Música & Badalo

Day 10: Arena Banco Original resgata festa Rio de Verdade, sucesso nos anos 2000, e Rogê traz Maria Rita e Arlindo Cruz como convidados da noite. Saiba como foi!

Depois de lançar um EP promocional para comemorar este retorno do evento à noite carioca, Rogê se prepara para gravar um novo disco depois do Carnaval. No entanto, o cantor e compositor destacou o momento de crise pelo qual estamos passando. "Desde que ficou ruim, nunca mais ficou bom. O problema é, justamente, que eu nunca vi estar bom"

Publicado em 28/01/2017 | Por Julia Pimentel

A programação multicultural da Arena Banco Original começou mais cedo nesta semana. Quinta-feira, o festival promovido pelo Banco Original resgatou dos anos 2000 uma festa que foi sucesso nas noites cariocas: Rio de Verdade. Idealizado e realizado por Rogê, o evento voltou ao cenário cultural da cidade depois de mais de dez anos de hiato. Ao HT, o cantor não escondeu a felicidade neste retorno. Segundo Rogê, resgatar a festa Rio de Verdade já era uma vontade antiga. “Há alguns anos eu já estava pensando em refazer esse evento e a Arena Banco Original, que é a grande sensação do verão, foi a oportunidade perfeita. Eu estou bem feliz por estar podendo resgatar esse projeto”, disse.

Veja como foi: Day 1: Arena Banco Original lota Armazém 3 no Boulevard Olímpico com show de Nando Reis e participação de Roberta Campos. Veja o que rolou!

Rogê na Arena Banco Original (Foto: Felipe Panfili)

Veja como foi: Day 2: Dando início à programação multicultural Fernanda Abreu recebe Toni Garrido e Fausto Fawcett no palco da Arena Banco Original

Para a comemoração de ontem, o cantor, compositor e instrumentista seguiu a tradição do evento e trouxe ao palco da Arena dois convidados super especiais. Ao lado de Rogê, Maria Rita e Arlindo Cruz agitaram a noite do público que, mais uma vez, compareceu animado ao Armazém 3 do Boulevard Olímpico. Sobre as escolhas da noite, o idealizador ressaltou a amizade e a admiração fora dos palcos como justificativa. “Os convidados sempre foram meus ídolos na música. Todos os cantores que eu chamo para o ‘Rio de Verdade’ são aqueles que, de alguma forma, influenciaram a minha vida. E com os convidados de hoje não é diferente. O Arlindo é um cara que eu sempre admirei e que virei amigo nos últimos anos. Então, para esta retomada, ele foi um nome natural na minha cabeça. Já a Maria Rita foi uma aproximação mais recente. Há pouco tempo, ela gravou uma música minha”, contou Rogê que, nas quatro edições da festa que realizou nos anos 2000, recebeu convidados como Luiz Melodia, Falcão, Marcelo D2, Beth Carvalho e Bezerra da Silva.

Veja como foi: Day 3: Arena Banco Original antecipa o agito do Carnaval carioca e recebe ensaios dos blocos da Favorita e da Preta com participações de MC Leozinho e Araketu

Rogê, Maria Rita e Arlindo Cruz na Arena Banco Original (Foto: Felipe Panfili)

Veja como foi: Day 4: Arena Banco Original comemora os cinco anos do projeto Sambabook em uma noite de homenagens ao gênero centenário. “O samba é a trilha sonora do brasileiro”, disse Arlindo Cruz

Em um evento que carrega o nome ‘Rio de Verdade’, a essência do povo da cidade maravilhosa é uma obrigatoriedade no clima da festa. E Rogê não foge desta ideia. Com todos os trejeitos estereotipados que um carioca tem, o músico contou que o repertório é quase uma tradução desse nosso jeito de ser. Como nos contou, a espontaneidade é o segredo das escolhas musicais. “Eu não gosto de ter roteiro. O show é todo emendado, como se fosse um DJ. Durante a apresentação, eu vou sentindo o público e escolhendo as músicas seguintes. Esta é a peculiaridade do show. Então, eu gosto de ficar observando e sentindo a energia da galera para ver qual caminho seguir”, contou.

Veja como foi: Day 5: Comemoração dos dez anos da festa Bailinho agita a Arena Banco Original, reúne celebs na pista do Armazém e traz Lúcio Mauro Filho de DJ. Veja o que rolou!

Este slideshow necessita de JavaScript.

Veja como foi: Day 6: festa Pôr do Samba volta ao calendário carioca na Arena Banco Original e promove encontro de Péricles, Teresa Cristina e Mosquito 

Carioca assim como ele, Evandro Mesquita foi um dos convidados presentes da noite. Sem abrir mão de aproveitar um minuto sequer, o ator e cantor curtiu todo os show na pista da Arena Banco Original. Já Eduardo Moscovis, outro convidado de Rogê na noite de ontem, preferiu acompanhar a apresentação do músico direto do palco. Quem também esteve presente na Arena Banco Original ontem à noite foi o casal de atores Marcelo Faria e Camila Lucciola. Animados, os dois se jogaram no repertório animado do evento.

Veja como foi: Day 7: festa Bailinho comemora dez anos de história na Arena Banco Original e reúne celebs na pista do Armazém. Veja quem foi!

