Música & Badalo

No Rio, Casa Levi’s tem noite de rock pesado com a banda Rakta e encontro de ciclistas urbanos da coleção Commuter da grife

No palco, o trio de roqueiras paulistanas contagiou o público da Casa com som profundo e intuitivo, como definiu a tecladista e vocalista da Rakta, Paula Rebellato. Apesar de ontem não ter sido a primeira experiência da banda no Rio de Janeiro, a integrante destacou a energia da plateia da mansão. "A banda tem uma facilidade de se adaptar e o espaço ajudou muito. A galera estava animada e a troca de energia foi grande"

Publicado em 13/05/2017 | Por Julia Pimentel

Sexta-feira foi dia de rock’n roll na Casa Levi’s! Reconhecida em todo o Brasil, a banda Rakta foi a atração de mais uma noite agitada na mansão da grife. Por lá, o trio feminino de roqueiras esquentou a noite carioca com seu som pensado e contagiante. Abrindo espaço para todas as tribos e propostas, a Casa Levi’s reforçou o seu DNA agregador em mais um dia de evento no Rio de Janeiro. Como disse a gerente de marketing da grife, Marina Kadooka, a noite uniu duas pontas no palco da mansão. “A Levi’s é uma marca que quer sempre atender a todos os grupos e dar oportunidade. E a Rakta é uma banda que está com uma super visibilidade pelo Brasil e até em outros países. Como na sexta-feira nós criamos esse selo de rock’n roll para a Casa Levi’s, nada melhor do que prestigiar um grupo que está fazendo um super sucesso e ainda é formado por três mulheres”, apontou Marina.

Leia também: É festa na Casa Levi’s: Rodrigo Suricato embala noite de comemoração pelo aniversário do stylist Rodrigo Coelho e pelos dois anos de parceria com a grife

Banda Rakta foi a atração de sexta-feira na Casa Levi’s (Foto: Diivulgação)

No palco, o trio justificou em alto nível a sua presença no dia de rock da Casa Levi’s. Paulistana, a banda é formada por Paula Rebellato, no teclado e vocal, Carla Boregas, no baixo, e Nathalia Viccarie, na bateria. Apesar de não ter sido o primeiro show da Rakta no Rio de Janeiro, a tecladista Paula destacou a energia do público da Casa Levi’s na apresentação do trio. “A gente já tinha tocado no Rio de Janeiro, mas era uma proposta totalmente diferente. Então, foi uma experiência nova e eu me senti super a vontade.A banda tem uma facilidade de se adaptar e o espaço ajudou muito. A galera estava animada e a troca de energia ajudou muito”, contou.

Leia também: Cultura democrática: Casa Levi’s incorpora rap e funk em noite no Rio de Janeiro com shows de Rico Dalasam e Linn da Quebrada

Este slideshow necessita de JavaScript.

Há seis anos na estrada, a banda tem o rock pesado como identidade. De acordo com Paula Rebellato, a sonoridade do grupo pode ser definida como algo profundo e intuitivo, que precisou ser redescoberto com a nova formação. Antes, a Rakta tinha mais uma integrante na guitarra. “A identidade musical e o processo criativo da Rakta foram sendo construídos nesses últimos seis anos de banda. Mas, nesse momento, hoje como trio, depois da saída da guitarra, criamos uma página nova na sonoridade da Rakta. Eu acho que a nossa maior característica como banda é ser muito profunda e intuitiva. Os nossos processos de criação são muito diferentes, mas o espontâneo está sempre presente”, explicou.

Leia também: Para todos os gostos: Casa Levi’s é dominada pela alegria e irreverência da banda Biltre e tem noite politicamente animada. Saiba o que rolou!

Casa Levi’s Rio (Foto: Divulgação)

Seja com quatro ou com três mulheres no comando, a Rakta também se destaca pela formação exclusivamente feminina. Em um cenário tradicionalmente dominado por homens, as paulistanas trilham uma carreira de sucesso que atravessa preconceitos e dificuldades. Apesar de diversas histórias de machismo vividas pelas roqueiras, Paula destacou a ajuda e o incentivo para elas continuarem na ativa. “O machismo existe em todos os lugares. Nós já tivemos que provar para técnicos de som nas casas de shows que várias vezes entendemos o que estamos fazendo e do que estamos falando. É aquela velha história de a mulher ter que ficar provando a sua força e inteligência para a sociedade. Mas, na verdade, sempre tivemos muito apoio de amigos, seja homem ou mulher”, disse.

Leia também: Anfitrião por um dia! Na Casa Levi’s, o embaixador Paulo Dalagnoli comanda noite especial com a presença de amigos e exposição de fotos: “Me envolvi em todo o processo”, contou

Casa Levi’s Rio (Foto: Divulgação)

No entanto, a noite na Casa Levi’s não teve só a banda Rakta como destaque. Para curtir o show das paulistanas e os encontros na mansão da grife símbolo do denim, diversos convidados chegaram a Botafogo, onde fica a Casa, de bicicleta. A iniciativa foi organizada pelo grupo Passeio Completo e promovida pela marca, que tem uma coleção desenvolvida para os ciclistas urbanos. Na linha Levi’s Commuter, os modelos são pensados e criados para atender às necessidades de quem se locomove de bicicleta pelos grandes centros urbanos. “Em 2011, a marca lançou uma coleção chamada Levi’s Commuter para atender os nossos ciclistas urbanos. Nós entendemos que existe um aumento no número desses atletas do dia-a-dia e, para eles, a Levi’s desenvolveu roupas que atendesse às necessidades da prática, com mobilidade, segurança e visibilidade”, explicou Marina Kadooka, ferente de marketing da Levi’s, que, como diferencial da linha destacou as calças com fita refletiva, repelência a água e tecido antimicrobiano e antiodor.

Leia também: Sucesso: Casa Levi’s estreia na capital carioca com show intimista de Mahmundi e programação impecável – e gratuita!

Clientes da coleção Levi’ s Commuter chegaram à Casa da grife na sexta-feira de bicicleta (Foto: Divulgação)

Pesquisas relacionadas