Cinema & TV

Daniela Galli estreia filme com direção de João Cortês: “O cinema sempre foi um modo de desvendar o mundo”

A atriz participou recentemente da novela das 21h “A Dona do Pedaço” e em paralelo está trazendo a peça “The Other Mozart”, diretamente dos palcos de Nova York

Publicado em 11/09/2019 | Por Heloisa Tolipan

*Por Domênica Soares

Sempre atenta aos aspectos e mudanças da sociedade e representando questões importantes e engajadoras em seus papéis, Daniela Galli está se preparando para estrear no filme “Nas mãos de quem me leva”, direção de João Cortês nos cinemas. Com previsão para outubro, a atriz interpreta Mercedes, a terapeuta da protagonista Amora (Fernanda Marques), que é uma referência de mulher para ela. Mercedes é muito competente profissionalmente, afetiva e centrada, mas vive uma crise em seu casamento e possui muitas dificuldades para lidar com  isso. Pode-se adiantar que ao longo do filme um evento inesperado muda a relação das duas amigas. A atriz conta como foi o convite do diretor para a produção: “Conheci João no Festival de Cinema de Gramado, na estréia de “O Matador”, longa de Marcelo Galvão, no qual vivo uma sertaneja sofrida em 1910. Depois da sessão, ele veio conversar comigo e foi muito generoso ao falar do meu trabalho no filme. Meses depois, me ligou dizendo que tinha escrito seu primeiro roteiro e gostaria que eu interpretasse Mercedes. Fizemos uma leitura em São Paulo e rodamos o longa em abril. Foi um prazer trabalhar com João, um um cara talentoso, sensível e de grande coração. Ele também é ator e traz essa experiência para seu olhar como diretor”, conta. 

Em entrevista exclusiva ao site Heloisa Tolipan, a atriz faz uma breve análise da importância do cinema brasileiro na atual sociedade e conta que para ela os filmes sempre foram um modo de desvendar o mundo, conhecer o outro, viajar por lugares novos, se colocar no lugar de pessoas que vivem em realidades distintas ou até mesmo encontrar identificação que sirva de expressão ou reflexão. “Por isso gosto tanto de ir a festivais e ter acesso a filmes (nacionais e estrangeiros) que, infelizmente, talvez nunca cheguem às salas no circuito comercial”.

Além disso, ela conta que o cinema é capaz de gerar uma infinidade de empregos e movimentar a economia como indústria artística. Além disso, destaca que a arte gera memória e se torna um retrato da sociedade em diversos momentos. Ela diz que esse olhar sobre a realidade muda de acordo com o ponto de vista dos cineastas e suas equipes e, sendo assim, a pluralidade é extremamente saudável. “A liberdade de expressão é fundamental. A arte é meio de expressão e, por definição, precisa ser livre – não posso entender a possibilidade de filtros reguladores em qualquer atividade cultural. Seu consumo é optativo e o país tem leis para isso: classificação indicativa, horário, ingressos pagos. Atribuir filtros que limitem a produção artística é formatar a cultura e ir contra a própria natureza da arte”, declara. 

“O cinema sempre foi um modo de desvendar o mundo”, afirma a atriz (Foto: divulgação)

A atriz busca atuar em vários papéis em lugares diferentes e conta que começou sua carreira aos 28 anos, em Nova York. Formada em Arquitetura e Urbanismo, foi para ‘a cidade que nunca dorme’ com o objetivo de misturar esses dois mundos: performance e criação através do trabalho como cenógrafa. “Trabalhei na Broadway, off-Broadway e em teatros regionais. Foi uma experiência extremamente rica e que me levou à interpretação. Meus estudos como atriz têm referência em alguns dos integrantes do Group Theatre, especialmente Uta Hagen, e comecei a trabalhar em peças e curta-metragens por lá, em inglês”, conta.

Dentre os muitos aprendizados de Daniela no exterior, ela ressalta a seriedade e nobreza relacionadas à profissão. Com a experiência adquirida nos palcos em Nova York, ela diz que percebia que muitos artistas que não estavam em cartaz procuravam se aprimorar com aulas de canto, corpo, interpretação com o objetivo de manter as ferramentas afiadas para os próximos projetos. “Isso é trabalhar. A vida de ator é cheia de altos e baixos, temos que aprender cedo a lidar com a rejeição e com a ansiedade, e existem caminhos para isso. Nossas ferramentas são nosso corpo, nossa alma, nossas percepções e vivências. É necessário cultivá-las e alimentá-las o tempo todo”, comenta.

