Música & Badalo

“Em 38 anos, o Barão Vermelho ganhou uma voz própria e, agora, vem pela garganta de Suricato”, diz Guto Goffi

O 18º álbum da carreira do Barão Vermelho, Viva, conta com composições dos quatro integrantes e ainda traz participações de BK e Letrux destacando a essência da banda adorada pelo público e com anos de estrada

Publicado em 04/09/2019 | Por Heloisa Tolipan

A formação atual do Barão Vermelho – Fernando Magalhães, Maurício Barros, Rodrigo Suricato e Guto Goffi (Foto: Marcos Hermes)

*Por Rafael Moura

Viva! Expressão de felicitação, alegria, aprovação, desejo de que tenha longa vida e sucesso. É como uma euforia, surpresa, como o estourar do milho da pipoca que traz um perfume saboroso que exala nos ambientes. A ‘palavra’ dá nome ao 18º disco do Barão Vermelho. A atual formação com Fernando Magalhães, Maurício Barros, Rodrigo Suricato e Guto Goffi vem com muita coragem e energia e a banda que traz na bagagem 38 anos de estrada faz um contundente grito de paz e amor diante de tantas exaltações à guerra. O disco de músicas inéditas é o primeiro desde que Roberto Frejat passou o microfone para Rodrigo Suricato, um guitarrista mirabolante e cantor que a gente adora. “Por sua caminhada de sucesso ao longo desses 38 anos, o Barão ganhou uma voz própria, que, agora, vem pela garganta do Suricato”, destaca o baterista Guto Goffi, que fundou o Barão com Maurício Barros, em 1981. “Nada mais rock’n roll do que seguir, mesmo depois da saída de nomes como Cazuza e Frejat. Quando entrei na banda, encontrei integrantes ávidos por mostrar novidades, afinal era uma criatividade que sempre foi pulsante. Eu fiquei muito feliz de integrar esse time, porque eu já entrei ‘Suricato’ e eu pude assumir minha personalidade trazendo bagagem para essa incursão. Cheguei de coração aberto, sem disputa de egos. Fora que eu sempre fui muito fã dos caras, tinha uma euforia aí”, revela Rodrigo Suricato, que já ganhou um Grammy Latino e subiu aos palcos do Rock in Rio e do Lollapalooza. “Suricato é um guitarrista absurdo de bom. Acho que jamais vi um cara tocar tanto”, elogia Fernando Magalhães, no Barão desde 1985.

O disco marca a volta do tecladista, produtor e cantor Maurício Barros, que havia deixado de ser integrante oficial em 1988, embora tenha produzido, tocado e composto para o grupo desde então. “Maurício sempre esteve conosco nos shows e produzindo discos. Mas havia deixado de ser integrante em 1988. Não havia escolha. Ele tinha que voltar ou o Barão acabava”, celebra Guto Goffi, acrescentando: “Reunir essa turma é um prazer, ainda mais num disco de inéditas. Eu sou o único que nunca saiu da banda. Todos os shows ao longo desses 38 anos fazem parte da minha vida”.

Incrivelmente, VIVA soa como um primeiro disco. Transborda identidade e provocação. Não seria absurdo dizer que trata-se do melhor álbum de inéditas do Barão desde o premiado ‘Na Calada da Noite’ (1989), que marcava a acolhida de público e crítica ao grupo após a saída do inconfundível Cazuza. “A gente não começou a compor agora”, reforça Maurício Barros, co-autor de tantos sucessos do Barão, como ‘Por Você’ (com Frejat e Mauro Santa Cecília), a mais tocada na história da banda. “A primeira música do grupo, “Billy Negão”, foi escrita por Cazuza, Guto e eu. Depois fizemos juntos, por exemplo, “Puro Êxtase“. Barros e Goffi são co-autores de canções como ‘Menina Mimada’, ‘Blues do Iniciante’, ‘Torre de Babel’, ‘Declare Guerra’, ‘Pense’ e ‘Dance’ e ‘Tão Longe de Tudo’.

