Gente & Comportamento

No Folia Tropical, Marcelo Freixo festeja o carnaval politizado: “O samba nasce de um setor que sofre com o conservadorismo”

O deputado federa do PSOL conversou com HT antes de desfilar com a Estação Primeira de Mangueira e homenagear Marielle Franco

Publicado em 05/03/2019 | Por Heloisa Tolipan

Antonia Pellegrino e Marcelo Freixo (Foto: Folia Tropical)

Minutos antes de cruzar a Marquês de Sapucaí com a Estação Primeira de Mangueira para homenagear sua amiga e companheira de luta progressista Marielle Franco num enredo que buscou recontar “histórias oficiais” do Brasil – pichando o monumento aos Bandeirantes, apontando os militares dos Anos de Chumbo como assassinos e lembrando o cruel assassinato político de Marielle – o deputado federal Marcelo Freixo conversou com HT no terceiro andar do camarote Folia Tropical sobre o Carnaval que samba, mas dá as mãos em resistência.

“Os blocos de rua do Rio já sempre tiveram uma pegada crítica, da irreverência carioca, trazendo a política para a folia – o que é bom para a democracia. E acho que as grandes escolas de samba começaram a fazer isso. O que era muito pontual passou a ser mais normal. Ano passado tivemos Mangueira, Beija-Flor e Tuiuti fazendo desfiles muito críticos e esse ano isso volta. E é, de alguma maneira, uma leitura de que a sociedade quer mais democracia, mais debate. Isso chega no samba, que é onde o povo se encontra”, disse.

Daí, para Freixo, é um pulo para que se comece a avançar a discussão de ideias no campo progressista. “Acho que o sambo nasce dos setores populares, que são os que mais sofrem com os setores conservadores na política. Cabe ao samba conseguir ler o que essa população está vivendo, sentindo, e levar o processo de debate da democracia – que está ameaçada, sim! – para a avenida e para as ruas”.

Mas…e se o povo não acordar logo e ir à luta contra o conservadorismo que tomou o país desde outubro? “A gente não posso parar de sonhar, não pode parar de cantar, e não pode parar de ter vontade de viver. A Mangueira, por exemplo, destina ao Rio de Janeiro essa luta. É um enredo histórico, que diz muito sobre o destino do Rio de Janeiro”.

Leia aqui – Monica Benicio para além do título de viúva de Marielle Franco: “O Estado não deve uma resposta apenas à sociedade brasileira, mas ao mundo”

O deputado federal Marcelo Freixo assistiu aos desfiles do Folia Tropical acompanhado da escritora Antonia Pellegrino (Foto: Agnews)

 

Pesquisas relacionadas