Música & Badalo

“Iara Ira”: Júlia Vargas, Juliana Linhares e Duda Brack misturam talento e individualidades em um show que tem o discurso feminino como denominador comum

Sob curadoria de Thiago Vedova e direção musical de Thiago Amud, o espetáculo faz parte do festival A.NOTA que visa promover encontros de talentos da música brasileira no palco da Zona Sul. E elas são destaques da cena carioca

Publicado em 01/08/2017 | Por Julia Pimentel

Três lindas vozes com referências distintas, sotaque plurais e estilos diferentes, mas que juntas dão origem a uma mistura potente. É assim que o trio formado por Júlia Vargas, Juliana Linhares e Duda Brack apresenta o projeto “Iara Ira” esta noite no Teatro Ipanema. Com direção musical de Thiago Amud, o espetáculo faz parte do festival A.NOTA, que tem curadoria de Thiago Vedova ,que visa promover encontros de talentos da música brasileira no palco da Zona Sul. E elas são destaques da cena carioca. Consideradas vozes promissoras da nova geração, Júlia, Juliana e Duda unem forças em uma noite que vai além do bom gosto musical. Cada uma com sua peculiaridade, eles se encontram em um lugar comum de ideais que conduzem todo o projeto.

Idealizado por Philippe Bapstite, “Iara Ira” une três amigas totalmente diferentes em cima do palco do Teatro Ipanema. “Eu convivia bastante com elas e já admirava o trabalho das três separadamente. Até que eu tive o insight de fazer um show que unisse essas personalidades e que passeasse por diversos estilos musicais e ritmos. Fora que pelo fato de cada uma ser de um lugar diferente do país, também temos um resultado diferente com a voz”, explicou o produtor que, como resultado, estruturou um projeto super conceitual que, além da música, também traz referências teatrais para o espetáculo.

Como Philippe apontou, “Iara Ira” traz referências e sotaques que vão do Sul ao Nordeste do Brasil. No palco, a pluralidade e o empoderamento são as palavras que conduzem o resultado. A primeira delas por causa da trajetória musical de cada integrante do potente trio. No repertório, Júlia, Juliana e Duda se desafiaram a fazer algo novo. “Não tem nada da carreira de nenhuma de nós. Porém, ao mesmo tempo, tem muito do que costumamos fazer. Surgiu um lugar completamente diferente em que nos desafiamos muito nesse projeto. A construção do repertório veio de várias partes que, juntos, chegamos ao resultado que iremos apresentar”, contou Júlia Vargas.

O show “Iara Ira” ocorre nesta terça-feira, 1º, no Teatro Ipanema (Foto: Francisco Costa)

Outra questão que norteia o espetáculo musical, com tempero conceitual, é a mensagem que vem por trás dos microfones. Mulheres, fortes e empoderadas, o discurso feminista marca presença em “Iara Ira” numa proposta que, inclusive, já vem desde o nome dado ao projeto. “O nome está relacionado à figura da Iara e tudo o que engloba o canto da sereia, que é algo que hipnotiza, é delicado, mas, ao mesmo tempo, soturno, por causa dos homens que eram levados para o fundo do mar. Então, tem a mistura da leveza da sereia com a força e a ira da mulher”, explicou Júlia Vargas.

Para além da história da sereia, Juliana Linhares apontou que “Iara Ira” também preenche uma lacuna deixada por gerações. “Esse projeto é uma grande oportunidade para a gente esclarecer cada vez mais as forças que sentimos e outras que reprimimos a vida inteira. O show ‘Iara Ira’ também é sobre compartilhar o feminino oprimido e juntar força e coragem para mostrar que isso é muito maior do que pensam”, disse Juliana que, apesar de estar ocupando um espaço criado pelo comportamento machista do passado, também está dando continuidade a uma luta que vem ganhando força com o passar do tempo, como destacou Duda Brack. “Isso só está sendo possível porque muitas outras gerações de mulheres já vêm trabalhando a conscientização. Então, eu vejo como um ato de resistência de uma onda que vem se desenvolvendo. É dar continuidade a um processo que está ocorrendo na nossa geração. Fora que eu também vejo como uma forma de dar às mulheres que nos assistem no palco uma referência, um lugar próprio de empoderamento”, analisou.