Este slideshow necessita de JavaScript.

Veja como foi: Day 8: em uma noite animada e embalada por clássicos da música brasileira, Frejat se apresenta na Arena Banco Original e recebe Maria Gadú como convidada ilustre

Apesar de o repertório da festa Rio de Verdade ser totalmente intuitivo e espontâneo, duas músicas já estavam confirmadas antes mesmo de Rogê subir ao palco. Recentemente, o cantor e compositor lançou um EP, batizado com o nome de sua festa, em comemoração a essa retomada do evento na Arena Banco Original. No festival, Rogê apresentou os singles “O Craque” e “De Montmartre ao Vidigal”, que é totalmente instrumental, que fazem parte desta novidade. Embora tenha acabado de lançar este EP pela Warner Music Brasil, o cantor e compositor contou que já planeja entrar em estúdio logo depois do carnaval. Ele que, em momento algum para de escrever novas músicas, revelou que tem um farto material para dar voz e ritmo. “Olha, eu sou compositor. Então, eu faço músicas para mim e para outros artistas todos os dias. E essa arte sempre foi um norte na minha vida. A partir das minhas letras que eu vou pensando em outros projetos e novos rumos. Mas, como isso é uma rotina para mim, eu tenho muitas composições em casa. Por mim, eu gravo todo ano”, disse.

Veja como foi: Day 9: Arena Banco Original recebe Thiago Mratins, Péricles, Mart’nália, Mosquito e Suel em encontro musical que celebra o samba e o pagode

Recentemente, Rogê lançou um EP em comemoração a retomada da festa Rio de Verdade (Foto: Felipe Panfili)

Conheça também: Arte, gastronomia e vista deslumbrante: conheça o Calçadão Original, espaço aberto ao público no Boulevard Olímpico que tem a pluralidade como conceito principal

Por falar em gravar, Rogê não escondeu sua ansiedade e expectativa em dar continuidade nos estúdios às composições escritas. “Eu tenho muito material e quando termina de escrever eu fico ávido pensando em como ficaria a letra se fosse gravada”, revelou o cantor e compositor que também tem suas criações interpretadas por companheiros de profissão. “Quando alguém grava uma composição sua, você se enche de esperança. Não tem como não ficar pensando nas possibilidades, nas chances de estourar no Brasil, na Europa etc”, confessou.

Leia também: Humor na Arena Banco Original: Marcos Veras apresenta stand up comedy no Armazém 3 e aborda questões pessoais no palco, como infância e a recente separação

Rogê na Arena Banco Original (Foto: Felipe Panfili)

Leia também: Na Arena Banco Original, Stepan Nercessian interpreta Chacrinha em musical que transita por diferentes emoções: “Diziam que não era interpretação o que eu fazia e, sim, mediunidade”, conta o ator

No entanto, a função de compor não é mais a mesma em tempos de crise social e ideológica. Segundo Rogê, as novas questões e os recentes movimentos sociais influenciaram a forma de abordar determinados assuntos. “É um momento muito rico e muito restritivo. Hoje em dia, nós não podemos falar sobre diversos assuntos e palavras que podem soar pejorativos. Mas fazer o que? Este é o nosso atual momento”, analisou Rogê que, apesar dos pesares, segue apaixonado pela profissão. “Eu adoro exercer esse ofício de compositor. Para mim, é como se fosse um artesão. Todos os dias eu vou para o meu cantinho, espero a inspiração vir para que eu possa desenvolver essas ideias”, contou animado.

Leia também: Espetáculo infantil apresenta clássicos do samba aos pequenos e transforma o gênero centenário em um personagem de nove anos. Entenda!

Ao HT, Rogê comparou o ofício de compositor ao de artesão (Foto: Felipe Panfili)

Leia também: Bossa nova para as crianças: clássicos do gênero musical brasileiro costuram enredo infantil de espetáculo apresentado na Arena Banco Original

No entanto, engana-se quem pensa que a única dificuldade de um músico no Brasil hoje em dia seja se preocupar com as novas ideias e nomenclaturas. Como destacou Rogê, a crise é uma palavra que o acompanha e assombra sua carreira desde o início, lá nos anos 2000. Sobre o atual momento, o cantor e compositor não disfarçou a dificuldade em se manter vivo economicamente. “É muita luta. Mas, desde que ficou ruim, nunca mais ficou bom. O problema é, justamente, que eu nunca vi estar bom. Quando eu apareci no cenário musical, a pirataria e o decréscimo da indústria já eram realidade. Então, desde sempre, eu ouvi a palavra crise me rondando. Eu trabalho dentro de um mercado que, praticamente, já acabou. Por isso, eu acredito que a gente não deva ficar apegado a esse tipo de papo, senão, nós perdemos o otimismo e a força. E é essencial que tenhamos essa energia. Afinal, o trabalho de composição precisa do universo lúdico para levar alegria às pessoas”, analisou o cantor que destacou que o momento de dificuldade não é exclusivo aos artistas. “Hoje em dia, não é só o músico que está sofrendo em seu oficio. Os engenheiros, professores, políticos, que estão todos sendo presos… está todo mundo em crise. A vida é dura para quem é mole”, completou Rogê.

Pesquisas relacionadas