Música & Badalo

Do dance ao sertanejo: com show no Rio neste sábado, Vanessa da Mata comemora 15 anos de carreira e apresenta novo DVD com sonoridade plural

No novo trabalho, a cantora reúne 25 faixas que transitam por diferentes camadas da identidade musical de Vanessa. “Eu acredito que não podemos achar que já atingimos um nível ou que está muito difícil que vamos nos estagnar. A cultura e o trabalho do dia-a-dia precisam ser transformadas e para mim, viver não é paralisar"

Publicado em 20/10/2017 | Por Julia Pimentel

Esqueçam aqueles fantasmas da voz que ela canta há alguns anos. Comemorando 15 anos de carreira e o novo projeto, Vanessa da Mata inova, consolida e reforça sua importância no cenário da música brasileira. A cantora, que neste sábado se apresenta no KM de Vantagens Hall, no Rio de Janeiro, lança o novo DVD “Caixinha de Música” para o público carioca. Em uma pequena maratona musical com 25 faixas, ela vai do rock ao sertanejo, mas sem abrir mão de sua essência. Com a voz doce e o timbre celestial que nos conquistou, Vanessa da Mata justifica a experiência e o talento que somou ao longo dos últimos 15 anos em um show que vem conquistando o Brasil.

Em “Caixinha de Música”, a cantora traz a energia do baile black como um dos elementos de seu novo trabalho. De acordo com ela, o show, que estreou nos Estados Unidos e até março passeia pelo Brasil, é uma simbiose do novo com o clássico. “Esse DVD tem uma mistura de uma parte intimista com algumas músicas antigas com uma pegada mais eletrônica e super dançante”, definiu Vanessa que, para chegar às 25 faixas, passou por uma difícil seleção que durou cerca de três meses. “Como eu só tinha feito um DVD anteriormente na carreira, havia muita música que eu queria registrar com imagens. Então, o repertório foi uma missão muito complicada porque eu tive que destacar canções de cinco discos, trazer novas e inovar em outras. Inclusive, muitas músicas desse novo DVD só entraram por causa dos arranjos que fizemos por último”, explicou.

E desta dificuldade bem resolvida nasceu uma reunião gostosa de estilos. Como Vanessa da Mata contou, “Caixinha de Música” tem rock, sertanejo, pós-punk, dance e música brasileira. “Eu sou de Mato Grosso do Sul e desde criança cresci com essa pluralidade musical. A minha vinda sempre teve trilha sonora do Norte, Centro-Oeste e Sul do Brasil. Então, ter diferentes estilos dentro de um mesmo projeto não foi uma dificuldade para mim. Pelo contrário. Foi uma delícia porque pude resgatar esses diferentes estilos e épocas”, contou.

Vanessa da Mata apresenta o novo trabalho “Caixinha de Música” no Rio neste sábado, 21 (Foto: Marcos Hermes)

Em um desses resgates, Vanessa da Mata honrou seu sangue sul-mato-grossense em uma homenagem à música mais tradicional do estado. Em “Caixinha de Música”, a cantora interpreta o clássico modão de Milionário e Zé Rico em uma pegada bem própria. “Desde criança, eu lembro das pessoas ouvindo e cantando música sertaneja do meu lado. Afinal, o Mato Grosso é um fabricante desses clássicos, só perde para Goiás. Ou seja, não tinha como a minha identidade musical não ter essa referência, por mais que não seja de forma totalmente explícita no meu trabalho. Inclusive, eu deixei de cantar música sertanejo porque não gosto muito do atual. Apesar de existirem bons artistas, eu prefiro as músicas mais antigas”, afirmou.

Seja no estilo sertanejo, dançante ou rockeiro, Vanessa da Mata imprime sua personalidade em qualquer gênero musical. Não importa a partitura, a cantora defendeu a importância de a música ser natural de sua identidade – tal qual a revelou e consagrou nesses 15 anos de carreira. “Eu acho que o mais importante quando interpretamos músicas de outras pessoas é ter a consciência de que não estamos imitando ninguém. Quando a gente incorpora e mergulha naquela melodia, automaticamente já cantamos com o nosso jeito. Esse é um trabalho de referência e estilo, e não imitação. É como você chegar em um apartamento de outra pessoa e decorar do seu jeito para que fique com uma cara nova”, explicou.

Sonoramente plural, “Caixinha de Música” também tem temas bem definidos costurando as faixas. Em seu novo DVD, Vanessa da Mata contou que misturou um pouco de seus sentimentos pessoais do momento com o cenário brasileiro atual. “Este trabalho fala muito do meu momento de redescobertas, de me abrir para experiências amorosas e da cura desse sentimento. É como perceber as delicadezas da vida e a potência da poesia que muitas vezes acabamos deixando de respirar no dia-a-dia. Mas, ‘Caixinha de Música’ também fala deste momento brasileiro em que estamos mesclando o sentimento de ser guerreiro com o da revolta. Nós precisamos nos manter felizes sem deixar que a raiva e a insatisfação sobre tudo isso nos façam pessoas amarguradas. Eu acredito que a revolta por si só não pode imperar. Nós temos que fazer com que ela nos estimule a mudar”, destacou.

