Música & Badalo

Sucesso no Carnaval de Salvador, Àttøøxxá faz show amanhã no Rio e traz energia e intensidade da Bahia no nome e na música

Autores da música "Popa da Bunda (Elas Gostam)", lançada em parceria com Márcio Vitor e regravada por Léo Santana, os artistas querem desconstruir o padrão da arte baiana. De acordo com Rafa Dias, idealizador e produtor do Àttøøxxá, a proposta da banda é levar a música para além das fronteiras do estado. "Por muito tempo, nosso estado viveu um imediatismo de querer se comunicar apenas entre os baianos"

Publicado em 15/02/2018 | Por Julia Pimentel

O nome é complicado, mas a música é boa e a energia tem selo de axé raiz, lá da Bahia. Sucesso no Carnaval de Salvador e com show amanhã no Rio de Janeiro, o Àttøøxxá vem como representante da nova música baiana. Com o propósito de renovar a cultura do estado para todo o Brasil, a banda desconstrói os padrões e investe em uma pegada mais eletrônica. Outra mudança do Àttøøxxá é no conceito e nas letras, que acompanham as evoluções sociais e destacam a figura da mulher, por exemplo. Desta potência, o resultado ainda foi coroado com um dos hits deste Verão, “Popa da Bunda (Elas Gostam)”.

Tudo isso ganhou mais força com o trabalho do Àttøøxxá neste Carnaval. Apesar de terem rodado algumas cidades brasileiras, foi em Salvador que a banda se projetou para o país. E, mesmo com a Quarta-Feira de Cinzas já tendo passado, Rafa Dias, produtor e idealizador do Àttøøxxá, garantiu que a maratona ainda não acabou. “Para a gente ainda é Carnaval e seguimos no clima da festa. Temos alguns shows ainda esses dias para fazer e mais gente para animar. Mas, até aqui, o balanço que fazemos é de que foi tudo muito mais especial do que esperávamos. Nós conseguimos arrastar multidões cantando nossas músicas e vibrando em uma energia positiva enorme”, contou Rafa que, com isso, quer passar um novo conceito da música baiana. “Por muito tempo, nosso estado viveu um imediatismo de querer se comunicar apenas entre os baianos. Porém, a gente acredita e vem trabalhando para transformar isso e fazer com que a nossa arte chegue para todo o Brasil e para o mundo também”, destacou.

Àttøøxxá se apresenta nesta sexta-feira, no Rio de Janeiro (Foto: Reprodução/Facebook)

Neste sentido, o Àttøøxxá segue uma linha que já vinha dando certo com o BaianaSystem no ano passado, por exemplo. “Eles são de duas gerações a frente que a gente, mas acreditamos em uma mesma ideia. Inclusive, eu e o produtor deles já havíamos até trabalhado juntos”, disse Rafa sobre a banda que se juntou ao Àttøøxxá neste Carnaval pelas ruas de Salvador. Aliás, não só eles. Além do BaianaSystem, a banda de Rafa Dias cantou com Anitta na capital baiana. “Foi muito do nada. A gente recebeu o convite dela e na hora foi muito gratificante. Ela meteu a maior dança com a gente e isso mostrou que ela estava, realmente, querendo estar com o Àttøøxxá. Foi algo muito legal para a nossa carreira e a gente espera que isso aconteça mais vezes”, disse o produtor.

Enquanto isso, a banda baiana segue como destaque e revelação deste Carnaval de Salvador, mesmo existindo desde 2014. Porém, não é só o estilo musical que vem mudando na capital do axé. Este ano, por exemplo, Salvador viveu um Carnaval de avanços e novos conceitos (como contamos por aqui). Um deles, que já se consolidou em boa parte das ruas soteropolitanas, é o trio sem cordas.  “Já entenderam que isso não tem mais volta. O Carnaval está cada vez mais democrático e a rua é do povo. Por muito tempo, havia uma corda que separava a rua de quem pagava e de quem não pagava. Só que a rua é nossa, não pode ser cobrada. O que eu tenho visto é que o povo está conseguindo acessar mais lugares que antes eram inimagináveis”, analisou.

Mas, de acordo com Rafa Dias, isto não tem nenhuma interpretação negativa. Segundo o produtor e idealizador do Àttøøxxá, com as oportunidades do novo governo da Bahia, uma nova realidade e organização do público tem ganhado força durante dos dias de folia na capital baiana. “Nós podemos dividir o Carnaval de Salvador em vários setores. O lance do camarote, onde fica a elite, nunca vai deixar de existir. Mas não podemos esquecer que a rua não é um lugar privilegiado, é um espaço público”, destacou.

