Teatro & Pensata

Gabriel Falcão destaca a realidade artística no Brasil: “As pessoas não sabem como é suado e sofrido”

Além de estar em cartaz no Rio com o musical 'Meu destino é ser star', até dia 24 de fevereiro, no Teatro Riachuelo, o ator tem mais dois trabalhos ainda no primeiro semestre do ano. A minissérie da Globo, “Se eu fechar os olhos agora” e a segunda temporada da série “Juacas”, do Disney Channel Brasil

Publicado em 13/02/2019 | Por Leticia Sabbatini

A nova geração de artistas brasileiros chegou com tudo. A galera atua, canta, dança e reivindica os direitos da classe. Além de, é claro, vestir a camisa de seus respectivos projetos e divulgar com afinco pelas redes sociais lotadas de seguidores. Um desses nomes é Gabriel Falcão que segue com a carreira em ascensão. Depois de protagonizar Malhação e deixar sua marca no teatro musical atuando em “Lés Miserables” e “O Despertar da Primavera”, ele segue em seu projeto mais desafiador. Há quase um mês em temporada com o musical “Meu destino é ser star”, que faz uma leitura da obra de Lulu Santos e aborda a realidade artística brasileira, Gabriel carrega uma grande responsabilidade: mostrar a rotina suada por trás de todo o luxo e glamour da TV e dos palcos. Em conversa com o site HT, Gabriel falou sobre os seus projetos, ambições e a importância de um espetáculo como esse no contexto atual.

No musical, Gabriel vive um triângulo amoroso com as personagens das atrizes Myra Ruiz e Jéssica Ellen (Foto: Markos Fortes)

O número de artistas que embarcaram em suas respectivas profissões por conta de estímulos durante a infância é enorme. Com Gabriel, filho do músico Waldemar Falcão, não foi diferente. “Sempre existiu essa veia artística na minha família. Então, desde pequeno, eu fui super apoiado e estimulado a andar por esse caminho. Comecei a fazer teatro muito novo, mas era mais uma brincadeira de colégio mesmo, não me imaginava fazendo sucesso no futuro”, explicou ele, que acabou buscando o aprofundamento na área e fez cursos no Tablado e na Casa de Artes de Laranjeiras (CAL). Até que, na época do vestibular, mesmo indeciso, decidiu seguir o coração e mergulhar nas artes cênicas.

A partir da entrada na faculdade, a vida de Gabriel começou a mudar. “Para minha sorte e surpresa, logo no primeiro período de curso eu fui chamado para fazer o primeiro trabalho, que foi o musical ‘O Despertar da Primavera’”, comentou. Assim, conciliando a rotina da faculdade com os trabalhos que foram aparecendo, o jovem acabou se tornando, mais tarde, o protagonista da temporada de 2013 da Malhação. “Foi uma virada bem grande, porque eu vinha alternando entre teatro e pequenos trabalhos na TV, mas a Malhação seria um projeto de mais de um ano gravando diariamente. Foi um processo muito educativo e muito diferente do que eu estava acostumado”. E prosseguiu dando mais detalhes sobre a enorme mudança: “Eu vinha fazendo teatro musical, portanto foi uma transformação muito brusca e eu demorei a me acostumar. Foi estranho”.

Depois de terminar a novela, Gabriel, que se inspira em nomes como Fernanda Montenegro e Wagner Moura, continuou a revezar os formatos de seu trabalho. Para ele, essa é uma das grandes diversões de sua profissão. “O mais legal é transitar entre essas linguagens diferentes e poder juntar tudo isso, sem ficar restrito a um trabalho. Na TV, a gente passa nove meses gravando cenas diferentes com o mesmo personagem. No teatro, são dois meses apenas ensaiando as mesmas cenas e, nos musicais, acrescentamos ainda as coreografias e o processo de transformar a música em fala. Tem uma frase do Gilberto Gil que é maravilhosa e resume bem isso: ‘Existem mil maneiras diferentes de fazer música. Eu prefiro todas’. Tem muitas formas diferentes de contar uma história e eu amo todas”, afirmou.

