Cinema & TV

Sucesso como Santo de “Velho Chico”, Renato Góes dispensa o título de bonitão. “Não procuro esse lugar de galã. Quero uma carreira sólida como ator”

Ator pernambucano também está escalado para viver Marcelo D2 no filme "Anjos da Lapa". "Vou interpretar um cara que é um ícone carioca. Vai ser um grande desafio"

Publicado em 15/04/2016 | Por Leonardo Rocha

Renato Góes é o mais novo queridinho da Rede Globo! O ator, que fez o maior sucesso na pele de Santo, em “Velho Chico”, fazendo todo mundo suspirar por sua beleza e se empolgar com sua atuação, comemora o sucesso de seu personagem na trama das nove. E que sucesso! “O Santo apareceu bastante na história, principalmente nessa fase de transição, com a morte do Belmiro (Chico Diaz). Mais do que um protagonista, ele é um herói”, disse o ator, de 29 anos, que ainda aproveitou para comentar as cenas, digamos, mais apimentadas com a atriz Juliana Dalavia. “Ela é uma parceira e tanto! Não acho as cenas eróticas. O amor deles é puro. Muito difícil alguém que viva o amor de Santo e Tereza hoje em dia. Eu já tive grandes amores, mas nada comparado a esse amor épico deles. É uma troca de olhares intensa, que não se vê mais por ai”, avaliou.

Renato Góes vive o personagem Santo, em "Velho Chico". (Foto: Divulgação)

Renato Góes vive o personagem Santo, em “Velho Chico”. (Foto: Divulgação)

Com 60% do elenco formado por atores nordestinos, o galã de origem pernambucana, que veio tentar a sorte no teatro aqui na Cidade Maravilhosa, garante que nunca sentiu na pele o preconceito regionalista. Segundo ele, isso tem até aberto novas oportunidades para o seu trabalho. “Cheguei na emissora numa época de transição. Hoje, não há preconceito, nem existe tanto essa coisa de você precisar perder o sotaque para fazer algo. Trabalhei em “Ligações Perigosas” e me perguntaram sobre sotaque. E eu respondi que nem lembrava qual eu tinha falado na gravação. O que vale é a dramaturgia e o que o ator tem para representar”, afirmou ele, que ainda dispensa o rótulo de bonitão do horário nobre. “Não procuro esse lugar de galã e o personagem não necessita disso. Quero uma carreira sólida como ator e estou preparado para fazer outras coisas também”, declarou.

Bem diferente da cena de sexo entre Leonor e Afrânio, protagonizada por Marina Nery e Rodrigo Santoro, Maria Tereza e Santo tiveram uma cena mais delicada e romântica, já que a mocinha estava se deitando com um homem pela primeira vez. Para Renato, é importante que as novelas abordem temas que sejam tabu na sociedade. “Falar de sexo e virgindade na televisão ainda é um tabu. Temos que ter muito cuidado na hora de se expressar. Mas isso tudo está aí pra gente debater mesmo. E quando há debate, há evolução e aprendizado”, disse.

O ator pernambucano em cena como Santo, de "Velho Chico" (Foto: Divulgação)

O ator pernambucano em cena como Santo, de “Velho Chico” (Foto: Divulgação)

E muito se engana quem pensa que após “Velho Chico” Renato vai tirar férias. O ator já está escalado para interpretar ninguém menos que Marcelo D2 nos cinemas, no filme “Anjos da Lapa”, dirigido por Johnny Araújo. “Vou interpretar um cara que é um ícone carioca. Vai ser um grande desafio”, disse. “Um amigo meu me apresentou o Planet Hemp e eu virei fã. Fez parte da minha adolescência e ouço até hoje. Já tive a oportunidade de conhecer e conversar com o D2. Agora, preciso pegar mais referências”, adiantou. No longa, o ator Marcelo Melo Jr. ficou com o papel de Skunk e as filmagens têm previsão de início para maio deste ano.

Pesquisas relacionadas