E Vanessa é uma das personagens desta onda de renovação da qual ela acredita. Mesmo com crise e dificuldade, a cantora lança em comemoração aos 15 anos de carreira um DVD diverso, rico e bem trabalhado. Afinal, o momento difícil não espantou a vontade dela de reunir 25 faixas em um único trabalho. “Eu acredito que não podemos achar que já atingimos um nível ou que está muito difícil que vamos nos estagnar. A cultura e o trabalho do dia-a-dia precisam ser transformadas e para mim, viver não é paralisar. Todos os dias precisamos descobrir experiências novas, significados diferentes e aumentar nosso leque. Caso contrário, vamos acabar entrando em uma esfera muito difícil de depressão e tédio. Então, para sobreviver a este momento, criar novos horizontes é fundamental”, argumentou.

“Todos os dias precisamos descobrir experiências novas, significados diferentes e aumentar nosso leque. Caso contrário, vamos acabar entrando em uma esfera muito difícil de depressão e tédio” (Foto: Bliss Digital)

No entanto, engana-se quem pensa que, mesmo vendo Vanessa da Mata defendendo suas opiniões e argumentos sobre o cenário de crise, isso seja 100% agradável para ela. Sobre se posicionar em 2017, a cantora foi direta: “muito chato”. “Hoje temos um embate provocado por uma bipolaridade que está fazendo com que as pessoas não queiram mais falar. Com isso, estamos ficando reféns de uma vertente de hipocrisia. Afinal, quem dá sua opinião é julgado e muitas vezes acaba preferindo ficar calado depois”, disse Vanessa da Mata que acredita que “todos têm o que merecem”. “Essa é uma geração que, infelizmente, está sofrendo com a falta de investimento em educação que deixaram de fazer lá atrás. Desde antes da ditadura, o Brasil não é mais um país que se preocupa com a formação. Antigamente, a escola particular era só para aqueles que não passavam no ensino público, que era o melhor. Hoje, vemos que 40% dos estudantes de universidades são analfabetos funcionais e não conseguem compreender um texto quando leem”, comentou.

E as consequências são virais. “Estamos gastando muita energia para pouca compreensão e nenhum diálogo”, destacou Vanessa da Mata que também apontou a mudança no comportamento desta sociedade contemporânea. “As pessoas estão se preocupando só com o status, sem recheio. Antigamente, quem ganhava dinheiro ia gastar com viagens, cursos e conhecimento. Hoje, só querem comprar uma roupa nova, um lançamento de algum produto. Não existe mais a valorização de uma especialização, de conhecimento etc”, avaliou.

E como combustível desta fogueira negativa, a internet passa a ser o cenário deste novo estilo de vida. Nela, inclusive, a ostentação ganha status de arte e as infinitas informações passam a ser peças de desejo. Porém, para Vanessa da Mata, o maior problema da rede é a propagação de ideias ruins. “A internet é o lugar em que os assuntos eclodem muito rapidamente. Não importa se eles sejam positivos ou negativos. Mas tudo ganha muita força e muito rápido”, disse. Preocupada e atenta aos riscos deste mundo virtual, Vanessa acredita que educar os usuários seja uma solução.

Neste sentido, entra em campo a versão mãe da cantora, que adotou três irmãos e hoje tem a preocupação e a missão de fomentar gerações conscientes e respeitosas. “O meu maior medo como mãe sempre foi criar pessoas limitadas. Não queria que meus filhos fossem seres humanos machistas, homofóbicos e preconceituosos. Hoje, eles estão crescendo e eu vejo que consegui com que eles aprendessem o certo”, comemorou a cantora que nesta função sempre alertou para eles e colocarem no lugar do outro. “Eu acredito que seja apenas assim, vendo o que o outro sentiria, que eles iam entender o que podiam ou não fazer. E eu defendo essa ideia para todo mundo. Para mim, é só assim que no futuro teremos um convívio melhor em sociedade”, apontou Vanessa que é do time do diálogo livre. “Se eles não tiverem vontade e liberdade de me perguntarem sobre o que quiserem, vão buscar na rua essa resposta. E aí pode ser que pessoas maldosas que ensinem de um jeito que eu não acredito”, completou a mamãe e super cantora Vanessa da Mata.

Serviço: “Caixinha de Música”

Dia e hora: 21/10, sábado, às 21h
Local: KM de Vantagens Hall – Barra da Tijuca
Ingressos: bilheteria, pontos de venda ou pelo site Tickets for Fun

Pesquisas relacionadas