Moda & Beleza

A semana de moda nova-iorquina já teve Rihanna mostrando seu talento como designer, marcas vendendo as peças logo após o desfile e muito mais. Vem saber tudo!

Marcas como Diane von Furstenberg e Tommy Hilfiger disponibilizaram parte de suas coleções para venda logo após o show, enquanto Carolina Herrera defendeu que a moda não tem a obrigação de fazer pensar: “Não há nada intelectual sobre um vestido. Ele só tem que ser bonito”

Publicado em 16/02/2016 | Por Karina Kuperman

Enquanto no Brasil fervíamos com o carnaval e o verão a todo vapor, mais acima, precisamente em Nova York, a semana de moda, que começou na quinta-feira, dia 11, tem bombado com os desfiles mais esperados da temporada. Pelas passarelas fashion já passaram coleções de Victoria Beckham – que apresentou seu outono-inverno da marca homônima com direito à família comercial de margarina na fila A prestigiando a it-mom -, a coleção de Rihanna em parceria com a Puma, a elegância de Carolina Herrera e até a grife Tommy Hilfiger trazendo o alto-mar para a terra firme. Tops como Gigi Hadid, Kendall Jenner, Karlie Kloss, Lily Aldridge, Irina Shayk e outras tem riscado as passarelas representando diversas grifes. No entanto, mais do que isso, o que chamou atenção nessa temporada até agora foi o fato de brands como Diane von Furstenberg e Tommy Hilfiger disponibilizarem parte de suas coleções para a venda logo após os desfiles. A moda está realmente mudando e nós, de HT, torcemos para que a atitude vire comum. Vamos aos highlights novaiorquinos até aqui! Pega na nossa mão e vem conferir.