A capa do álbum Viva o novo disco de inéditas da banda Barão Vermelho

‘Viva!’ coloca fim em um hiato de 15 anos, um projeto desenvolvido a quatro mãos (Guto Goffi, Rodrigo Suricato, Fernando Magalhães e Maurício Barros). Foi a maneira que eles encontraram para dar luz à criatividade e voltar a produzir sob o legado do Barão. Desde 2004, os músicos se dividiam entre projetos solos e turnês comemorativas. Na maioria das vezes, esses retornos dependiam demais da agenda de Frejat, que, a partir de 2001, assumiu carreira solo. Nos discos que se seguiram à saída de Cazuza, nomes como Arnaldo Antunes, Renato Russo, Luiz Melodia, Wally e Jorge Salomão, Dulce Quental, o poeta Mauro Santa Cecília e o eterno produtor Ezequiel Neves, estiveram entre os parceiros de composição. “No passado, buscamos letristas de fora, mas, dessa vez, decidimos que seríamos apenas nós”, conta o guitarrista Fernando Magalhães. O grupo não gravava um disco de inéditas desde 2004. VIVA abre com a faixa ‘Eu Nunca Estou Só’, com raízes no blues, que sempre orientou a banda e é referência também para Suricato. A canção foi feita pelos quatro integrantes em cerca de 10 minutos. “Foi incrível. Ali selamos o nosso pacto com o destino da banda”, lembra Suricato, ressaltando que a letra ratifica a mística ‘blueseira’ e brasileira do Barão:

‘É que eu me conheço no meio desse nada

E aos poucos me entendo nessa encruzilhada’.

A faixa, também, absorve referências da cultura hip hop, com a participação do rapper BK, que poderia ser considerado um filho do blues dentro desse caldeirão musical. “Chamamos o BK, porque queríamos esse diálogo e a energia do hip hop que traz em sua essência a mesma contestação libertária do rock”, diz Suricato. “Os dois gêneros são vizinhos de porta”, diverte-se BK, que escreveu os versos do rap da canção.

“Esse delicioso saquinho de pipocas ainda conta com o tempero da cantora sensação Letrux na faixa ‘Pra não te perder‘, uma composição minha e do Goffi”, conta o vocalista Suricato, que considera Letícia uma artista cheia de fibra. “Essa música tem algo quase genético, maternal e é de uma poesia linda”, elogia a cantora. Rodrigo comenta ainda que o tema do disco pode ser bem representativo no momento atual do Brasil, mas não foi proposital. As canções chegaram no estúdio e foram votadas e escolhidas as faixas que mais refletiam a identidade. Gutto corrobora com o vocalista dizendo que “para esse novo trabalho quisemos mostrar uma evolução da banda com composições inéditas nossas, que foi de suma importância para valorizar a nossa identidade. O Barão viveu durante muitos anos de sua credibilidade e nós queremos evoluir”. Para o tecladista, a produção levou bastante tempo, porque eles foram ‘sentindo o sabor de cada elemento’, cada faixa.

Além de Cazuza, que saiu em 1986 e morreu em 1990, em 2010, o Barão perdeu Ezequiel Neves, compositor e guru dos cariocas. E, em 2016, Peninha, o percussionista. “A única coisa que não podemos interromper é a morte. Quando o Cazuza saiu, ficamos numa encruzilhada. Afinal, quem ia compor letras tão boas quanto aquelas? Foi quando eu tomei a frente e comecei a escrever, já que naquela época letra não era a praia do Frejat. Nós tínhamos e temos muita preocupação com o conteúdo lírico. O Cazuza me ensinou que, se for para escrever qualquer coisa, melhor fazer música instrumental. Além dele, tivemos o Ezequiel colaborando nessa área. E ele foi nosso guru, era um gênio. Mas tudo faz parte de uma história de quase 40 anos, como a nossa. É inevitável”, frisa Gutto.

O Barão Vermelho estreou pela Opus Columbia passou pela RGE Discos, Som Livre, WEA Discos e Warner Music Brasil e hoje lança um disco pelo selo digital espanhol Altafonte. “O que é uma experiência nova para nós e muito rica. O mercado anterior ruiu, mas o nosso barquinho está no mar. Nesse álbum ainda teremos o disco físico, porque os fãs pedem”, revela Goffi.

Pesquisas relacionadas