Nesta posição de referência, Júlia, Juliana e Duda querem ser vistas por cada vez mais pessoas, que vão além de seus amigos e conhecidos. Como apontou a nordestina do trio, Juliana Linhares, “Iara Ira” é um projeto extremamente necessário e que irá ampliar as discussões das artistas. “É muito importante que também chegue a novas pessoas e que essas ideias circulem. Não adianta falar só para quem já conhece. É como ler uma mesma placa. O interessante é que a gente consiga ampliar o movimento e fazer com que ele chegue a lugares onde a mulher ainda leva surra”, disse Juliana que destacou que este não é um engajamento apenas do trio de amigas. “O feminino está pipocando e não é à toa. Esse movimento já estava na hora de ganhar força e estava fervendo em muitos lugares ao mesmo tempo. Foi preciso que déssemos pequenos estímulos para que tudo explodisse e nós entendêssemos o quanto o feminismo é grande, necessário e estava acontecendo em tantos cantos simultaneamente”, completou.

Com diferentes características e trajetórias, as três cantoras se encontram no discurso contemporâneo que exalta o feminino (Foto: Francisco Costa)

Mas se em um ponto Júlia, Juliana e Duda se complementam, em outros, as cantoras seguem diferentes rotas. Se isso é um problema? Claro que não! “Nós somos muito diferentes e isso fica claro ao analisarmos a carreira de cada uma. Fora que o lugar de onde viemos nos diferencia bastante também porque, por isso, temos referências plurais da cultura pessoal de cada uma. Além disso tudo, as nossas experiências ao longo da vida também trazem outras características”, disse Juliana que foi completada por Duda. “Eu acho que nós somos tão diferentes quanto somos parecidas e isso é muito interessante em um projeto como esse. Porém, tem um ponto em comum que é o mais importante de tudo, que é a visceralidade no ato de cantar e a procura pela força de expressão na voz. Cada um com suas características, eu acho que somos as três mulheres fortes”, concluiu a gaúcha do trio que acredita ser a que mais se diferencia nessa mistura.

E nesta ideia de saber transformar vários limões em uma maravilhosa limonada, o trio de cantoras acredita na força que juntas exercem sobre o palco. Com a individualidade de cada uma, as três energias catalisam de forma única e que promete contagiar o Teatro Ipanema nesta terça-feira. “Mais do que unir artistas, a gente quer unir o público. São pessoas diferentes, com propostas plurais vendo um produto que vem do encontro de três cantoras. Quem curte o meu trabalho, vai poder ver outros dois também, e se a gente pensar que é o discurso de uma mulher, nesse caso, serão três feministas em cima do palco”, disse Juliana Linhares que comentou como foi o processo coletivo até a apresentação de hoje. “Maravilhosamente complexo. Trabalhar em trio requer uma responsabilidade muito maior do que seria se fosse individualmente. Porém, em contrapartida, é uma experiência que te leva além e te tira da sua zona de conforto. Nem todas as escolhas e a forma como executamos é do jeito que eu faria, caso estivesse sozinha. Mas isso me traz a surpresa de me ver em outro lugar e descobrir novas propostas”, disse.

E assim, juntas, empoderadas e com o canto forte e envolvente de Iara como inspiração, Júlia Vargas, Juliana Linhares e Duda Brack se apresentem em um projeto que passa por cima dos obstáculos contemporâneos. “O trabalho em trio é para a gente se sentir juntas em um momento muito difícil que vivemos e para nos dedicarmos a um projeto especial em paralelo a carreira solo”, caracterizou Juliana que comentou a produção cultural no Brasil em tempos de crise. “Esse trabalho de mexer com o lado criativo e sensibilizar a vida das pessoas é uma das questões mais importantes do mundo. Na minha opinião, o ser humano só é ser humano porque ele é muito criativo. O problema é que as pessoas de fora não valorizam e nem entendem a cultura como ferramenta extremamente necessária”, defendeu Juliana.

Por outro lado, para comentar o momento adverso, Duda Brack escolheu outro discurso. Na contramão da reclamação, a gaúcha mergulhou na gratidão e destacou a oportunidade de continuar trabalhando mesmo com esse cenário que temos envolvendo a arte brasileira. “Está todo mundo reclamando, mas eu prefiro agradecer ao que está acontecendo na minha vida. Apesar das dificuldades, eu me vejo em movimento e fazendo projetos legais. Eu acho que temos que ter fé no ditado que diz que água mole em pedra dura tanto bate até que fura. Daqui a pouco tudo vai melhorar e nós temos que continuar lutando por aquilo que acreditamos”, concluiu Duda Brack.

Serviço: “Festival A.NOTA 2017”

Data e hora:01 de Agosto, às 20h30
Ingressos: R$ 30 (inteira) e R$ 15 (Meia)
Local: Teatro Ipanema (Rua Prudente de Morais, 824A – Ipanema)
Capacidade: 193 lugares
Classificação: livre
Telefone: (21) 2267-3750

Pesquisas relacionadas