Fenty Puma by Rihanna
A cantora mostrou que seu talento artístico vai além da música e marcou presença na semana de moda novaiorquina em uma parceria com a Puma. Na passarela, roupas que, de acordo com a própria Rihanna, são “como se a família Addams fosse à academia”, com direito a muito streetwear – sexy, claro -, jaquetas bomber, tênis e botas e atitude. Com predominância de cores neutras como branco, preto e cinza, ela deu um toque gótico-glamuroso às roupas de tecidos em malha, com alguma renda. A estética da coleção com temática anos 90 também contou com roupas oversized, anéis de septo, sapatos de cordões e colares de cruz adornando os corpos. Nos pés, além das botas over the knee que chamaram atenção durante todo o desfile, os tênis pesadões tiveram sua vez com todo estilo. Ao final, Riri desfilou com um casaco oversized de pelúcia cinza estampada. Uma mistura de Cuela Cruel com o cool. Como não poderia deixar de ser, a apresentação contou com um show exclusivo da cantora e o time de famosos foi além das passarelas – que teve as irmãs Gigi e Bella Hadid. Na fila A, nomes como a top Naomi Campbell, a editora-chefe da revista Vogue, Anna Wintour, o estilista Jeremy Scott e outros prestigiaram Riri em sua nova empreitada.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Alexander Wang
Escuro e sombrio. Esse foi o tom do desfile de Wang, que, com sua irreverência habitual, escolheu apresentar sua coleção em uma… igreja. O palco do show foi a Igreja São Bartolomeu, em Midtown e, entre minissaias, calças tatuagem, ternos tweedy e blusas oversized, muitas estampas marcantes chamaram atenção, como as folhas de marijuana e uma brincadeira como o logotipo da Polo Ralph Lauren, que “viraram” postes com strippers. Além disso, as modelos usavam meias calças com palavras como “Strict” e “Faded” estampadas. Apaixonado por detalhes, encheu a passarelas de botas pretas com pregos de prata enormes, gorros e acessórios em couro. Wang, que recentemente deixou a Balenciaga, renovou o prazer de criar em sua coleção que leva o gótico às ruas. O cabelo e a make eram “podrinhos”, com cara de quem festejou a noite toda e acordou sem lavar o rosto. Na fila A, Anna Wintour , Grace Coddington, Selby Drummond, Kylie Jenner, Tyga, Taraji P. Henson, Zoe Kravitz e outros assistiram tudo de perto.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Victoria Beckham
Assim como seu estilo pessoal, a nova coleção de Victoria Beckham veio mais “relax” e a evolução da estética de sua marca conseguiu o impressionante feito de desviar o olhar dos presentes de sua família sentada na fila A. Os vestidos e tops ainda estruturados surgiram em interpretações mais suaves, com tecidos leves, por vezes até mesmo com bainhas por fazer. As silhuetas amplas ou de assimetria sutil em tops, calças e saias chamou atenção, mas o que parou a 25 Cipriani Broadway foi o foco de Victoria em matérias-primas, saias longas, bustiers – a opção mais casual para os seus clássicos espartilhos. “Eu queria encontrar uma forma legal e fresca de usá-los novamente, tornando-os mais day wear e moderno”, contou. Além disso, uma série de vestidos deslumbrantes e casacos listrados impressionou os presentes. O comprimento mídi e as saias de grandes dimensões parecem ser os novos queridinhos da ex-Spice Girl. Nos pés, as modelos usavam sapatos ou botas de fivelas. As cores escuras foram ganharam detalhes em tons de laranja, azul, verde e bordô. “Esta coleção é uma declaração da contínua evolução do meu estilo pessoal”, explicou Victoria.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Diane von Furstenberg
Se a coleção outono-inverno 2016/2017 da marca é inspirada pela dança, não tem como não remeter aos anos 70. Foi o que Diane fez. Com botas de cano alto, franjas, brilhos, laços, calças boca de sino e os vestidos envelope que já são clássico da marca, o outono-inverno de Diane von Furstenberg tomou a passarela montada em pleno Meatpacking District. Elementos como fendas, paetês, calças de seda, estampas, saias mídi e outros também estavam nos corpos de modelos como Karlie Kloss, Gigi Hadid, Kendall Jenner, Irina Shayk, Lily Aldridge e Jourdan Dunn que, bem à vontade na passarela, posaram para fotos e dançaram ao som de “We are family”. Na nova onda da moda, que é levar as peças para as araras logo após o desfile, Diane já colocou parte da coleção disponível para compra.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Tommy Hilfiger
Assim como Diane von Furstenberg,  Tommy Hilfiger também colocou parte da coleção disponível para compra logo após o desfile na semana de moda novaiorquina. Uma das primeiras marcas a desfilar nessa segunda-feira, dia 14, a grife promoveu um verdadeiro cruzeiro para o público do show, no Armony da Park Avenue, com direito a decoração de navio, chaminés, torres e fundo de céu estrelado. A coleção outono-inverno 2016 veio com perfume de elementos marinhos e dos anos 30, ou seja: muitos vestidos femininos e delicados, seda e cetim, casacos, decotes marinheiro, listras, couro usado com saias, estampas, suéteres, shorts, calças amplas, cinturas altas, abotoamento duplo e, como não poderia deixar de ser, abuso do tom azul-marinho. Os looks, com detalhes dourados e mangas em destaque foram adornados com tiaras e pérolas nos cabelos das modelos. Nos pés, sapatos dourados enfeitados com meias.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Carolina Herrera
Elegância e delicadeza são marca da coleção desde 1981, quando Carolina Herrera fez seu primeiro show. De lá para cá, esses elementos continuam firmes e fortes e, nessa coleção, foram retratados em vestidos fluidos, tecidos como organza e seda, cores claras e estampas de flores como jasmin. A designer, que já afirmou que “não vê mais as estações”, colocou xadrez leve em materiais finos para uma coleção que pode ser usada no verão ou inverno. Carolina Herrera defende que a moda não tem dever de fazer pensar. “Não há nada intelectual sobre um vestido. Ele só tem que ser bonito”, declarou, nos bastidores. Nas passarelas, a tradição se aliou à modernidade, com tecidos de alta tecnologia usados para dar fluidez, estrutura e simplicidade. Apesar de alegar não ter tema em sua coleção, Carolina Herrera unificou o desfile com referências ao campo em bordados florais.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Pesquisas relacionadas