Música & Badalo

Com o Circo Voador lotado, Otto apresenta seu “lado b” durante o show da turnê “Recupera”

O artista pernambucano encheu a lona da Lapa, enquanto roda o país antes de finalizar seu próximo disco de estúdio, "Ottomatopeia"

Publicado em 28/11/2015 | Por João Ker

Com uma camisa branca da Cavalera e a lona do Circo Voador lotada de fãs, Otto apresentou o espetáculo da turnê “Recupera” na noite de ontem, provando que, aos 47 anos, continua com todo o fôlego e energia que vem mantendo ao longo das décadas. O show, além de trazer ao público alguns dos clássicos pelos quais ficou conhecido, tem como objetivo resgatar as “pérolas” da carreira do pernambucano, lados b que sempre são pedidos pelos fãs, mas pouco executados ao vivo.

No palco, vários cartazes reproduzem a imagem de Otto com os olhos riscados, assim como uma sereia (nome de uma das faixas da setlist), em desenhos que remetem ao cordel, com uma concepção e direção artística completamente assinadas pelo próprio cantor. No repertório ainda entraram faixas como “Pra ser só minha mulher”, “O que dirá o mundo”, “Londres”, “Por que”, “Quem sabe Deus”, “Indaguei a mente”, “Meu mundo dança”, “Bob” e “TV a cabo”.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Claro, o que não faltou ao longo da noite foi o suingue e a sensualidade de Otto, que ora ou outra levantava a camisa, enquanto entoava seus versos românticos ou críticos. O show, por sinal, é um aperitivo para os fãs do artista, que anda finalizando os detalhes de seu próximo LP, “Ottomatopeia”, como contou ao HT. O disco, com data de lançamento prevista para após o carnaval de 2016, trará participações com Roberta Miranda, Zé Renato e, possivelmente, Gaby Amarantos.

Este slideshow necessita de JavaScript.

No final do show, Otto deixou a energia positiva do local tomar conta e improvisou no bis, algo que já é de lei nos shows da turnê. E, como se o público já não tivesse motivos suficientes para agradecer pelo show, quem compareceu ao Circo também teve o prazer de conferir o som dos baianos da banda Carne Doce, uma das maiores revelações da cena independente nos últimos anos. Poesia e gingado, em mais uma sexta-feira inesquecível na Lapa.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Pesquisas relacionadas