Gente & Comportamento

Clipe e turnê de Luísa Sonza são assinados pela produtora Team O!, de Rodrigo Pitta e Mariana Jorge. Vem saber!

Produtora de conteúdo assina projeto criativo em 360 graus para a cantora que acaba de lançar o clipe da música Eliane e dá o start em Pandora, em São Paulo. Para os diretores, o Brasil é uma referência na música mundial. O mercado se reinventa sempre de maneira criativa e influencia cultura e comportamento

Publicado em 17/07/2019 | Por Heloisa Tolipan

Rodrigo Pitta e Mariana Jorge da produtora Team O! nas gravações do clipe Eliane, do álbum Pandora, de Luísa Sonza

*Por Rafael Moura

Luísa Sonza acaba de lançar o clipe Eliane com uma dedicatória emocionante: “Para minha mãe, Eliane. Para minha avó. Para todas as mulheres do mundo”. Hoje, dia 17, ela estreia, no Áudio Club, em São Paulo, a turnê do CD Pandora, cuja capa do álbum foi ilustrada pelo recifense Kin Noise. “Minha mãe foi uma das grandes inspirações para composição desta música, porém gosto de ressaltar que ela também representa a luta e força de todas as mulheres. Superar desafios em uma sociedade ainda muito machista, e lutar por nosso espaço é extremamente relevante”, explicou Luísa sobre o processo de composição.

O vídeo aposta em uma beleza simples ao mostrar três gerações de mulheres unidas, ressaltando a natureza, ao mesmo tempo em que reveza cenas da artista tocando o violão e cantando. “É importante nosso lugar de fala para auxiliar as mulheres ao nosso redor. Minha família passou por muitas coisas e quero compartilhar sempre esta experiência que vivi com estas pessoas”, ressaltou. Por trás de todo processo de criação do clipe Eliane e direção da turnê Pandora está a produtora de conteúdo Team O!, capitaneada pela dupla Mariana Jorge e Rodrigo Pitta, que assina esse projeto em 360 graus para a wonder woman que se tornou uma das queridinhas do mercado musical brasileiro.

Os diretores acabaram de voltar do sertão da Bahia onde comandaram uma equipe de filmagem integrada por mais de 70 pessoas de forma magistral como um grande concerto. A dupla conversou com o site HT sobre a empreitada. O diretor, Rodrigo Pitta, nos revelou detalhes sobre o conceito o clipe: “Nesse campo lúdico, embaladas pelo violão da Luísa, mãe, avó e irmã se encontram como se estivessem em um sonho. Minha inspiração principal foi a estética dinamarquesa do cinema para poder determinar um pouco do espaço em um tempo indeterminado, que somente um vasto campo verde consegue dar através do tempo”.

Sobre a Team O!, Mariana Jorge disse que o encontro com Pitta foi pura sintonia: “Pitta e eu somos um furação, extremamente inquietos e as ideias não param de brotar. Acabamos percebendo que estávamos construindo uma ponte muito próspera de trabalhos entre o Brasil e os Estados Unidos e que poderia ser explorada de milhões de formas dentro do contexto musical, oxigenando ideias de quem já está no mercado e quem está por vir. Para isso formamos um time incrível com nossos colaboradores”.

Capa do álbum Pandora da Luísa Sonza. A primeira parceira TEAM O! no Brasil

O coletivo internacional de arte e entretenimento tem o objetivo principal de reunir conteúdo e talentos para criar novas propostas e a dupla se define como uma ‘corretora de informações e oportunidades’. Com sede em Los Angeles e no Rio de Janeiro, esse time vem sacudindo o mercado do showbiz. “O Brasil é um país de guerreiros e vemos a força de vontade de fazer acontecer. O povo é muito apaixonado pelo mercado musical e cinematográfico. Portanto, os resultados são inspiradores. Podemos dizer que são duas texturas diferentes. Essa é a grande graça da nossa iniciativa. Misturar duas realidades”, explicou Pitta. E Mariana acrescentou: “Todo o trabalho é um desafio. Somos perfeccionistas e apaixonados. Então, desde o artista mais reconhecido ao novo talento, a nossa responsabilidade de trazer o resultado do projeto para um lugar acima do esperado é sempre a mesma”.

Show do Seu Jorge cantando David Bowie dirigido por Mariana Jorge

A dupla apresenta um portfólio sólido. Marina é cineasta e dirigiu show com Seu Jorge cantando David Bowie, um hit nos Estados Unidos e na Europa, projeto de grandes proporções. Rodrigo Pitta, um dos profissionais mais respeitados no Brasil e no exterior, dirigiu a turnê européia de Anitta, ano passado. “O show de Anitta, no Rock in Rio Lisboa, para 100 mil pessoas foi inesquecível e desafiador. Eu comandava ao vivo uma equipe de mais 60 pessoas e, ao mesmo tempo, dirigia instalado em um trailer atrás do Palco Mundo, as câmeras de transmissão para os canais de TV SIC e o Multishow. Nesta turnê também ficou eternizado o show no palco do histórico Royal Albert Hall, em Londres, lotado!”, relembrou. O diretor destaca ainda a primeira criação da TEAM O! no Brasil: o lançamento do álbum de Luísa Sonza: “Eu estou completamente apaixonado por ela. Whindersson Nunes que me perdoe”, brincou.

O Brasil se tornou uma potência musical. Recentemente, a Federação Internacional da Indústria Fonográfica (IFPI, na sigla em inglês) e a Pro-Música (associação que reúne as maiores gravadoras em atividade no Brasil) divulgaram os relatórios sobre o desempenho do setor em 2018. Depois de atravessar um período super conturbado na década passada, quando a pirataria e serviços de compartilhamento de arquivos, como Napster se popularizaram, o mercado musical consolida a tendência de crescimento — no Brasil, ele foi de 15,4%, enquanto que a média mundial foi de 9,7%. O desempenho positivo foi impulsionado pelos serviços de streaming (de plataformas como Spotify, Deezer e Youtube), que aqui cresceram 46% com relação a 2017 e no mundo todo registraram um aumento de 34%.

Rodrigo Pitta em ação no no Royal Albert Hall

Tendo esses dados em mente, Mariana comentou que “o Brasil é uma referência na música mundial. O mercado se reinventa sempre de maneira criativa e influencia o país e seus costumes, é um fenômeno muito doido de se ver. A expressão musical da periferia hoje, como o funk, está criando uma possibilidade de atravessar mares que só a Bossa Nova havia conseguido. É um estilo musical que não se compara com o ritmo que nos fez famosos no mundo inteiro, mas pode, sim, se misturar e influenciar artistas da música pop americana com a ajuda dos nossas conexões”.

Rodrigo Pitta e Anitta em ensaios da turnê Made In Brazil, apresentada no Rock In Rio Lisboa

Pesquisas relacionadas