Gabriel é considerado um dos grandes talentos da nova geração de atores (Foto: Sérgio Santoian)

Dessa maneira, o ator está, desde o final de janeiro, no projeto que, segundo ele, é a síntese de tudo que já fez até hoje: o musical “Meu destino é ser star”. O espetáculo, que é uma homenagem a Lulu Santos, trata da realidade do artista no Brasil. “Tem um olhar de metalinguagem, porque é um teatro musical falando sobre teatro musical. Muita gente pensa que a vida do artista é moleza, mas não é assim. É um trabalho super árduo e concorrido”, pontuou ele, que viver em cena um triângulo amoroso com as personagens de Jéssica Ellen e Myra Ruiz. Para Gabriel, passar o conhecimento acerca dessa realidade no atual contexto é essencial: “Poder falar sobre isso nesse momento de ignorância é uma recompensa muito grande. Ignorância é você não saber e as pessoas, de fato, não sabem. É difícil a população ter uma opinião sobre a realidade dos artistas brasileiros sem conhecer a fundo. Por isso, a gente vê tantos discursos distorcidos. As pessoas não sabem como é suado e sofrido”.

Leia também: Musical “Meu Destino É Ser Star” traz homenagem a Lulu Santos e audição de novos talentos ao vivo

Como um dos grandes nomes da atual geração de atores, ele admitiu que se sente muito realizado com as missões que vem desempenhando a partir de sua profissão. “Acho que cada projeto tem um objetivo. Nesse caso, mostrar como a gente trabalha e apresentar a arte como um ofício tão importante quanto qualquer outro. Temos consciência de que a nossa responsabilidade é maior, porque precisamos passar essa mensagem e essa realidade, comovendo as pessoas e ativando a empatia delas. Os artistas precisam cada vez mais tomar as rédeas das responsabilidades que são nossas”, frisou.

Além de estar em cartaz com o musical no Rio, até 24 de fevereiro, e, posteriormente, por outras cidades do Brasil, começando por São Paulo, Gabriel atuará em mais dois trabalhos ainda no primeiro semestre do ano. A minissérie da Globo, Se eu fechar os olhos agora e a segunda temporada da série “Juacas”, da Disney Channel Brasil, mostrarão o ator de forma ainda mais diversa. Ou seja, do jeito que ele gosta.

 

Serviço:

Teatro Riachuelo Rio

Temporada: até 24 de fevereiro de 2019

Preços promocionais: Na semana de estreia do espetáculo – 19 e 20 de janeiro-  o valor do ingresso terá um desconto de 50%

Horários: Sexta-feira – 20h / Sábado – 20h / Domingo – 18h

Preços: Sexta-feira: Plateia VIP – R$ 110,00 – Inteira / R$55,00 – meia-entrada

Plateia – R$ 90,00 – Inteira / R$ 25,00 – meia-entrada

Balcão Nobre – R$ 70,00 – Inteira / R$ 35,00 – meia-entrada

Balcão – R$ 40,00 – Inteira / R$ 20,00 – meia-entrada

Sábado: Plateia VIP – R$ 150,00 – Inteira / R$ 75,00 – meia-entrada

Plateia – R$ 130,00 – Inteira / R$R$ 65,00 – meia-entrada

Balcão Nobre – R$ 110,00 – Inteira / R$55 – meia-entrada

Balcão – R$ 50,00 – Inteira / R$ 25, 00 – meia-entrada

Domingo:Plateia VIP – R$ 140,00 – Inteira / R$ 70,00 – meia-entrada

Plateia – R$ 120,00 – Inteira / R$ 60,00 – meia-entrada

Balcão Nobre – R$ 90,00 – Inteira / R$ 45,00 – meia-entrada

Balcão – R$ 50,00 – Inteira / R$ 25,00 – meia-entrada

Local: Rua do Passeio, 38 – Centro

Funcionamento da bilheteria: Terças e quartas das 12h às 20h, de quinta a domingo das 12h até 1 hora após o início do espetáculo.

Capacidade: 1.000 pessoas

Venda de ingressos: Bilheterias do teatro, internet (www.ingressorapido.com.br ), aplicativo e loja Riachuelo Ipanema.

Atendimento via telefone: Terça a sábado de 13h às 20h – (21) 3554-2934 / 2533-8799

Classificação indicativa: Livre

Pesquisas relacionadas