Cinema & TV

Vem saber como foi a festa para Nathalia Timberg que reuniu o Olimpo das artes

Em uma noite memorável marcada pelo amor, cumplicidade e homenagens calorosas, artistas celebram vida, carreira, legado e profissionalismo da dama das artes

Publicado em 06/08/2019 | Por Heloisa Tolipan

Nathalia Timberg (Foto: Mariama Prieto)

*Com Fernanda Quevêdo

São 90 anos de uma existência plena permeada pelo talento, generosidade, conquistas, profundo respeito e amor pelo ofício da arte. E com o coração transbordando sentimento e aquele sorriso lindo nos rosto, a grande dama das artes cênicas, Nathalia Timberg, comemorou nove décadas e 65 anos de profissão ao lado de amigos. Todos integrantes do verdadeiro Olimpo das artes.

Leia mais – “O ator incorpora a alma do ser que interpretará”, diz Nathalia Timberg, que completa 90 anos e ganha documentário

A aniversariante chegou linda e sempre com aqueles gestos suaves e elegantes à cobertura do Laguetto Stilo, na Barra, depois de um dia de gravações da novela “A dona do pedaço“. Encontrou um cenário maravilhoso idealizado pelo decorador Vinícius Condeixa, que usou tons de verde e criou um ambiente tropical futurista. Marcus Montenegro, anjo da guarda e empresário da atriz há 25 anos, conversou com o promoter Vinicius Belo e com o cerimonialista  Cláudio Tironi e os três fizeram a noite das noites mais inesquecíveis para a atriz e convidados.

A imagem que vi ficará eternizada: uma fila gigantesca composta pelos maiores nomes das artes se formou no salão. E, cada um, depois de um beijo na atriz, recebia palavras de carinho e profundo agradecimento. A noite teve Nicette Bruno, amiga de Nathalia há 60 anos declamando uma adaptação feita por ela do poema “Espetáculo“, sintetizando a simbiose de uma atriz com o palco e a plateia, a interpretação de “Beatriz” de Chico Buarque e Edu Lobo na voz de Beth Goulart, as lembranças de uma jornada de trabalho do amigo Marcus Montenegro, a voz firme da atriz Simone Gutierrez cantando “New York New York” e as palavras de Camila Amado fazendo uma sinergia entre as descobertas de Albert Einstein (1879-1955) com a onda de amor daquela noite e lembranças de um encontro no palco pela primeira vez com Nathalia.

Este slideshow necessita de JavaScript.

“Os holofotes estão iluminando

A atenção da platéia é toda dela,

Atriz, ria seu riso

Chore sua dor

Brinque com os sentimentos

Confundam-nos

Dance conosco esta noite”

Versos interpretados por Nicette Bruno

Nicette Bruno e Beth Goulart (Foto: Mariama Prieto)

Sim, me leva pra sempre, Beatriz

Me ensina a não andar com os pés no chão

Para sempre é sempre por um triz

Aí, diz quantos desastres tem na minha mão

Diz se é perigoso a gente ser feliz” (…)

“Beatriz”, de Chico Buarque e Edu Lobo, foi cantada por Beth Goulart

Foi emocionante ver Camila Amado fazer uma analogia tão linda da carta de Einstein a Lieserl dizendo que quando ele propôs a teoria da relatividade muito poucos o entenderam. “Há uma força extremamente poderosa para a qual a ciência até agora não encontrou uma explicação formal. É uma força que inclui e governa todas as outras, existindo por trás de qualquer fenômeno que opere no universo e que ainda não foi identificada por nós.
Esta força universal é o AMOR”, disse Camila acrescentando que o amor “é uma partícula indivisível que move o mundo
e paira no ar. Essa energia que está em todas as formas visíveis e invisíveis do universo, segundo Einstein é o amor. Chamam (a energia) de Deus, colocam-no longe, com mil intérpretes sobre a nossa cabeça, quando o que chamam de amor e Deus, está aqui. Esse amor habita nessa respiração a vida inteira. Ele está em Nathalia. Eu nunca vi Nathalia fora do amor, assim como Nicette e Beth. É esse amor que eu vejo em vocês. Eu nunca vi Nathalia sem amor, e é nesse nível da vida, que eu quero alcançar”. 

