem fininha, sem culotes, de uma maneira harmoniosa sem deixar aquelas marcas através de grandes retiradas, nas quais a pele fica muito aderida ao músculo.

Leia também: Focado em exaltar o lado humano da cirurgia plástica, dr. Gabriel Basílio é focado em operação craniofacial e acredita na experiência da profissão: “Uma carreira precisa ser construída”

Técnicas

O melhor método para isso é a lipoaspiração. São muitos os nomes comerciais dados à esta técnica moderna: lipoescultura, hidrolipo e lipo 3D, mas que funcionam, todos, da mesma maneira: através da retirada de gordura do tecido subcutâneo, ou seja, embaixo da pele, com cânulas de diversos calibres, com a intenção de modelar o corpo. Mas o mais importante de tudo: de uma maneira moderna e segura, sempre em ambiente hospitalar, com um médico muito bem capacitado, membro da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica e monitorado através de um anestesista e de recursos que permitam uma cirurgia.

(Foto: Sergio Baia)

Outra questão que o médico precisa levar em consideração em uma intervenção desta natureza é que tem que respeitar, pelo menos, a manutenção de um centímetro de gordura subcutânea, que faz bem ao viço, porque gordura também é o que dá viço ao corpo. Por isso que a gente fala tanto de lipo enxertia, pois melhora a qualidade de pele, ao contrário de quando se retira muita gordura, o que acaba danificando o tecido. Então, a gente tem que fazer a retirada e colocação de gordura nos lugares adequados, de uma maneira moderna e segura, que é possível de ser feita adequando ao perfil mais harmônico para cada pessoa.

Leia Também: Em sua coluna no site HT, o cirurgião plástico dr. Gabriel Basílio fala sobre a cirurgia das pálpebras, o procedimento estético de rejuvenescimento mais utilizado pelos homens 

Se a mulher nunca teve a cintura bem marcada por uma questão genética, a gente consegue, através da lipoescultura, oferecer o resultado esperado, sempre respeitando a matéria-prima mais importante que é o ser humano, e, aqui, no caso, o perfil étnico das mulheres brasileiras, no qual poucas tem a cintura fina, mas muitas tem o quadril muito largo. E, aqui, não estamos falando só do osso, mas, também, do depósito feminino genético hormonal da gordura na lateral da coxa. Essa readequação, a gente consegue oferecer de uma maneira segura e com recuperação rápida, associada à drenagem linfática e associando alguma técnica como uma radiofrequência e ultrassom, para melhorar a qualidade da pele tirando, também, as tais celulites tão indesejadas.

Mas o que é uma definição harmoniosa dos culotes?

Existe um limite de retirada da gordura para manter harmonia da coxa. Tecnicamente, a gente está falando da retirada de algo em torno de 5 a 7% do peso liquido do paciente, para uma cirurgia segura, sem perda sanguínea e para não causar um estresse metabólico. Por isso, a gente tem que trabalhar muito o pré-operatório, através de fotos, de exames clínicos e mostrando o que é possível de ser atendido dentro do anseio de cada paciente. É importante também, escolher muito bem o seu cirurgião plástico, para que não corra o risco de retirar tanto volume no culote, de modo que a pele fique com celulite e flácida, o que acaba deixando o aspecto feio. É preciso, sempre, apresentar uma proporção entre o conteúdo e o continente, entre a quantidade da sua estrutura óssea muscular e da gordura subcutânea da pele. É preciso, sempre, ter cuidado com essa equação.

Leia Também: Dr. Gabriel Basílio fala sobre a cirurgia de correção das “orelhas de abano”, a otoplastia

Contato: dr. Gabriel Basílio

Telefone: (21) 2286-1692
Facebook: clique aqui
Instagram: @drgabrielbasilio

Pesquisas relacionadas