Gente & Comportamento

Dr. Alessandro Martins responde a pergunta: “Quando devo trocar a minha prótese de mama?”

A cirurgia de implante de prótese de mama é uma das mais realizadas no Brasil e no mundo. E, por conta dessa alto interesse no assunto, é comum que alguns mitos sejam difundidos. Um deles, é sobre qual seria o melhor momento para se mudar a prótese. Dr. Alessandro Martins explica melhor na coluna desta semana!

Publicado em 05/03/2019 | Por Junior de Paula

*Por Dr. Alessandro Martins

 

Histórico

Há pouco mais de 20 anos, as próteses eram feitas com uma uma membrana na porção de silicone externa, que era mais fina. Enquanto o gel de silicone, que era o conteudo dessa prótese, era mais fluido. Com o passar dos anos, essa membrana externa ia sofrendo ação do corpo e, muitas vezes, acabava danificada e o seu conteúdo interior extravasava e acabava entremeado ao tecido mamario. Por conta disso, essas próteses antigas sempre vinham com a indicação – tanto da empresa fabricante, quanto dos cirurgiões plásticos –  de ser trocada de dez em dez anos por conta do risco desse rompimento.

Leia Mais: Em sua coluna sobre cirurgia plástica no site HT, dr. Alessandro Martins fala sobre o contorno corporal: “É importante respeitar o biotipo de cada um e suas diferenças corporais para se obter uma harmonia”

Dr. Alessandro Martins (Foto: Sergio Baia)

Evolução

Hoje em dia, essa tecnologia da prótese evoluiu bastante e as atuais possuem membrana mais espessa e mais resistente, enquanto o conteúdo do gel de silicone passou ter mais coesividade, com isso, mesmo que a prótese seja rompida, esse gel nao tem a capacidade de extravasar. Ele continua dentro da protese, porque ele não é mais fluido. Por isso, essa ideia de que é obrigatório trocar a prótese de mama de tempos em tempos caiu por terra. O que se recomenda atualmente é o acompanhamento da prótese com o passar dos anos. Se ela estiver intacta e integra, se não tiver complicação, ela pode ser mantida.

Leia Mais: Com especialização em reconstrução de mama pós-mastectomia, dr. Alessandro Martins explica possibilidades, aponta pesquisas e afirma: “Nada é mais importante do que você ter a sua paciente feliz” 

E quais seriam as complicações?

A primeira, que exige uma troca de prótese, é a contratura capsular, sobre a qual já falamos aqui em uma outra coluna. Esse processo se dá quando o tecido que reveste a prótese torna-se espesso, deixando a mama dura e dolorosa. Quando a gente possui esse quadro, é indicado mudar o plano de inclusão da prótese, se era glandular, passa para a região submusuclar. Mas é importante ressaltar que a mudança é por contra da contratura e não da prótese em si. .A segunda é quando a prótese se rompe, por algum problema. Essa ruptura, é bom que se diga, é rara, e, mesmo quando acontece, nao é uma urgência. Por fim, o que se conclui, é que, atualmente, não existe um prazo fixo para a troca da prótese de silicone. Apesar de a garantia de algumas empresas fabricantes seguir sendo de 10 anos, isso não significa que quando acaba a garantia a prótese precisa ser trocada. Só quando ocorrem intercorrências com a prótese, o gel ou com a cicatrização da mama. O mais importante é que se faça um acompanhamento de tempos em tempos com o seu médico, membro da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica,  para que tenha segurança e uma vida sem complicações.

Leia Mais: Dr. Alessandro Martins tira as dúvidas dos leitores do site HT sobre lipoaspiração: “O mais importante é que você procure um médico que seja membro da sociedade brasileira de cirurgia plástica” 

Contato: Dr. Alessandro Martins

Facebook: clique aqui 
Instagram: @dr.alessandromartins

Pesquisas relacionadas