Música & Badalo

Com Tiago Abravanel sacudindo a Hípica com seu vozeirão, famosos decretam qual o golaço dessa folia!

O Baile Oficial da Cidade do Rio de Janeiro abre o carnaval com celebrities se dividindo entre o branco absoluto e o colorido das fantasias!

Publicado em 28/02/2014 | Por Alexandre Schnabl

O carnaval 2014 começou com o grito de guerra de Tiago Abravanel que, abravanado, convidou todo mundo para cair na folia na quarta edição do Baile Oficial da Cidade do Rio de Janeiro, quinta-feira, na Sociedade Hípica Brasileira que, como manda o figurino, teve um pouco de tudo. Aliás, foi justamente no quesito figurino que a abertura do carnaval carioca se mostrou mais interessante. Com dress code que pedia fantasia ou look em branco total, o badalo acabou funcionando com um rito de passagem que define a passagem da chegada do alto Verão no Rio (a festa de Réveillon na virada do ano, com todo mundo na cor da paz) e o colorido que pontifica o final das férias caracterizadas por um carnaval tardio. Afinal, a folia momesca é o primeiro grande evento da cidade após a virada do ano, uma vez que o Fashion Rio hoje em dia é em abril. Assim, uma quantidade muito grande de foliões mais tímidos optou pelo visual branco, sobretudo a rapaziada que chegou à primeira hora, conferindo o devido brilho aos seus modelitos e intercalando com a turma do agito, que compareceu em fantasias divertidas um pouco mais tarde.

Portanto, foi essa mistura que definiu o aspecto do salão e das áreas de convivência em um evento no qual José Bonifácio Sobrinho, o Boni, foi o grande astro da noite. O homem que sabe tudo de televisão será homenageado com o enredo da Beija-Flor, uma das favoritas ao título este ano e última a desfilar no domingo, e o nervosismo que tem sido apregoado a ele nos últimos dias por conta da homenagem pode ser averiguado in loco no baile da noite passada. Apesar de conservar a cordialidade que lhe é de costume, quando ele chegou (por volta da meia-noite), muitos convidados, incluindo imprensa, foram convidados a se retirar do camarote para deixá-lo à vontade. Ele confraternizou com os amigos, cumprimentou astros globais, como Francisco Cuoco e Eva Wilma, e foi embora pouco depois da bateria da escola sair do palco.

E, em um baile patrocinado pela Devassa – cujo slogan esse ano é “Vem para a pelada: Devassa, o lado devassa do futebol” – HT perguntou aos presentes quem é a bola da vez no carnaval da Copa do Mundo. E mais, se havia alguma bola na trave no reinado de Momo este ano. Uma das anfitriãs, Gisela Amaral, foi direto na fonte: “O amor, que é a base de tudo, a alegria da vida. Então, se a alegria norteia o carnaval, o amor é a grande pedida, o gol que define o jogo”, afirmou, doce e deslumbrante, com maxi colares de bolas enoooooormes, que fazia questão de dizer que nada tinham a ver com a bola da Copa. E completou: “O amor, aliás, é a bússola não só no evento, mas 365 dias por ano”. Boa, Gisela. Já Astrid Monteiro de Carvalho, toda toda em um tubinho nude com muita pedraria, acredita que a ideia é bater um bolão fazendo dupla embaixadinha: “Vou passar parte do feriadão aqui na cidade, curtindo os agitos, e parte na fazendo com os filhotes, meu verdadeiro gol de placa.”

Este slideshow necessita de JavaScript.

Fotos: Miguel Sá (Divulgação)

A public relations Liège Monteiro é enfática: “Carnaval, para mim, é trabalho. Muito trabalhoooo!”, afirmou, considerando uma super bola dentro o enredo da Grande Rio, que homenageia Maricá e a cantora Maysa: “Em um país onde a memória de quem fez história não é cultuada, o tema da escola me soa como um néctar para o paladar”. Mas, em contrapartida, ela manda ver na sua bola fora: “Considero o povo que vai para os camarotes na avenida para dar pinta, sem sequer dar um chega na varanda e ver as escolas, uma roubada. O motivo de todos estarem no Sambódromo é o desfile”. Sua cara-metade, o jornalista Luiz Fernando Coutinho também vai direto ao pote: “A acredito que o gol de cabeça neste ano ser Christiane Torloni como Rainha da Grande Rio, uma diva. Corpaço em forma, ela se preparou com Carlinhos de Jesus para arrasar, vai ser tudo de bom”, ele diz. Mas, no outro extremo, Luiz reclama do excesso de obras na cidade que, misturados ao tumulto que já ocorre nesta época do ano, vai atrapalhar muita coisa. “Vai ser caótico”, opina.

Sérgio Mattos, o eterno descobridor de top models e daqueles garotos mais bonitos do Brasil, muda de foco, deslocando sua trave da moda para o futebol: “A bola da vez é Fred”, se referindo ao atacante do Fluminense que acaba de voltar à Seleção Brasileira. É, foi literal, mas pode ser. Para a atriz Sophie Charlotte, bola na trave são “as pessoas sem noção que invadem a privacidade dos artistas, avançando no desrespeito à sua individualidade quilômetros além da natural curiosidade por suas personas públicas.” Okay, é um dos lados da moeda, mas essa discussão sempre vai render pênaltis a favor e gols contra. E, por falar na lindinha, a promoter Nina Kauffmann demonstrou ter fixação na simpatia da globette: “O golaço é Sophie Charlotte, olha como ela está deslumbrante!” Valeu pela gracinha, Nina! Aliás, enquanto a Copa não vem, Nina vai curtindo a vida: confessa que, após o baile do Copa (do Copa, não da Copa, rs), ela emenda uma viagenzinha a Cortina D’Ampezzo. Chique. Afinal, hoje em dia tem tanta gente se achando porque foi para Aspen e nunca ouviu falar nem em Cortina, nem Courchevel, muito menos Gstaad.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Fotos: Zeca Santos (Divulgação)

Com a dublê de joalheira e Miss Simpatia Yara Figueiredo, HT muda a pergunta. “Yara, qual é a verdadeira joia desta carnaval?”, mandamos na lata. “Sorrir com o coração. Isso é tudo e o carnaval é o momento perfeito para deixar isso aflorar.”  Mas retomamos a pergunta original é a Marcelo Faustini, que foi preciso: “O golaço deste carnaval é o evento na Hípica, uma delícia de local!” Já a lindinha Fernanda Barbosa fica na dúvida e prefere não opinar. Pena, queríamos saber, mas respeitamos o desejo da chique de não se manisfestar. Mas a atriz Tatiana Meyer, arrasando no visual Frida Kahlo, topa dar a cara a tapa: “Me formei pela UniverCidade e não consigo pegar meu diploma. Essa história é um gol contra!”    

E, se a questão é acertar a bola na rede sem tomar falta, alguns foliões comentaram que, apesar de convidados pelo próprio prefeito Eduardo Paes, estranharam sua ausência, que não pode ser substituída pela alegria contagiante da Rainha do Carnaval e do Rei Momo no palco. Nessas horas, todo mundo queria saber o porquê do forfait. Mas, se faltou o prefeito e o Rei Momo também supriu essa falta, Thiago Abravanel se revelou um soberano de mão cheia, quase um califa da animação.  

Pesquisas relacionadas