Marcus Montenegro lembrou que há 25 anos acompanha Nathalia e em um relacionamento marcado pela profissionalismo e afeto mútuo. “Essa história começou quando eu era jovem e é calcada no amor e na cumplicidade. Eu primo pela qualidade do trabalho, pela seriedade, pela formação, pela educação e pelo teatro. Eu me orgulho de tudo isso, pois aprendi com as grandes damas do teatro como a Nathalia”, declarou Marcos em um relato mais do que emocionado.

Nathalia Timberg, Marcus Montenegro e Camila Amado (Foto: Mariama Prieto)

Em um agradecimento permeado pela emoção, Nathalia disse: “E ainda me pedem para falar… Hoje me deparo com essa infinidade de carinho e amor. As pessoas, muitas vezes, não sabem o que é tocar a sensibilidade do outro, como nós fazemos para exercer o nosso ofício. Esse sentimento (expressado pelas homenagens no palco, ponto alto da noite) é o que nos faz despir e estar completamente entregue no mais vulnerável de nós mesmos”.

Nathalia Timberg está no palco com o monólogo “Através da Iris”, texto de Cacau Hygino, com direção de Maria Maya. Na festa, nós soubemos que a peça já recebeu convites para ser montada nos Estados Unidos, Uruguai, França e Argentina. Em pleno vigor, a atriz também está gravando um documentário, que inclusive contará com as cenas da grandiosa festa de 90 anos. A assinatura é de Marcus Montenegro, a direção de Maria Maya e a produção da Cinegroup.

Marcus Montenegro, Nathalia Timberg e Cacau Hygino (Foto: Mariama Prieto)

Toda a onda de amor que pairou no momento da celebração deve-se também à resistência dos profissionais da arte no Brasil. Celebrar a vida e a carreira de Nathalia Timberg também é celebrar a dramaturgia brasileira, internacionalmente reconhecida. Desde os artistas mais consagrados até os que estão a menos tempo nesta jornada, todos ressaltaram a generosidade em compartilhar conhecimento e sabedoria, com humildade, solidariedade e compaixão que Nathalia possui. “Compreendemos melhor o mundo na multiplicação das experiências, para assim tocar a sensibilidade do outro e isso deixa uma marca diferente nas nossas relações. Nós experimentamos o homem, e o ser humano, e isso faz de nós seres estranhos. E é justamente que me levou a seguir a carreira no teatro”, declarou a atriz, acrescentando: “Nós experimentamos vida para poder passá-las. Nos experimentamos o mundo, o homem, o ser humano, ad infinitum, e acho que é isso que me levou a querer fazer teatro. É o desejo por experimentar e conhecer o ser humanos, e isso faz de nós seres estranhos. As pessoas não se reúnem da maneira como nos reunimos aqui. De repente estou com dificuldade de completar uma frase. Fui submetida a uma coisa que atrapalha percepção direta. Falamos de amor, de relacionamentos, de uma forma ou de outra…” Ao final, afirmando ainda mais sua benevolência, convidou a todos: “Vamos ser uma família?”. 

Este slideshow necessita de JavaScript.

A nossa dama foi aplaudida por  Ary Fontoura, Mauro Mendonça, Totia Meirelles, Deborah Evelyn, Selton Mello, Rosa Maria Murtinho, Maitê Proença, Cássia Linhares e mais algumas dezenas de amigos que estão nas fotos que acompanham esse texto. E ressalto aqui ainda as palavras de carinho de Nathalia para Marcus Montenegro  – “um filho que a vida me deu” – e para Maria Maya – “minha afilhada e maior presente da minha existência”. Wolf Maya e Cininha de Paula transbordaram de emoção. Uma noite inesquecível.

Este slideshow necessita de JavaScript.

 

Pesquisas relacionadas