Música & Badalo

“Não existe barreira para a música baiana no exterior”, comemora Xenia França, em boa fase musical

Com música tema da personagem de Taís Araújo em Aruanas, série da Globo Play, a baiana lançará vinil na Europa, Japão e Estados Unidos.

Publicado em 23/07/2019 | Por Heloisa Tolipan

Xenia França (Foto: Filipa Aurelia)

*Por Fernanda Quevedo

Turnê internacional, faixa tema da personagem de Taís Araújo na série Aruanas, que foi recentemente lançada no Globo Play, Xenia França celebra ótima fase musical. Desde o lançamento do seu primeiro álbum solo em 2017, ela está rodando o país e o mundo com a sonoridade forte e a expressividade características de suas músicas. Para se ter uma ideia, a cantora acaba de voltar de um périplo pela Europa, com show na capital alemã, Berlim, e Estados Unidos, onde se apresentou no Central Park, em Nova York, e nos estados da Pensilvânia e  Texas, participando do SXSW Music, um dos mais importantes festivais do mundo. Eu nunca imaginei que o trabalho traria toda essa repercussão não somente com os fãs do Brasil, mas também no exterior. Quando dei esse pontapé, só pensava em expressar a minha arte. Mas, agora, vejo que todo o esforço investido não foi em vão. Me sinto muito feliz e lisonjeada”, destaca a cantora acerca da internacionalização da sua carreira. Em 2018, a faixa do disco da cantora, “Pra que me chamas”, foi indicada ao Grammy Latino como melhor música de língua portuguesa e o álbum, como o melhor em língua portuguesa.

Leia aqui – Nova série da Globo Play, “Aruanas” fala sobre ativismo ambiental e preservação da biodiversidade com elenco estrelado

Recentemente ela também foi a primeira brasileira a integrar o projeto Colors, um canal no Youtube com mais de 3 milhões de inscritos e que reúne artistas de todas as partes do mundo e de variados estilos e gêneros musicais. Nomes como Jorga Smith e IAMDDB também têm clipes por lá. Outra brasileira que passou a integrar o time, é a conterrânea de Xenia, Luedji Luna. “O Youtube é o que tem de mais contemporâneo em termos de música no mundo. O público que me escuta nos países da Europa, por exemplo, é bastante crítico, mas nem as barreiras linguísticas são capazes de limitar o ressoar da música brasileira no exterior”, destaca a artista. Sobre o projeto, ela complementou: “De alguma forma, o meu trabalho chegou até quem está à frente do Colors, não foi nenhuma indicação. Simplesmente recebi um convite e fui gravar. O lançamento do disco em vinil, a faixa na série Aruana e o Colors são momentos muitos especiais. Eu me sinto cada vez mais inspirada”, destacou a baiana. 

Leia aqui – “Eu não tenho vergonha da cor da minha pele, de ser preta, de mostrar que eu sou de candomblé”, dispara Xenia França

"O artista não precisa mais sair de Salvador para fazer sucesso", destaca Xenia França.(Foto: Filipa Aurelia)

Xenia França foi indicada em duas categorias no Grammy Latino 2018 (Foto: Filipa Aurelia)

Ao mesmo tempo em que define a fase como um importante momento da sua trajetória artística, Xenia destaca todo o trabalho e a estrutura que ela vem criando em torno da sua música. “Tenho uma equipe que me acompanha, mas gerencio tudo, todas as músicas, agenda e desdobramentos da minha carreira em geral. Me orgulho em fazer parte de uma geração de artistas independentes e empreendedores. Tentamos fazer tudo de forma impecável para que a nossa sensibilidade possa atingir cada vez mais pessoas”, orgulha-se a cantora. Entre os artistas contemporâneos, ela destaca suas conterrâneas Luedji Luna, Larissa Luz e o Baiana System. Temos um caldeirão cultural na Bahia e no Brasil todo e estes artistas mostram que a criatividade de sons, ritmos, vozes e batidas sempre irão ultrapassar as barreiras imposta pela indústria cultural”. 

Xenia França (Foto: Filipa Aurelia)

Outro assunto que a multiprofissional destacou em boa parte da conversa com o Site HT foi a respeito da indústria cultural, que a cada ano com o advento da internet vem modificando a forma de vender e consumir música. “Já faz muito tempo que os músicos não são apenas cantores ou compositores. Eles também produzem, administram finanças, cuidam da comunicação, do figurino e do agenciamento dos shows. Isso sem falar no investimento em pesquisa, que é fundamental para ser mais criativo e inovador. O fluxo natural de todo artista é mostrar a força de sua música. Precisamos de uma cadeia produtiva que possa nos dar suporte e acesso. Quero que o meu trabalho renda empregos. É preciso lembrar que tudo isso é um processo, pois nem todos os produtos são virais”, destaca Xenia, referindo-se à visibilidade digital, um dos elementos mais importantes para a repercussão do trabalho cultural nos tempos da internet, já que para ela, a TV ainda tem muita dificuldade em se abrir para o novo. 

O vinil Xenia França será lançado em agosto e conta com uma nova mixagem, um pouco diferente das músicas que estão nas plataformas digital. Em breve, ela anunciará sua agenda de shows internacionais e mais shows no Brasil.  A cantora também é uma das entrevistadas da nova temporada do “O Som do Vinil”, apresentado por Charles Gavin no Canal Brasil e que inova ao contar a história da música brasileira, a partir dos olhares de mulheres de diferentes estilos e gerações. Elza Soares, Roberta Sá, Letrux e Leny Andrade, são algumas delas. 

 

Pesquisas relacionadas