Se na música baiana o Àttøøxxá é um exemplo de renovação e, no conceito de Carnaval, eles são personagens das mudanças, tem ainda outro ponto que ganha força na essência da banda. Sucesso entre o público gay, mulheres e militantes em geral, Rafa Dias contou que seu projeto musical respeita a voz dos movimentos sociais contemporâneos. “O povo hoje é agente de transformação. Letras e atitudes que eram super aceitas e bem recebidas no passado, hoje geram repulsa. E é neste nicho transformador que queremos atuar”, comentou o produtor que, como exemplo, citou a história de “Popa da Bunda (Elas Gostam)”, hit do Àttøøxxá gravado com Marcio Vitor. “Essa música surgiu do tema “Respeita as minas”. A ideia era falar que os caras podem até olhar para as mulheres, mas precisam saber fazer isso e que seja de forma respeitosa. E o mais importante: sem tocar”, explicou.

A música que fez sucesso neste Carnaval já estava no primeiro disco da banda há dois anos (Foto: Reprodução/Facebook)

Mas, como uma boa música baiana, ainda mais com pinta de sucesso do Verão, “Popa da Bunda (Elas Gostam)” também tem seu duplo sentido. “A gente ficou estudando uma forma popular de falar sobre isso. Porém, até isso ser entendido, nós tivemos debates ferrenhos com feministas”, lembrou Rafa sobre a letra que já tem dois anos, mas foi agora em 2018 que ganhou o Brasil em uma parceria com Márcio Vitor. Aliás, este é outro capítulo desse Carnaval ainda sem fim do Àttøøxxá.

A autoria de “Popa da Bunda (Elas Gostam)” é da banda baiana, a parceria oficial é com Psirico, mas foi na voz de Leo Santana que a música ganhou fama no Brasil antes mesmo do lançamento oficial. “O que aconteceu é que o Leo e o Marcio quiseram gravar com a gente ao mesmo tempo. Só que já tínhamos combinado com o Psirico e mantivemos isso. Aí, o Leo colocou a música no repertório dele, como é muito comum aqui na Bahia, e acabou estourando antes mesmo de a gente lançar nossa parceria com o Marcio Vitor”, contou Rafa Dias que, desta experiência, apenas apontou ganhos parra o Àttøøxxá. “No final, tivemos ainda mais visibilidade com esses dois. Todos já conheciam e cantavam a música antes de lançar e isso apenas reforçou a mensagem que ela traz”, analisou.

O que importa é que agora Rafa Dias e o Àttøøxxá têm um ano de conquistas pela frente. Depois do sucesso no Carnaval de Salvador e na visibilidade conquistada em todo o Brasil, o produtor da banda anunciou que o segundo disco já está a caminho, assim como uma agenda de shows por diversas cidades. “Nós estamos plantando e colhendo os frutos de forma bem consciente. Estamos estudando todos os passos antes, porque já tivemos alguns erros no passado que não queremos voltar a cometer. Antes do Àttøøxxá, eu e os outros integrantes tivemos outros projetos na música que não deram certo, mas nos ensinaram muitas coisas. Por isso estamos indo de maneira bem consciente”, destacou.

O nome traz a mistura da tipologia com referências indígenas e o significado do verbo atochar na Bahia (Foto: Reprodução/Facebook)

E assim, pelo Rio de Janeiro amanhã e pelo Brasil em 2018, o Àttøøxxá vai levando todo o seu axé e energia baiana para os palcos nacionais. Em sua essência, já no nome, Rafa Dias apontou que esta é uma banda de força e com veia indígena. E tudo isso está escrito em Àttøøxxá – o que explica tanta letra, símbolo e grafia complicada. “Eu sou do extremo norte da Bahia, de Paulo Afonso, e sou neto de índia. Então, eu quis fazer uma homenagem a tudo isso que me cerca. Atochar, para a gente, significa mostrar intensidade e, para falar disso, escolhi uma tipografia que, para mim, remetia à ideia indígena”, explicou sobre os acentos, traços e letras dobradas.

Neste clima de intensidade, pagode baiano, axé  e, claro, Bahia, Rafa Dias não escondeu a animação para sua segunda passagem pelo Rio de Janeiro. Amanhã, o show é no Circo Voador e promete ser uma extensão dos blocos sem corda de Salvador: alegria, festa e democracia. “A nossa expectativa está monstruosa. Estamos esperando por mais um show com casa cheia e que a galera meta dança com a gente. No Rio, a nossa função vai ser elevar ainda mais o nível de energia do público e se divertir muito”, contou Rafa Dias.

 

Serviço – Tropical Sound System vol.4

Atrações: Àttøøxxá e Heavy Baile
Dia: 16/02, sexta-feira, às 22h
Local: Circo Voador (Rua dos Arcos, Lapa)
Ingressos a partir de R$40 aqui

Pesquisas relacionadas