Gente & Comportamento

“Crivella diabo” não vai desfilar mais na Acadêmicos do Sossego

“Não se meta com minha fé, acredito em quem quiser” é o enredo da escola do Grupo de Acesso, que traria alegoria demonizando o prefeito do Rio

Publicado em 27/02/2019 | Por Heloisa Tolipan

A prefeitura do Rio de Janeiro – leia-se Marcelo Crivella – conseguiu entrar em consenso com a Acadêmicos do Sossego e impedir quem um carro alegórico em que supostamente o prefeito estava retratado como um demônio desfilasse na Marquês de Sapucaí.

Em conversa com HT, o presidente da agremiação, Wallace Palhares, disse que se tratava do “demônio da intolerância” e que a ideia surgiu com a direção da escola. Mas engana-se quem acha que Crivella vai sair incólume dessa.

“A gente está sendo muito prejudicado no Carnaval. Vamos continuar com a crítica, que será impactante da mesma forma. Eu não vejo nenhuma melhora com o Crivella na prefeitura. Só há descaso. Ele não disse que merecia uma homenagem pelo que faz ao Carnaval? Então, nada mais justo e merecido. Não vai ter mais a coisa do diabo, até porque perdeu a graça. Mas terá uma homenagem ao Crivella, sim. E vai ser com crítica”, adiantou.

A Acadêmicos do Sossego este ano exalta a liberdade religiosa com o enredo “Não se meta com minha fé, acredito em quem quiser” e, nessa toada, Palhares pretende voltar aos idos de Joãosinho Trinta, colocando dedos nas feridas.

“O Carnaval está retomando as suas vertentes. Ele tem que ser crítico. É o momento que a gente tem para se liberar, falar das mazelas da socieadade, principalmente por causa do descaso do poder público. Chegou a hora de mexer nessa água parada”, disse. “Desfile da escolas de samba é crítica, deixar de ser compadres e é a nossa voz. É a voz de quem está precisando falar.”

A Acadêmicos do Sossego desfila na sexta-feira, dia 1º de março, por volta de 02h30.

Pesquisas relacionadas