Música & Badalo

“Posicionamento firme é algo que toda mulher deve ter quando encontra desigualdade de gênero”, dispara DJ Tamy

Há 10 anos no mercado, a multiartista carioca ,que vem dominando as pistas com muito flow e estilo, conversou com o site HT e falou sobre o protagonismo de uma mulher, negra em um mercado dominado por homens

Publicado em 25/04/2019 | Por Heloisa Tolipan

DJ Tamy foi uma das convidadas durante a temporada de ensaios de carnaval do bloco Amigos da Onça em 2019

*Por Rafael Moura

Apesar de todos os holofotes a DJ Tamy é extremamente tímida. Em seus dez anos de carreira, a carioca, vem mixando estampas, cores e brilho com o streetwear levando as pistas de dança de todo o Brasil uma energia contagiante. “Meu início com DJ foi por conta de amigos que já me chamavam de DJ sem eu ser de fato uma. A partir desse empurrão, eu busquei me profissionalizar, fazer cursos e de fato entrar para o mercado da discotecagem”, explica a carioca que teve contato com música desde criança por forte influência de seus pais. Estudou piano, flauta, violão, percussão, canto e teoria musical. Todo o seu conhecimento musical foi imprescindível para a decisão de se tornar uma DJ profissional. O caso de amor de Tamy com o hip-hop começou na sua adolescência, quando mergulhou no universo e na cultura que mudaria sua vida. “Acredito que o hip-hop é um espaço democrático, apesar dos pesares. Hoje existem mais mulheres envolvidas com a cultura do que há 10 anos. Ainda assim não somos nem 25%, mas estamos caminhando pra isso. As mulheres que circulam na cultura têm representado e estão fazendo bonito e escrevendo a nossa história dentro desse circuito”, ressalta.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Tamyris Reis contou que ser mulher, negra e em um mercado dominado por homens é um ato político e transformador. “É aquela palavra que talvez parece clichê: resistência. É ter atitude, engolir alguns sapos, e mostrar com o seu trabalho que você é tão boa quanto o outro. Posicionamento firme é algo que toda mulher deve ter quando encontra desigualdade de gênero”. Para fortalecer esse mercado, a DJ pegou sua imensa bagagem discotecando, e começou a ensinar outras mulheres a profissão de DJ. “Essa ideia surgiu por conta da inquietação de ver poucas mulheres nesse mercado. A primeira oficina que dei com recorte em gênero teve o apoio da marca Outlawz, da minha amiga Ana Carolina Messias (e do Fábio J Santos) que também questionava o por quê de poucas mulheres no mercado da discotecagem. Hoje é possível ver o mercado um pouco mais aberto com mais mulheres entrando na cena DJ e buscando seu espaço”.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Tamy é uma verdadeira camaleoa nos toca discos. Com um estilo único, ela usa e abusa de cores, estampas e brilho para compor looks e são sempre um show à parte. “Eu costumo dizer que muito do meu estilo é realmente o que eu sou. O que eu visto mostra um pouco da minha personalidade, sabe? Eu não tenho uma receita certinha de como monto meus looks. Visto o que eu gosto e o que eu sou. Os cabelos, as mudanças, amoooooo , cada semana (ou até dia) estou com um cabelo diferente. Adoro essa possibilidades de mudar. É uma delícia poder mostrar diferentes lados da DJ Tamy”, conta ela que cria muitas das suas roupas.

Tamy mostrando a sua verve Hip Hop no backstage de um ensaio fotográfico

Lianne La Havas, MV Bill, Iza, De La Soul, Racionais MC’s, Djonga, Baco Exu Du Blues, Emicida, Karol Conka, Oshun, Cypress Hill, Stevie B, Ludmilla, Marcelo D2, BK,  etc, são alguns dos nomes que a DJ já teve o prazer de dividir o palco. “Já toquei em show de muita gente. É bacana ver que os cantores gostam do meu som e me respeitam. Tenho um carinho muito especial pelas vezes que discotequei nos shows da Elza, do Racionais e no show da dupla americana Oshun, que eu sou muito fã”, conta emocionada que tem uma playlist extremamente eclética com Baiana System, Iza, Drake, Ella Mai, Ludmilla, Maroon 5, Dua Lipa, H.E.R, IAMDDB.

“Sou residente da Yolo Love Party, Crewolada, Baile do amor e Samba com Trem. Cada festa num estilo totalmente diferente da outra. Essas residências são bem especiais para mim e poder usufruir  é muito importante para minha carreira. Nessas festas, eu encontro meu público fiel. Que faz questão de me ouvir, que manda mensagem via Instagram dizendo que vai para o evento. Eu valorizo muito esse espaço de troca”, explica Tamy que no final do nosso papo faz um alerta: “Fiquem de olho nos artistas Lellê, Késia Estácio, Fabríccio, Malía Machado e Nina Rosa“. Segundo a DJ são nomes que, muito em breve, estarão fazendo muito barulho por todo o Brasil.

Pesquisas relacionadas