Música & Badalo

Selo musical 999, gravadora de Baco Exu do Blues, investe na representatividade de artistas negros do rap baiano

A canção “Antes Eu Corria Atrás”, produzida pelo duo DKVPZ, é o primeiro lançamento dos jovens rappers Vírus, Celo Dut e Young Piva. A iniciativa busca apresentar ao público artistas que saem do padrão de mercado

Publicado em 20/08/2019 | Por Heloisa Tolipan

Young Piva, Vírus e Celo Dut (Foto: Filé com Fritas)

*Por Iron Ferreira

Desde o lançamento do aclamado disco “Bluesman”, em 2018, que o baiano Baco Exu do Blues vem conquistando fãs e imprimindo a sua personalidade na música brasileira, especialmente no gênero rap. Após atingir o sucesso, o artista decidiu inovar e trazer cada vez mais representatividade para o cenário nacional, mas dessa vez, ao investir em jovens promissores da cena rap baiana. Através do selo 999, Vírus, Celo Dut e Young Piva lançaram a faixa “Antes Eu Corria Atrás”. “Vírus é a desconstrução, Celo os ancestrais e Young é a raiva. Cada um tem uma personalidade única e complementar para as características que temos no selo. A 999 é um facilitador para jovens artistas negros se encontrarem”, afirma Baco.

A canção “Antes Eu Corria Atrás” fala sobre superação, sofrimento e autoestima (Foto: Filé com Fritas)

Com produção do duo DKVPZ, a canção mescla beats poderosos e versos que falam sobre sofrimento e autoestima. O clipe oficial, dirigido por David Campbell, já conta com mais de 65 mil visualizações. “A música fala sobre afeto, saudade, inconstância e superação, é o retrato de diversas perspectivas onde um término acontece e as diferentes formas de internalizar e enfrentar isso. Todo mundo sofre, todo mundo tem um arrependimento e uma vontade de voltar atrás, entretanto, uns morrem por isso e outros escolher seguir vivendo”, conta Young Piva.

Assista:

A iniciativa preza pela inclusão, dando voz a talentos que fogem dos padrões comerciais e de estereótipos estipulados pelo mercado. “Vejo nossa chegada como um marco pra cena da música. O público e o mercado do rap têm vivido uma safra de artistas e produtos extremamente enlatados e nossa proposta é exatamente não se enquadrar em padrões. Entregar não só aquilo que as pessoas querem, mas aquilo que elas precisam ouvir. Vim para ficar, pra fazer história, por mim e pelos meus. A 999 é uma família, cercada pelos melhores profissionais do ramo”, frisa Piva.

Artistas fora dos padrões comerciais ganharão, através do selo 999, espaço para produzirem sua arte  (Foto: Filé com Fritas)

Participação especial no som, Celo Dut revela que não há nada mais prazeroso do que trabalhar com pessoas que despertam a sua admiração e que te deixam confortável o suficiente para que a sinceridade saia e seja transformada em música: “Queremos causar impacto com a poesia lírica e a sinceridade nos versos de um ser apaixonado. A verdade é que estamos chegando para causar o inesperado. É de toda importância estar com um selo de Salvador que alcançou dimensão gigantesca. É aquela história de passar a trabalhar com profissionais que são seus ídolos”.

Pesquisas relacionadas