Reflexo dessa paixão pela arte, outro projeto que a atriz carrega é a peça “The Other Mozart”, que traz diretamente de Nova York para o Brasil. Ela reflete que tinha muita vontade de fazer um monólogo e nutria ideias sobre isso até que então uma grande amiga a alertou sobre uma peça. Dani conta que foi atrás das informações do espetáculo-solo sobre a verdadeira e nunca antes contada história deMaria Anna Walburga Ignatia Mozart, apelidada de Nannerl Mozart (1751-1829). A excelente pianista, cravista e compositora, que apresentou-se por toda Europa recebendo os mesmos elogios que o irmão, Wolfgang Amadeus Mozart, mas cuja vida e trabalho desapareceram perdidos no tempo, por conta de seu gênero. “Me interessei pelo tema, pela chance de dar voz a uma entre tantas mulheres esquecidas, pelo figurino/cenário inteligente e deslumbrante, e contatei a autora da peça, Sylvia Milo, na intenção de comprar os direitos para produzi-la no Brasil. Como trata-se de um solo, ela e o diretor Isaac Byrne me enviaram três cenas em inglês para fazer um teste. Filmei o material e enviei para eles. Alguns dias depois, Sylvia entrou em contato dizendo que haviam gostado tanto do meu trabalho que queriam me convidar para fazer uma nova temporada da peça off-Broadway, em Nova York, alternando apresentações com ela mesma”. Ela relata que a experiência foi incrível, e que além de poder se relacionar interiormente através do monólogo, pode contar e vivenciar o que tantas outras mulheres já passaram, como na história de Nannerl. “Voltei para mais duas temporadas nova-iorquinas de “The Other Mozart” e, no momento, trabalho com a produtora teatral Morente Forte, de São Paulo, para finalmente contar a história de Nannerl em português, no Brasil”, frisa. 

Atriz fez uma participação recente na novela “A Dona do Pedaço” (Foto: divulgação)

Sobre a participação em “A Dona do Pedaço”, a atriz conta que foi tudo muito rápido e em poucos dias já estava no set de gravação vivendo Stephanie, uma designer de interiores extremamente sofisticada, mas antiética, arrogante e equivocada profissionalmente, e meio mau-caráter pessoalmente. Entrou em cena para remexer o núcleo principal formado por Maria da Paz (Juliana Paes), Regis (Reynaldo Gianecchini) e Josiane (Agatha Moreira) e impulsionar o desmascaramento desses últimos dois, aceitando fazer parte de um esquema elaborado por Jô para extorquir o dinheiro da mãe. Com pouco tempo de preparação foi capaz de entrar rapidamente em sintonia com a personagem e o tom da novela, contando ser grata pela receptividade da equipe que tornou esse momento ainda mais proveitoso, fazendo com que o público já interagisse com a atriz. “O público reagiu imediata e fortemente, defendendo a heroína da trama e xingando a “perua”. Recebi mensagens no instagram e comentários na rua… me lembrou o período em que eu fazia a vilã Malu, em ‘Malhação – Viva a Diferença’. Sinal de que cumpri o meu papel na trama de Walcyr Carrasco”.

Com base nessas interações, a atriz disserta um pouco sobre as novas tecnologias e seus pontos positivos e negativos. Para ela, é extremamente excitante e impressionante e com potencial infinito mas que ainda é necessário adequação. “Se, de um lado, a virtualização da informação num ambiente aberto serviu para aumentar sua acessibilidade e democratizar esse acesso, de outro, faltam-nos ferramentas educacionais para filtrar o que nos chega e ter uma análise crítica da veracidade e profundidade dos fatos e/ou opiniões expressadas.

“É incrível ter um espaço aberto para que todos possam expressar suas opiniões, compartilhar estudos, buscar conhecimento em qualquer área, conectar interesses, falar com queridos à distância, otimizar processos, divulgar seu próprio trabalho e ter autonomia sobre isso. Mas é preciso não abandonar a formação de um pensamento crítico. Hoje, se faz necessário o desenvolvimento de uma disciplina pessoal de interação virtual, pois o bombardeamento de informações e solicitações faz com que pulemos de um para outro, correndo o risco de não nos aprofundarmos em nada”. Para ela, a era digital mudou o tempo da vida e um dos reflexos mais aparentes disso são os altos níveis de ansiedade que estamos vivendo já na infância. “Uma super estimulação que anestesia o prazer pelas coisas simples e carnais. Isso me deixa alerta, pois busco um movimento que é quase oposto: treino todos os dias estar no presente, concentrar meu foco em cada atividade que faço, com calma, com espaço para sentir e estar. Isso pra mim, cada vez mais, é conceito de saúde e felicidade: estar no agora. Um exercício difícil, mas compensador”.

Daniela Galli traz peça diretamente de Nova York para o Brasil (Foto: divulgação)

Movida à paixão na arte e na vida, busca sempre contribuir com a sociedade através de suas atitudes, e conta que fora das telas e palcos, curte estar próxima de suas raízes, de sua terra e de estar com a família e amigos. No entanto, ao mesmo tempo, precisa do deslocamento e faz isso através de suas viagens, vivenciando experiências, conhecendo novos lugares e culturas, desvendando trilhas e aprendendo outras línguas. Dani divide sua paixão pela arte com um de seus maiores presentes, seu filho, Gabriel. Desde 2015, ela dedica 99% do seu tempo livre a ele e conta que seu maior sonho é que continue encantando sempre em todos os lugares que passa. 

Pesquisas relacionadas