ToliBlog

Calção de banho transparente causa polêmica no universo gay americano e britânico e levanta a pergunta: por quê?

Enquanto muitos criticam o lançamento da grife de moda praia masculina MaverickSwim, o biquíni feito de tule cor de pele Martini, recém-lançado pela designer brasileira Adriana Degreas no exterior, faz enorme sucesso

Publicado em 19/09/2019 | Por Heloisa Tolipan

*Por Jeff Lessa

Vem chegando o verão… E com ele, além do calor no coração, chegam as novidades na moda praia, que sempre dão o que falar – e o que ver. Em geral, os itens mais aguardados são os biquínis e maiôs que vão moldar os corpos das deusas das praias por todo o planeta. Neste estranhíssimo 2019, porém, o verão no Hemisfério Norte, que está chegando ao fim por esses dias, agitou-se por conta de um lançamento que dividiu opiniões, especialmente no mundo gay. Ele pode ser resumido em seis palavras: calções de praia transparentes à prova d’água Berlim (no original em inglês, cinco palavras bastam: Berlin transparent waterproof beach shorts). A linha é produzida e vendida a 25 dólares (cerca de R$ 100) em média pela grife de moda praia masculina MaverickSwim e também pode ser adquirida pelo site da Amazon.

O calção de banho transparente da MaverickSwim (Reprodução)

 

De acordo com o site da MaverickSwim, “A nova geração de calções de praia transparentes chegou! Os shorts Berlin à prova d’água deixam à sua escolha se você vai usá-los com uma sunga numa cor forte ou simplesmente sem nada por baixo, só pela diversão! Os calções de poliéster vêm com um fio em néon que faz com que você se destaque na multidão!” Além do fio para amarrar na cintura, os shorts também têm um debrum na mesma cor néon. E sim, são esses dois elementos que a grife acredita que fazem você se destacar na multidão.

As opiniões, como era de se esperar, se dividiram. Apesar de a MaverickSwim anunciar com toda a pompa que se trata de uma edição exclusiva e limitada, os comentários nas mídias sociais parecem gritar um estrondoso NÃO! Os usuários do Twitter não tiveram piedade ao tachar a novidade de “cafona” e muitos mandaram o recado bem claro que desejam que a moda não “pegue”. Alguém escreveu “Por que? Apenas me digam por quê?” Outro garantiu que usar o short é igual a vestir uma sacola de compras: “Dá no mesmo e custa bem menos”. Uma terceira pessoa sugeriu que seria a “receita para um suadouro”. E houve quem dissesse que só usaria no caso de perder uma aposta para amigos. Bem-humorados, mas firmes.

Maldade pura. Na verdade, quem foi que disse que os shorts foram feitos para serem usados apenas na praia? Pensando um pouco “fora da caixinha”, dá para visualizá-los na academia, no jogging, na pedalada no calçadão, no balcão da casa de sucos… Para os tímidos, a grife fabrica beachwear mais, digamos, comportado – porém igualmente dirigido à turma que não gosta de anonimato.

Uma olhada rápida no site da MaverickSwim (https://www.maverickswimwear.com/) é suficiente para deixar os mais conservadores encabulados. O que dizer, por exemplo, da Rio String Tanga Thong Briefs Leopard, uma tanguinha com animal print  que “homenageia” a Cidade Maravilhosa deixando muito pouco para a imaginação? E que tal o Sheen Holographic Swimsuit, sungão descrito como “um glamouroso chamariz na praia, na piscina ou na festa” em cores metálicas iridescentes ou em animal print? Bom, depende muito de qual praia, piscina ou festa estamos falando, é claro.

Aparentemente, o povo aprova os modelitos da MaverickSwim. No site da marca não param de pipocar mensagens como essa, no canto inferior esquerdo da tela:

“Someone in Chelan, Washington United States

Purchased Berlin Transparent Waterproof Beach Shorts a day ago”

(“Alguém em Chelan, Washington, Estados Unidos, comprou o Calção De Praia Transparente à Prova D’água Berlin há um dia”)

As mensagens chegam de vários cantos do mundo, por sinal.

Mas as ousadias de verão no universo anglo-saxão não se restringiram ao universo gay masculino. A poucos dias de a estação chegar ao fim por lá, a badalada designer brasileira Adriana Degreas lançou o biquíni Martini. Ahn? Explica-se: trata-se de um duas peças de tule cor de pele, totalmente transparente, com duas “azeitonas” para “esconder” os mamilos. “Ah, então ninguém comprou, né? Quem ia querer uma roupa de praia que deixa a mulher quase nua por um preço desses?” Nã-nã. O Martini é um megassucesso. Na Inglaterra, o tamanho G já está esgotado. Agora é correr antes que os tamanhos Médio e Pequeno também desapareçam.

Pesquisas relacionadas